O presidente eleito, Jair Bolsonaro, passou mal durante a viagem de Brasília para o Rio de Janeiro, na manhã de hoje (7). Ele foi atendido por um médico quando chegou à Base Aérea do Galeão. A informação foi confirmada pela assessoria de Bolsonaro. Por recomendação médica, o presidente eleito passou o dia de repouso.

Segundo assessores, ele teve uma indisposição, causada pelo ritmo forte de trabalho nos últimos dias em Brasília. O médico particular de Bolsonaro, Antônio Macedo, recomendou repouso ao longo desta sexta-feira.

O filho de Bolsonaro, deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), eleito para o Senado, confirmou o mal-estar do pai. “Soube que ele sentiu um mal-estar pela manhã. Mas já está em casa e bem”, disse o parlamentar, negando qualquer relação com a bolsa de colostomia que Bolsonaro vem usando desde as cirurgias decorrentes do atentado a faca que sofreu durante a campanha.

Em decorrência da indisposição, o presidente eleito cancelou sua participação na cerimônia de declaração de novos aspirantes da Academia da Força Aérea, que ocorreu hoje, no município de Pirassununga, em São Paulo.

Apesar do mal-estar, ele confirmou que participará, amanhã (8) da formatura de oficiais da Escola Naval, no Rio de Janeiro. A cerimônia começará às 10h, quando 228 aspirantes integrantes da Turma Almirante Saboia serão declarados Guardas-Marinha e receberão suas espadas, símbolo do oficial de Marinha, após quatro anos de formação acadêmica e militar-naval.

Agência Brasil

Das 8.517 vagas ofertadas no novo edital do programa Mais Médicos, 8.405 já tinham sido preenchidas até as 18h desta terça-feira (4), segundo balanço divulgado pelo Ministério da Saúde. O levantamento mostra ainda que 3.276 profissionais já se apresentaram ou iniciaram as atividades nas cidades, o que equivale a 38% do total de postos abertos.

O edital já conta com 34.653 inscrições, das quais 23.951 foram concluídas. Os médicos têm até o dia 14 deste mês para se apresentarem nas cidades escolhidas durante o processo de seleção. Caso haja desistência, o profissional deve avisar o município, que fará a comunicação ao Ministério da Saúde.

Até o momento, 200 médicos já indicaram que não vão assumir os postos para os quais foram designados. A principal causa apontada é a incompatibilidade de horário com outras atividades profissionais. Para participar do Mais Médicos, é necessário dedicar 40 horas semanais ao trabalho, que dever ser realizado em uma equipe de Saúde da Família.

O processo de inscrição segue aberto até sexta-feira (7) para os profissionais com registro no Brasil.

29
nov

Mais médicos…

Postado às 14:26 Hs

A Faculdade de Enfermagem Nova Esperança (FACENE) ganhou o direito de ofertar 113 vagas para o curso de medicina em Mossoró.

Quem garante isso é a Portaria nº 833 de 28 de novembro publicada no Diário Oficial da União publicada hoje.

A FACENE poderá ofertar 113 vagas anuais a partir do seu próximo vestibular.

Mossoró se consolida a cada dia como pólo educacional regional, como já temos medicina na UFERSA  e UERN, vem para somar essa nova ampliação do campo da saúde. Ótima notícia.

Ampliar a doação de sangue no país, sensibilizando novos doadores. Esse é o objetivo da campanha nacional ‘Doe Sangue Regularmente, Tem Sempre Alguém Precisando de Você’, do Ministério da Saúde, que é intensificada no Dia Nacional do Doador de Sangue, comemorado neste domingo (25/11).

No Brasil, cerca de 1,6% da população doa sangue – 16 a cada mil habitantes. Embora o percentual fique dentro dos parâmetros da Organização Mundial de Saúde (OMS) – de pelo menos 1% da população – o Ministério da Saúde tem trabalhado para aumentar o número de doadores.

Na semana do dia 25 de novembro, os serviços de hemoterapia de todo o país estão mobilizados em campanhas locais para ampliar o número de doadores.  A doação é 100% voluntária e beneficia qualquer pessoa, independentemente de parentesco com o doador. O sangue é essencial para os atendimentos de urgência, realização de cirurgias de grande porte e tratamento de pessoas com doenças crônicas, como a Doença Falciforme e a Talassemia, além de doenças oncológicas variadas que, frequentemente, necessitam de transfusão. A penas uma doação pode beneficiar até quatro pessoas.

No Brasil, dados revelam que a doação é maior entre jovens na faixa etária de 18 a 29 anos, representando 42% dos doadores. Anualmente, em média, 3,3 milhões de pessoas doam sangue e aproximadamente 2,8 milhões realizam transfusão sanguínea no país. Do total de doadores no ano passado, 60% são homens. Do total de doadores no ano passado, 60% são homens.

Por Jussara Soares/ O Globo

Com o adiamento da cirurgia do presidente eleito, Jair Bolsonaro, para depois da posse no dia 1º de  janeiro, o vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão , deverá assumir a Presidência  por pelo menos duas semanas, tempo médio para recuperação da operação de retirada da bolsa de colostomia. A cirurgia foi adiada após Bolsonaro passar por exames na sexta-feira, que indicaram inflamação do peritônio (membrana da parede do abdome). Inicialmente, a nova cirurgia estava prevista para 12 de dezembro, com tempo suficiente para a recuperação total antes da posse.

Ao longo da campanha, após algumas declarações do candidato a vice consideradas desastradas pela cúpula da campanha, Bolsonaro pediu para que o então colega de chapa evitasse polêmicas.

MANCADAS – Mourão chegou a sugerir uma nova Constituição escrita por notáveis, disse que famílias apenas com mãe e avó eram “fábricas de desajustados” e que o 13º salário pago aos trabalhadores é uma “jabuticaba”, numa crítica de que só aconteceria no Brasil.

Com o adiamento, não há previsão de quando a nova cirurgia ocorrerá. Bolsonaro voltará ao Albert Einstein para uma nova avaliação médica em janeiro, quando será marcada a operação.

Os médicos calculam que, assim que for operado, Bolsonaro terá de ficar pelo menos cinco dias hospitalizado novamente no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Inicialmente, numa Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Depois, permanecerá cerca de dez dias em casa.

TUDO ADIADO – No início de novembro, Bolsonaro afirmou que, por conta da cirurgia, a data para a primeira viagem internacional como presidente eleito, que seria ao Chile, ainda não havia sido definida. Não há um novo cronograma sobre a agenda de compromissos no exterior. Bolsonaro ficou 24 dias internado após ter passado pela primeira cirurgia, ainda em Juiz de Fora, depois de ser atingido por uma facada durante ato de campanha.

De acordo com os últimos exames, o presidente eleito está “bem clinicamente” e mantém “ótima evolução” do seu quadro clínico, apesar da inflamação.

24
nov

Governo Rosalba muda gestor da Saúde

Postado às 12:01 Hs

A Secretaria de Saúde do Município de Mossoró terá novo comando a partir da próxima segunda-feira (26). Trata-se da enfermeira e ex-secretária de Saúde de Natal Maria da Saudade Azevedo.

A prefeita Rosalba Ciarlini (PP),comunicou a mudança ao próprio secretário Benjamim Bento, na sexta-feira(23). A exoneração de Benjamim, bem como a nomeação da nova secretária Maria da Saudade Azevedo, já sairá no JOM desta semana.

Maria Da Saudade Azevedo :

A enfermeira mossoroense ocupou de fevereiro de 2014 a agosto de 2017 o cargo de secretária municipal adjunta; e de setembro de 2017 a maio de 2018 o cargo de secretária de Saúde de Natal.

A governadora eleita Fátima Bezerra anunciou o terceiro secretário de estado da sua gestão que terá início no dia 1º de janeiro.

Foi o titular da Saúde, que será o médico Cipriano Maia. “A Saúde no Rio Grande do Norte passa por uma crise profunda, que vai desde a falta de materiais básicos para o dia a dia até a má qualidade das condições de trabalho dos profissionais que atuam na área. É preciso reorganizar a Saúde e fazermos uma verdadeira parceria com os municípios. Não é pouca coisa, mas estou confiante de que, com sua experiência, qualidade técnica e profissionalismo, Cipriano Maia irá fazer um grande trabalho pela Saúde no Rio Grande do Norte”, afirmou Fátima.

 

Cipriano Maia de Vasconcelos

Formado em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) em 1980, é mestre em Ciências Sociais pela UFRN e doutor em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). É professor associado do Departamento de Saúde Coletiva da UFRN e tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Planejamento e Gestão em Saúde. Tem experiência em Políticas de Saúde, Gestão em Saúde, Sistema Único de Saúde (SUS), Gestão Municipal de Saúde e Hospitais Universitários, já tendo exercido cargos de direção no Ministério da Saúde (2003-2004) e de secretário municipal de Saúde de Natal (2013 a 2015). Foi pró-reitor de Extensão da UFRN e hoje é coordenador do Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva.

23
nov

Propostas

Postado às 18:45 Hs

Cosems-RN entrega propostas à equipe de transição da governadora eleita Fátima Bezerra  


Um dos momentos mais importantes durante o XIV Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Rio Grande do Norte, evento promovido entre os dias 20 e 22 de novembro, no Hotel Vila do Mar, em Natal, pelo Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do RN (Cosems-RN) em parceria Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) e Ministério da Saúde (MS); foi a entrega da Carta de Natal 2018 [CONFIRA AQUI], nesta quinta, a Cipriano Maia, coordenador-geral do Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (NESC/UFRN) e representante da equipe de transição da governadora eleita, Fátima Bezerra (PT), na área da saúde.

De acordo com a presidente do Cosems-RN, Debora Costa dos Santos, secretária municipal de saúde de São José do Seridó, a diretoria do Conselho espera que o documento seja utilizado como base para compor o plano de gestão para o próximo governo estadual. “O documento consta os principais pontos que atualmente são os gargalos do SUS [Sistema Único de Saúde] em nosso Estado, gargalos esses que atingem diretamente nossos municípios e nossa população”.

O XIV Congresso teve como tema central “30 anos de SUS: Recortes Históricos e Perspectiva de novos Horizontes”. O público-alvo do encontro foram os secretários municipais de saúde do Estado. O evento teve o objetivo de proporcionar aos gestores municipais a oportunidade de discussões; ajudando na tomada de decisões da gestão do SUS e fortalecendo políticas públicas que viabilizem estruturas organizacionais resolutivas.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), será submetido à cirurgia de retirada da bolsa de colostomia no ano que vem, informou o Hospital Albert Einstein, hoje. Inicialmente, a operação estava prevista para 12 de dezembro, dois dias após sua diplomação.

Bolsonaro passou por exames pré-operatórios no centro médico da Zona Sul de São Paulo nesta manhã. Segundo boletim médico divulgado pelo hospital, o presidente eleito “encontra-se bem clinicamente e mantém ótima evolução, porém os exames de imagem ainda mostram inflamação do peritônio e processo de aderência entre as alças intestinais”.

“A equipe decidiu em reunião multiprofissional postergar a realização da reconstrução do trânsito intestinal”, diz o comunicado. Em janeiro, o presidente eleito voltará ao hospital para mais exames antes da cirurgia.

Ele fez tomografia e exame de sangue, além de se consultar com um gastroenterologista e com um cardiologista.

A campanha Previ Solidário 2018, de arrecadação de mantimentos para o abrigo de idosos Amantino Câmara, terá o apoio da igreja católica de Mossoró. O reforço na campanha foi anunciado nessa terça-feira (20) pelo Bispo Dom Mariano Manzana em reunião com o presidente do Instituto Municipal de Previdência Social dos Servidores de Mossoró (PREVI-Mossoró), Elviro Rebouças, e equipe organizadora do projeto. O encontro aconteceu na Cúria Diocesana de Mossoró. Durante a campanha, a comunidade católica será incentivada pelos padres que pertencem à diocese a contribuir com o projeto Previ Solidário fazendo doações de alimentos ou itens de higiene pessoal ao abrigo de idosos. Em cada igreja haverá um cartaz nos quadros de avisos informando os dados da conta bancária do próprio Amantino Câmara para doações em dinheiro, entre outras informações essenciais à campanha.
21
nov

Precisa-se de médicos

Postado às 10:34 Hs

Por Arthur Cunha

A polêmica dos cubanos do Mais Médicos trouxe à tona novamente um debate ético e moral acerca da profissão no Brasil. Ora, o argumento técnico para justificar a criação do programa foi a necessidade real da ida de médicos para os grotões Brasil adentro. Quem vive nesses pequenos municípios sente na pele o que é ficar doente e não ter como ser atendido; tendo, muitas vezes, que viajar vários quilômetros para poder se tratar.

A celeuma política em torno do programa nos faz atentar para a triste realidade de que a maioria dos nossos médicos preocupa-se mais com status do que com seus pacientes. Está lá escrito bem claro no Juramento de Hipócrates, que todo profissional precisa fazer ao se formar. “Os deveres que o médico deve ter para com o professor, e para com a profissão, são: a integridade de vida, a assistência aos doentes e o desprezo pela sua própria pessoa”, diz o texto do homem que foi considerado o Pai da Medicina.

No Brasil, infelizmente, um grande número desses profissionais se nega a trabalhar longe dos grandes centros urbanos. Os chamados “médicos de shopping” saem da faculdade mais preocupados em ganhar dinheiro do que em salvar vidas. É uma triste realidade, mas é o que percebe na prática.

Pergunte a um prefeito de cidade do interior sobre a dificuldade em se achar um plantonista para o hospital local; ainda que se ofereça diversos benefícios, a exemplo de bons salários – no Mais Médicos, a remuneração é de R$ 11,8 mil/mês –, flexibilidade de horário e até moradia em muitos casos.

As entidades sindicais médicas, que estimularam a categoria a protestar contra o então Governo Dilma, que começou o programa, deveriam, agora, cobrar dos seus filiados a hombridade e a responsabilidade profissional de ir até onde se precisa para oferecer uma assistência digna ao povo. No Brasil, precisa-se de médicos. Fica o apelo.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), anunciou o deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) como futuro ministro da Saúde. Este é o 10ª nome anunciado para o próximo governo e o terceiro ministro do Democratas.  “Estamos aqui como soldados para gente saber qual o melhor caminho para enfrentar a batalha”, disse pouco depois de ter sido confirmado ministro da Saúde.

O nome de Mandetta foi defendido por grupos próximos a Bolsonaro, como o futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e o governador eleito de Goiás, Ronaldo Caiado. A coluna Painel, da Folha, já havia adiantado que Mandetta poderia ser anunciado nesta terça (20) como novo ministro de Bolsonaro.

O nome de Mandetta foi anunciado por Bolsonaro em reunião com a bancada da saúde em Brasília. Logo depois, ele publicou a escolha em suas redes sociais. “Com o apoio da grande maioria dos profissionais de saúde do Brasil, anuncio como futuro Ministro da Saúde, o Doutor Luiz Henrique Mandetta”, escreveu.

DESAFIOS
Mandetta terá muitos desafios a enfrentar na gestão da saúde no Brasil. Área apontada em pesquisas como uma das principais preocupações da população, a saúde vive um paradoxo.

Em 30 anos, o SUS (Sistema Único de Saúde) consolidou-se como o maior sistema de saúde gratuito do mundo, atendendo a quase 75% da população do país.

A oferta de serviços, porém, é desafiada por um quadro crônico de subfinanciamento, que pode piorar nos próximos anos. Ao mesmo tempo, diante de uma projeção de aumento nos gastos, o sistema desperdiça recursos por conta da ineficiência. E quem sofre é a população que enfrenta filas, tem dificuldade de acesso a especialistas, passa longo tempo à espera por cirurgias eletivas e encontra emergências superlotadas.

 

 

17
nov

Congresso

Postado às 17:38 Hs

O Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Rio Grande do Norte (Cosems-RN) em sua trajetória de participação técnica e política no cenário da representação colegiada dos gestores potiguares, tem ao longo de seus 29 anos de existência, juntamente com seus parceiros, acumulado experiência e se revigorado rumo à consolidação do Sistema Único de Saúde (SUS) como um Sistema público de saúde includente, resolutivo e democrático. Neste sentido, o Cosems-RN com o apoio do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) e Ministério da Saúde (MS) realizará o XIV Congresso de Secretários Municipais de Saúde do RN, no período de 20 a 22 de novembro de 2018, com tema central “30 anos de SUS: Recortes Históricos e Perspectiva de novos Horizontes”. O evento acontecerá no Hotel Vila do Mar, na Via Costeira, em Natal e terá como público-alvo os secretários municipais de saúde do Estado.

Oito cidades potiguares ficarão sem nenhum médico, após a saída dos 142 profissionais cubanos que atuam no Mais Médicos no Rio Grande do Norte. A informação é da coordenadora da comissão do programa no estado. Além de perderem os serviços, os municípios também correm risco de ficar sem repasses do governo federal para as ações de saúde. Ao todo, 489,9 mil potiguares serão afetados.
As cidades que devem ficar sem médicos são Bodó, Taboleiro Grande, Timbaúba dos Batistas, Vila Flor, que têm um profissional cada; além de Jardim de Angicos, Riacho de Santana, São Francisco do Oeste e Itajá, que contam com dois médicos cubanos cada uma.
De acordo com assessoria de comunicação da Secretaria Estadual de Saúde Pública, ao todo, 282 médicos estão em atividade no RN através do Programa Mais Médicos. Destes, 142 são cubanos e atuam em 67 municípios do RN.
No caso das oito cidades citadas acima, os cubanos são os únicos médicos. Com a saída deles, as equipes de enfermeiros, técnicos e agentes devem permanecer atuando nas comunidades, mas poderão ser desfeitas, caso as vagas de profissional médico não sejam preenchidas em até quatro meses.

Ministério da Saúde informou nesta sexta-feira, 16, que fará ainda este mês a seleção para contratar profissionais brasileiros em substituição aos cubanos que fazem parte do Programa Mais Médicos.

Nesta sexta, a proposta de edital para preencher 8.332 vagas deixadas pelos médicos cubanos será definida pela pasta. As medidas são pauta de reunião do governo brasileiro com representantes da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), com quem é firmado convênio .

A expectativa do Ministério é que os médicos brasileiros selecionados nesta nova etapa comecem a trabalhar nos municípios imediatamente após a seleção, o que deve ocorrer ainda este ano.

Uma coletiva foi agendada para o início da próxima semana. O encontro vai esclarecer detalhes do edital de seleção e da chamada para inscrições de médicos brasileiros no programa.

Ministério da Saúde informou nesta sexta-feira, 16, que fará ainda este mês a seleção para contratar profissionais brasileiros em substituição aos cubanos que fazem parte do Programa Mais Médicos.

A pasta finaliza nesta sexta a proposta de edital para preencher 8.332 vagas deixadas pelos cubanos. As medidas são pauta de reunião do governo brasileiro com representantes da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

O Ministério da Saúde informou na manhã desta sexta-feira (16) que a seleção de médicos brasileiros para ocuparem as vagas que serão deixadas pelos profissionais cubanos do programa Mais Médicos ocorrerá ainda em novembro. Na última quarta (14), o Ministério da Saúde Pública de Cuba anunciou a decisão de deixar o programa Mais Médicos, criado durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff. Cuba enviava profissionais para atuar no Brasil desde 2013. O governo cubano atribuiu a decisão a “declarações ameaçadoras e depreciativas” de Bolsonaro. O presidente eleito afirma que Cuba não quis aceitar condições para continuar no programa. De acordo com o Ministério da Saúde, a formulação do edital para substituição dos médicos cubanos será finalizada ainda nesta sexta, durante reunião com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).
16
nov

@ @ É NOTÍCIA … @ @

Postado às 12:15 Hs

  • Representantes da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) entregarão ofício à embaixada de Cuba nesta sexta (16) com um apelo para que o país reconsidere a decisão de abandonar o programa Mais Médicos. Secretários municipais de Saúde também planejam ir à embaixada para tentar conversar com cubanos sobre os riscos da saída imediata dos médicos.(Folha).
  • A Revista Crusoé, na reportagem sobre a juíza Gabriela Hardt, diz que, diante da robustez das provas, Lula pode pegar até vinte anos de pena pela propina recebida no sítio de Atibaia.
  • O juiz Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara da Justiça Federal de Brasília, aceitou nessa quarta-feira (14) a denúncia oferecida pelo Ministério Público contra os ex-deputados federais Geddel Vieira Lima (MDB-BA), Eduardo Cunha (MDB-RJ) e Henrique Alves (MDB-RN) e mais 15 pessoas. Com a decisão do juiz, eles se tornaram réus no processo e passarão a responder a uma ação penal.
  • Deputados e senadores de vários partidos articulam a criação de uma frente parlamentar anticorrupção no Congresso para debater o pacote de medidas que deve ser encaminhado ao Legislativo pelo juiz Sérgio Moro já no início do governo, informa a Folha de São Paulo. A intenção declarada é dar suporte e agilizar a tramitação das medidas, mas a intenção velada é dividir os holofotes com Moro e não deixar que ele colha sozinho os louros do tema.
  • O deputado federal eleito Benes Leocádio (PTC) já tem um capital político. Além dos deputados estaduais eleitos Ubaldo Fernandes (PTC) e Eudiane Macedo (PTC), um grupo de prefeitos e vereadores do interior está disposto a acompanhá-lo. Leocádio passa de liderado a líder político.O grupo pode pegar uma sigla forte para comandar no Estado.
  • Figura dada como certa no governo Fátima Bezerra (PT), a deputada estadual Márcia Maia poderá voltar ao PSB ou se filiar ao PCdoB. É o que andam falando. Ela hoje é filiada ao PSDB.

 

16
nov

Informes

Postado às 7:35 Hs

Levantamento inédito do CFM revela que valor coloca o Rio Grande do Norte em 16º lugar no ranking dos estados e que fragilidades na assistência persistem R$ 2,60 ao dia: esse é valor per capita destinado pelos três níveis de gestão (federal, estadual e municipal) para cobrir as despes as com saúde dos mais de 3,5 milhões de brasileiros que vivem no Rio Grande do Norte. Esse é o resultado de uma análise detalhada das informações mais recentes disponíveis, relativas às contas públicas do segmento em 2017. Segundo o cálculo inédito feito pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), a partir de dados oficiais, naquele ano, o gasto por habitante com saúde no Estado foi de R$ 948,99, o que coloca essa unidade da federação em 16º lugar no ranking nacional. Em todo o País, o gasto médio per capita com saúde no ano passado foi de R$ 1.271,65. Entre os 26 Estados, no entanto, esse valor varia de R$ 703,67, no Pará, a R$ 1.771,13, em Roraima. As informações levantadas pelo CFM consideraram as despesas em Ações e Serviços Públicos de Saúde (ASPS) declaradas no Sistema de Informações sobre os Orçamentos Públicos em Saúde (Siops), do Ministério da Saúde. Pela lei, cada ente federativo deve investir percentuais mínimos dos recursos arrecadados com impostos e transferências constitucionais e legais na área.
dez 12
quarta-feira
02 58
ENQUETE

Você acha que o brasileiro acostumou-se com a Corrupção ao longo do tempo ?

Ver resultado parcial

Carregando ... Carregando ...
PREVISÃO DO TEMPO
INDICADOR ECONÔMICO
39 USUÁRIOS ONLINE
Publicidade
  5753542 VISITAS

Facebook

Twitter

Instagram