09
mar

Mossoró molhada

Postado às 16:27 Hs

Segundo dados da Ufersa, chuva em Mossoró foi de 74 milímetros nesta sexta.
Segundo dados pluviométricos da Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA), a chuva que caiu no final da tarde e início de noite de sexta-feira (8) em Mossoró foi de 74 milímetros. As informações foram repassadas pelo professor de meteorologia, José Espínola.

As chuvas variaram de intensidade em alguns bairros. Por exemplo, segundo Espínola, o pluviômetro instalado no Aeroporto Dix-sept Rosado registrou chuva de 40 milímetros.

O Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) informa que a previsão para Mossoró e região é de pancadas de chuva e trovoadas isoladas durante o fim de semana.

Via Ismael Sousa

Após um fim de semana chuvoso, a Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte(Emparn) informa a previsão para os próximos dias de mais chuvas em todas as regiões, que podem ser mais intensas a partir de quarta-feira (27), porque além da Zona de Convergência Intertropical, começa a atuar também um Vórtice Ciclônico.

Fevereiro vem registrando um bom volume de chuvas desde o início do mês. Com o acumulado do fim de semana, já são 63 municípios na categoria Normal; 40 na categoria Chuvoso e 8 Muito Chuvoso, o que confirma a previsão feita pelos meteorologistas, em janeiro, de que fevereiro ia ter volume de chuvas acima da média.

Na última sexta (22), foi divulgado o resultado da Reunião Climática realizada no Rio Grande do Norte, a conclusão dos meteorologistas é de que os meses de março, abril e maio vão ter um volume acumulado de chuvas dentro do normal.

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) emitiu uma nota com dicas de segurança para minimizar os riscos de acidente em dias chuvosos como este sábado (23). Confira abaixo.

Dicas

Não ligue equipamentos elétricos se você estiver molhado ou descalço;
Em caso de choque elétrico dentro de casa, desligue IMEDIATAMENTE o disjuntor;
Desconecte das tomadas os aparelhos eletrônicos que não estiverem sendo usados;
Se perceber que as paredes da casa estão úmidas, evite o contato com elas e não ligue equipamentos elétricos em tomadas instaladas ali, pois elas podem ser fonte de choques (veja dica acima) e mau funcionamento de equipamentos;
Evite ficar em áreas descampadas (abertas) como campos de futebol, piscina, lagos, lagoas, praias, árvores, postes, mastros e locais elevados. Recomenda-se ficar dentro de casa ou em local abrigado durante a chuva;
Não fique debaixo de árvores e/ou estruturas metálicas durante temporais com raios e, em casa, evite o contato com objetos com estrutura metálica como fogão, canos, etc, sobretudo se a casa estiver em campo aberto;
Não realize serviços em locais onde o risco de exposição aos raios seja maior, a exemplo de instalação ou manutenção de antenas de TV;
Não instale, desligue ou remova antenas se estiver chovendo. Se sua antena cair sobre a rede ou próximo a ela, nunca tente segurá-la ou recuperá-la;
Caso encontre um fio caído, jamais se aproxime e ligue imediatamente para o 116 da Cosern.

O semiárido potiguar, que abrange as regiões Central, Oeste e parte do Agreste do Rio Grande do Norte, terá volume de chuva dentro da média no trimestre de março, abril e maio de 2019. A informação foi divulgada pelos meteorologistas do Nordeste e do Cptec/Inpe, nesta sexta-feira (22), após discussões e análises realizadas durante a quinta-feira (21), na sede da Empresa de Pesquisas Agropecuárias do RN (Emparn), na região metropolitana de Natal. De acordo com os pesquisadores, o resultado partiu da análise dos campos atmosféricos e oceânicos de grande escala – como vento em superfície e em altitude, pressão ao nível do mar, temperatura da superfície do mar, entre outros – e dos resultados de modelos numéricos globais e regionais e modelos estatísticos de diversas instituições de meteorologia do país.
11
fev

Chuvas no RN / Registros

Postado às 14:53 Hs

A Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) registrou chuvas em 115 postos de observação, incluindo municípios de todas as regiões do estado, no período de 7h da sexta-feira (8) às 7h desta segunda (11). No acumulado durante o fim de semana, o município de Venha Ver, na região Oeste, foi onde mais choveu: 200 milímetros. Em Lucrécia, foram 111,9 mm.

Já na região Agreste, os municípios que mais registraram chuvas foram Jaçanã (180,5 mm) e Ruy Barbosa (102 mm). Na região Leste, destaque para Goianinha (102,1 mm) e Parnamirim (82 mm). E, na região Central potiguar, as maiores chuvas foram registradas em Lajes (91,4 mm) e Parelhas (86,1 mm).

Veja o registro das chuvas por região:
Oeste
Venha Ver: 200 mm
Lucrécia: 111,9 mm
Coronel João Pessoa: 98,2 mm
Rafael Godeiro: 97,4 mm
Tenente Ananias: 92,5 mm
Martins: 91 mm
Major Sales: 86,2 mm
Paraná: 85 mm
Felipe Guerra: 84 mm
Riacho da Cruz: 72,3 mm
São Francisco do Oeste: 67 mm
Pau dos Ferros: 61 mm
Rafael Fernandes: 60,4 mm
Luis Gomes: 60 mm
Patu: 59 mm
Janduís: 55,6 mm
Francisco Dantas: 55 mm
Areia Branca: 49,3 mm
José da Penha: 48,1 mm
Caraúbas: 47,3 mm
Portalegre: 45,8 mm
Encanto: 45 mm
Itaú: 45 mm
Pendências: 44,7 mm
Olho D’Água do Borges: 42,7 mm
Água Nova:42,5 mm
Rodolfo Fernandes: 42,5 mm
Baraúna: 40 mm

Agreste
Jaçanã: 180,5 mm
Ruy Barbosa: 102 mm
Coronel Ezequiel: 89,3 mm
Monte Alegre: 82 mm
Boa Saúde: 78,9 mm
Ielmo Marinho: 76,7
Bento Fernandes: 61 mm
Monte das Gameleiras: 53 mm
Santo Antônio: 46,4 mm
Bom Jesus: 43,5 mm

Leste
Goianinha: 102,1 mm
Parnamirim: 82 mm
Espírito Santo: 78,2 mm
Maxaranguape: 70 mm
Canguaretama: 63,5 mm
Montanhas: 47,3 mm
Extremoz: 46 mm
Taipu: 45 mm
Baía Formosa: 41,8 mm
Natal: 36,9 mm

Central
Lajes: 91,4 mm
Parelhas: 86,1 mm
São José do Serido: 56 mm
Pedro Avelino: 54,6 mm
Jardim de Angicos: 50 mm
Cruzeta: 48,1 mm
Caicó: 46 mm
Caiçara do Rio dos Ventos: 38,2 mm

06
fev

* * * Quentinhas … * * *

Postado às 21:11 Hs

* * * Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) alerta para continuidade de pancadas de chuvas em todas as regiões do estado, entre está quarta-feira(06) e sexta-feira(08). Embora com previsão de pancadas de chuvas, por exemplo, na capital potiguar, a alternância de céu claro e nublado, com o forte calor, também deverá estar presente nestes dias.Uma boa notícia para todos os agricultores potiguares . * * *

* * * O preço médio do gás de cozinha vai aumentar cerca de R$ 2 no Rio Grande do Norte, após a Petrobras reajustar em 1,04% o valor do botijão de 13 quilos nas refinarias. A estimativa é do Sindicato dos Revendedores Autorizados de Gás GLP (Singás). O novo valor aos distribuidores passou a valer na terça-feira (5) e já deve ser sentido pelos consumidores a partir desta quarta (6).
“Em média, o valor do botijão está R$ 65 no estado. Nós estamos estimando um aumento ao consumidor entre R$ 1,50 a R$ 2”, explicou o presidente do sindicato, Fernando Santos. De acordo com ele, os revendedores vêm reduzindo a margem de lucro desde o final do ano passado para tentar evitar repassar os reajustes para o consumidor. Ainda de acordo com ele, o sindicato se posicionou contrário ao aumento, porque, de acordo com ele, não houve motivação externa, senão aumento de lucro da Petrobras. * * *

* * * O governador João Dória do Estado de São Paulo (SP), que vem reestruturando o PSDB em todo país, já avisou  está tentando atrair o ingresso do deputado federal Benes Leocádio na legenda. Mas o presidente nacional do PDT, Carlos Luppi, quer tirar o PDT do ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves para entregar a Benes. Aguardemos… * * *

 

 

 

03
fev

Esperança

Postado às 19:35 Hs

Jucurutu, na região Oeste do Rio Grande do Norte, foi o município potiguar onde mais choveu em janeiro de 2019. O volume acumulado durante todo o mês, foi de 355,7 milímetros, volume bem acima da média que é de 79,3mm, choveu 348,5% acima da média mensal.

O segundo município mais chuvoso foi Janduís, também na região Oeste, onde choveu 243,5mm. Esses volumes de chuva em Jucurutu e Janduís, contribuíram de forma significativa para o aumento da média do mês na região Oeste, que foi de 25,3% acima da média de janeiro. Na região Oeste esse aumento do volume médio de janeiro foi ainda maior, choveu 34,3% a mais que o normal para o período.

Segundo o meteorologista da Emparn, Gilmar Bristot,as chuvas ocorridas em janeiro de 2019 no Estado, foram devido a atuação do sistema meteorológico Vórtice Ciclônico de Ar Superior (VCANS), e em alguns momentos, juntamente com a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT)”. A atuação desses dois sistemas juntos favoreceu a ocorrência de chuvas nas regiões Oeste e Central, mas atuou com menos intensidade nas regiões Agreste e Litoral, onde o volume de chuva registrado ficou abaixo da média, principalmente no Litoral onde choveu 60% a menos do que normalmente chove no mês de janeiro.

Análise climática e previsão de chuva para fevereiro de 2019

A atuais condições oceânicas/atmosféricas mostram presença do Fenômeno EL NIÑO fraco a moderado no Oceano Pacífico, e com tendência de apresentar uma diminuição na sua intensidade nos próximos meses. Esse comportamento, El Niño Fraco, é favorável a ocorrência de chuvas na região Nordeste do Brasil para o período de fevereiro a maio de 2019, quando associado às boas condições apresentadas pelo Oceano Atlântico, onde a bacia norte deste oceano está mais frio do que a bacia sul.

Para fevereiro, as previsões indicam que as chuvas deverão continuar, mas com uma melhor distribuição espacial, quando comparado à janeiro de 2019, pois a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) deverá atuar com mais frequência, associada à presença de Frentes Frias e Vórtices Ciclônicos de Ar Superior (VCANS).

Emparn registrou mais um fim de semana de boas chuvas no interior do RN. No balanço do fim de semana, Jucurutu mais uma vez registrou um bom volume, 98 milímetros, somando o que choveu durante o mês de janeiro o volume é de 331mm, em 2018 o volume de chuva em Jucurutu durante todo o mês janeiro foi de 27,7mm.

O boletim completo está disponível no site da Emparn você pode conferir abaixo:

Período das 7:00hs de 25/01/2019 às 7:00hs de 28/01/2019

MESORREGIÃO OESTE POTIGUAR

Jucurutu(Emater) 98,0
Umarizal(Fazenda Camponesa(partic)) 55,2
Severiano Melo(Prefeitura) 45,0
Pau Dos Ferros(Particular) 40,0
Olho D’agua Dos Borges(Particular) 33,5
Patu(Particular) 28,0
Paraú(Prefeitura) 27,0
Janduis(Emater) 22,0
Rafael Godeiro(Emater) 20,6
Dr. Severiano(Emater) 17,5
Rodolfo Fernandes(Prefeitura) 16,0
Caraúbas(Particular) 10,7
Encanto(Prefeitura) 10,0
Itajá(Emater) 10,0
Campo Grande(Particular 2) 9,5
São Rafael(Emater) 8,9
Lucrécia(Emater) 8,6
Upanema(Prefeitura) 7,5
Apodi(Prefeitura) 7,0
São Rafael(Particular Ii) 5,9
Martins(Particular) 5,0
São Francisco Do Oeste(Prefeitura) 5,0
Campo Grande(Particular) 3,5
Francisco Dantas(Emater) 3,0
Agua Nova(Prefeitura) 2,5

CENTRAL POTIGUAR

São Vicente(Emater(ex-particular)) 61,0
São Jose Do Serido(Associacao Usuarios Agua) 33,0
Cerro Cora(Emater) 28,8
Florânia(Sitio Jucuri) 25,6
Fernando Pedroza(Emater) 23,0
Jardim Do Seridó(Emater/passagem) 14,3
Angicos(Prefeitura) 12,3
Timbaúba Dos Batistas(Prefeitura-fz. Timbauba) 10,0
Santana Do Seridó(Emater) 9,5
Sao Joao Do Sabugi(Emater) 4,5
Cruzeta(Base Fisica Da Emparn) 3,6
Caicó(Acude Itans) 2,4
Santana Do Matos(Emater) 2,0
São Fernando(Emater) 1,9

AGRESTE POTIGUAR

Boa Saúde(Emater) 33,0
Jacanã(Emater) 24,4
Coronel Ezequiel(Particular) 17,5
Rui Barbosa(Emater) 11,6
Barcelona(Particular) 8,2
Nova Cruz(Emater) 7,0
Monte Das Gameleiras(Emater) 6,0
Monte Alegre(Emater) 3,0
Parazinho(Emater – Ex-particular) 1,5
Japi(Particular) 1,0

LESTE POTIGUAR

Baia Formosa(Destilaria Vale Verde) 28,6
Montanhas(Prefeitura) 20,3
Goianinha(Emater) 14,8
Natal 10,1
Parnamirim(Base Fisica Da Emparn) 2,9
Espirito Santo(Prefeitura) 2,9

14
jan

Registros

Postado às 17:11 Hs

Ao longo de 2018, o Rio Grande do Norte registrou média de 766,3 milímetros de chuvas – o que é 7% abaixo do volume esperado para o período de um ano no estado – 847,4 milímetros. Ainda assim, a situação foi bem melhor que os últimos sete anos, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (14) pela Empresa de Pesquisa Agropecuária do RN (Emparn).

O boletim pluviométrico da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte registrou chuvas em 61 municípios do Estado neste fim de semana. Na região Oeste, foram registradas as maiorias pancadas de chuvas:  Campo Grande(76,2mm) e Jucurutu(54,5mm).

Na capital potiguar, pancadas de chuvas foram registradas no fim da manhã desta segunda-feira(14) e início de tarde.

Segundo a Emparn, em vinte e cinco municípios, já choveu o volume esperado para todo o mês de janeiro. Veja algumas cidades fora Campo Grande e Jucurutu, que mais registraram chuvas no período de 11 a 14 de janeiro.

Touros (86 mm)

Major Sales (54,5mm)

São Rafael(44mm)

Martins (40 mm)

Apodi (34,3mm)

Tenente Ananias (31,5mm)

Dr. Severiano (27,1mm)

Itaú (18mm)

Pau dos Ferros (17mm)

Serrinha dos Pintos (16mm)

Caraúbas (13,5mm)

Ipanguaçu (12,1mm)

No fim de semana ocorreram chuvas em outros  municípios : Currais Novos, Mossoró,Baraúna, Tibau, Grossos e Felipe Guerra.

14
jan

Esperanças

Postado às 12:06 Hs

Balanço da EMPARN mostra que 2018 foi o mais chuvoso dos últimos 7 anos; janeiro tem previsão de mais chuvas no Estado.


Na análise da chuva acumulada no ano de 2018, quando comparada com a média climatológica anual, que é de 847,4 milímetros, é observado um desvio percentual negativo de -7,0 %, isto é, choveu um pouco abaixo da média esperada. Mesmo assim a situação é bem melhor que os últimos anos, comparando com o balanço anual de chuvas em 2017 quando a média registrada foi de 630,5 milímetros, choveu -27,4% abaixo da média anual para o Estado que é de 847,4mm. O ano termina confirmando que depois de 6 anos consecutivos de seca severa, a situação começou a mudar, já no primeiro semestre de 2018, que compreende o período chuvoso no semiárido potiguar (fevereiro a maio), os dados divulgados pela Emparn mostrou que o volume registrado 734,6mm, ficou bem próximo do que costuma chover, quando a média é de 758mm, choveu apenas 2,2% abaixo da média para o período.

Em 2018, o Litoral, foi a região onde o choveu menos, comparando com a média que costuma chover durante todo o ano. Como mostra o quadro abaixo, a média anual no Litoral Leste é de 1246,3 milímetros e choveu 1060,0 mm (-14,9%).

Previsão para janeiro de 2019 é de chuva.

O ano de 2019 começou com a presença do Fenômeno EL NIÑO fraco a moderado no Oceano Pacífico, e com tendência de apresentar uma diminuição na sua intensidade nos próximos meses. Esse comportamento, El Niño Fraco, é favorável a ocorrência de chuvas na região Nordeste do Brasil para o período de fevereiro a maio de 2019. No caso do restante do mês de janeiro e fevereiro, as previsões indicam que as chuvas deverão continuar com grande variabilidade temporal e espacial, uma vez que o sistema meteorológico que atua nessa época do ano, o Vórtice Ciclônico de Ar Superior (VCANS), apresenta esse comportamento, além de ser de baixa previsibilidade.

Além disso a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), principal sistema meteorológico que provoca chuva no sertão nordestino, já está atuando em conjunto com o Vórtice Ciclônico. Esse ano Zona de Convergência Intertropical, começou a atuar com antecedência, já que normalmente começa a atuar, provocando boas chuvas, a partir do segundo semestre de fevereiro.

Dados divulgados pela Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) apontam que a chuva deve continuar em todas as regiões do estado. Um monitoramento da Empresa apontou que ontem choveu em todo o RN, com mais intensidade nas regiões Oeste, em que o município de Riacho de Santana teve 62 mm e Central, onde Caicó registrou 50 mm. As chuvas são geradas por um Vórtice Ciclônico, sistema meteorológico que vem atuando há alguns dias
07
jan

Previsões

Postado às 13:19 Hs

A incerteza sobre a previsão de chuvas para o primeiro semestre no semiárido nordestino ainda permanece por parte dos meteorologistas. Ainda não existe data prevista para encontro dos meteorologistas sobre as primeiras previsões para este ano que se inicia. Mesmo com o otimismo pelo meteorologista Luiz Carlos Molion, aposentado pela Universidade Federal de Alagoas (UFA), ao afirmar que, de acordo com o método de previsão por similaridade, 2019 será um ano de inverno favorável na Paraíba e Rio Grande do Norte, outros meteorologistas do Nordeste se mostram cautelosos sobre o assunto.

Os dias de intenso de calor darão uma breve aliviada nesta semana com a formação de nuvens chuvosas, baixando a temperatura e diminuindo a sensação de fritura embaixo do sol. É o que destaca Gilmar Bistrot, do setor de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn). “As águas estão mais quentes, fazendo com que a umidade chegue a 85%. Nesta semana, as chuvas começam a cair em Natal”, disse Bistrot.

De acordo com o meteorologista, quando os ventos ficam mais fracos a umidade retém o calor – justamente o que está acontecendo agora. O excesso de umidade faz com que o corpo fique com a pele pegajosa e os ventos fracos fazem com que a sensação térmica aumente em cerca de três graus. “Hoje, estamos com uma temperatura média de 32 graus, embora o calor seja de 35 graus. A partir desta semana a temperatura ficará mais amena com a chegada das chuvas, que não serão fortes, mas cairão em horários distintos, refrescando os dias”, explicou.

Gimar Bistrot disse, ainda, que as temperaturas mínimas – normalmente em 25 graus – estão muito altas, fazendo com que as noites sejam mais difíceis de dormir e antes das 9h da manhã os termômetros já marquem 27 graus.

Bistrot ressaltou que essa umidade começará a ir embora, fazendo com que a velocidade do vento aumente e traga as chuvas. Contudo, ele deixou claro que a partir do dia 21 – com a chegada oficial do verão – as máximas vão subir e chegarão aos 33 graus. Serão as consequências do fenômeno El Niño – o aquecimento das águas do pacífico, com mais ênfase da costa do Peru e cuja secura desemboca na região Nordeste, ou seja, uma massa de ar quente com alta pressão. O verão também terá chuvas em janeiro, mas o sol escaldante vai predominar.

O Rio Grande do Norte registra um mês de abril dos mais chuvosos da década, de acordo com a análise pluviométrica da Unidade de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), em abril deste ano a média de chuva no Estado foi de 208 milímetros, 45,5% acima da média para o mês que é de 143mm.

Nas regiões Central e Oeste, essa média foi ainda maior. Na região Central a média para o mês de abril é de 127mm, este ano choveu 224,7mm, 76,1% acima da média. Já na região Oeste, a média esperada para abril é de 165,5mm, em 2018 choveu 266,7mm, 61,2% acima da média.

Acumulado Anual (janeiro a abril de 2018)

Na análise da chuva acumulada no ano de 2018, até o mês de abril, quando comparada como valor climatológico para o período de janeiro a abril, apresenta um desvio positivo climatológico de 33,5%, ou seja, choveu 33,5% acima da média esperada, conforme as previsões divulgadas pelo Núcleo de Meteorologia do Nordeste, em fevereiro deste ano.

Previsão para maio de 2018

De acordo com o setor de meteorologia da EMPARN, maio deverá ter chuvas acima da média, que é de 84mm para o mês inteiro. Segundo o meteorologista Gilmar Bristot, as condições oceânicas e atmosféricas continuam favoráveis a ocorrência de um bom volume de chuva, mesmo o mês tendo começado com um bloqueio, mas que não deve ser tão intenso como o que ocorreu em março, quando ficou 2 semanas sem chuva no Estado.

No primeiro dia de maio já houve registro de boas chuvas na região Oeste potiguar. Desde a manhã de segunda-feira (30), até a manhã de hoje, 02 de maio, a Unidade de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), registrou chuvas em 84 postos pluviométricos monitorados diariamente, em todas as regiões do Estado.

O acumulado de chuvas mais significativo ocorreu em Portalegre, com 74,1 milímetros (mm); Messias Targino, 68,5mm; Frutuoso Gomes, 64,0mm; Lucrecia, 58,0mm, entre outros municípios da mesorregião Oeste. O boletim completo está disponível em nossa página: www.emparn.rn.gov.br

24
abr

Abril molhado

Postado às 21:03 Hs

Reservatórios continuam aumentando volume de água
Os números do Instituto de Gestão das Águas do RN (IGARN) mostram que além da situação da barragem Armando Ribeiro Gonçalves, que se encontra com volume de 643,21 milhões de metros cúbicos, que correspondem a 26,8% do volume total, que é de 2,4 bilhões de metros cúbicos, outros reservatórios importantes estão aumentando suas reservas.
A Barragem de Santa Cruz do Apodi está com volume atual de 167.271.860 de metros cúbicos, que correspondem a 27,89% do volume total do reservatório, que possui capacidade para 599.712.000 de metros cúbicos.
Já a barragem de Umari, em Upanema, está com volume atual de 113.692.325 de metros cúbicos, correspondentes a 38,83% do volume do manancial, que possui capacidade para 292.813.650 de metros cúbicos.
Ainda de acordo com o Igarn, oito reservatórios continuam com volume morto; quatro estão secos e sete reservatórios estão cheios.
O último que sangrou foi o reservatório Brejo em Olho D’água do Borges, que possui volume total de 6.450.554 de metros cúbicos.
Os outros cheios são: Apanha-Peixe, em Caraúbas; Santo Antônio de Caraúbas, em Caraúbas; Encanto, no município de Encanto; Riacho da Cruz II, localizado em Riacho da Cruz; Beldroega, em Paraú; e Pataxó, em Ipanguaçu.

As chuvas estão mantendo a regularidade, principalmente no sertão potiguar, após seis anos consecutivos de seca. No fim de semana, da manhã de sexta-feira até a manhã de hoje (23), a Unidade de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN) registrou precipitações em 105 pluviômetros acompanhados diariamente pela equipe da meteorologia, nas mesorregiões do Estado, com destaque para o Oeste.

Choveu mais forte em Carnaubais 89,4 milímetros (mm); Caraúbas,72,5mm; Alto do Rodrigues – DIBA, 65,0 (mm); Campo Grande, 64,2mm; Paraú, 60,6mm.

Na mesorregião Central choveu em Caicó, 66,8mm e São João do Sabugi, 60mm. No Agreste e Leste as chuvas mais fortes ocorreram em Bento Fernandes, 35mm e Georgino Avelino, 22,9mm, respectivamente.

Previsão

A zona de Convergência Intertropical (ZCIT) continua atuando sobre a região Nordeste. O que é bom, principalmente para a o sertão nordestino, porque a ZCIT é o principal sistema que provoca boas chuvas nesta época do ano na região Nordeste. A previsão para as próximas 24 horas é de céu parcialmente nublado e chuva em todas as regiões do Estado. No site da EMPARN, estão disponíveis o Boletim Chuvas e a previsão .www.emparn.rn.gov.br

Boa notícia para o estado: tem chovido acima do esperado no Rio Grande do Norte. A Unidade de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) elaborou um relatório com as informações pluviométricas no estado, desde 1º de janeiro de 2018 até ontem (18).

O levantamento revelou que o acumulado ficou 22,3% acima da média, apesar do veranico (período sem chuva) prolongado de março. A média utilizada para o estudo, segundo o chefe da unidade, Gilmar Bristot, refere-se aos dados coletados, no período de 2003 a 2016, dos postos pluviométricos com mais de 30 anos acompanhados pela Emparn.

A pesquisa foi realizada mês a mês e por mesorregião do Estado, em fevereiro, na sede da Emparn, no bairro do Jiqui, em Parnamirim. O estudo confirma as previsões dos meteorologistas do Nordeste e de várias instituições e órgãos nacionais: as chuvas estão acima da média em várias regiões do Rio Grande do Norte e do Nordeste, principalmente no semiárido, que atravessava seis anos consecutivos de estiagem.

16
abr

Melhoras

Postado às 10:00 Hs

Chuvas trazem melhorias no abastecimento do Estado. As últimas chuvas trouxeram esperança para o homem do campo e para a Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern). A empresa trabalha para nos próximos dias retomar o abastecimento de água em cinco munícipios; reduzindo para dez o número de cidades em colapso. Na região Alto Oeste, uma das mais afetadas com a crise hídrica, a previsão é que quatro munícipios tenham o fornecimento de água através da Companhia. Na cidade Francisco Dantas a barragem municipal está sangrando, a empresa trabalha neste momento em ajuste do Sistema de Abastecimento para poder regularizar a distribuição. Já nas cidades de Marcelino Vieira, Paraná e Tenente Ananias a Caern está analisando a qualidade da água para voltar a abastecer em aproximadamente 15 dias. Com a ativação dos quatro sistemas será beneficiada uma população de aproximadamente 26 mil pessoas.
jul 21
domingo
10 25
ENQUETE

Você acha que o brasileiro acostumou-se com a Corrupção ao longo do tempo ?

Ver resultado parcial

Carregando ... Carregando ...
PREVISÃO DO TEMPO
INDICADOR ECONÔMICO
16 USUÁRIOS ONLINE
Publicidade
  5790860 VISITAS

Facebook

Twitter

Instagram