12
jul

No Seridó

Postado às 19:56 Hs

A maior obra de infraestrutura hídrica em andamento pelo do Governo do Estado, o Complexo de Oiticica, em Jucurutu, recebeu na manhã de ontem (11) a visita de diretores da Agência Nacional de Águas (ANA). O Secretário de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, João Maria Cavalcanti, liderou a comitiva que veio conhecer os trabalhos já executados e o planejamento do Estado para finalizar o empreendimento. Participaram da visita o diretor de gestão da (ANA), Ricardo Andrade, o superintendente de apoio ao sistema de recursos hídricos, Humberto Gonçalves, o secretário adjunto da Semarh, Carlos Nobre, o presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do rio Piancó-Piranhas-Açu, Paulo Varela, o Diretor Administrativo do Dnocs, Gustavo Medeiros, o diretor-presidente do Instituto de Gestão das Águas (Igarn), Caramuru Paiva, representantes de órgãos do sistema de recursos hídricos da Paraíba e equipe de técnicos da empresa supervisora, a KL engenharia.

Após o período chuvoso da região nordeste, 13 reservatórios de água monitorados pelo Instituto de Gestão das Águas do Rio Grande do Norte (Igarn) estão secos ou em volume morto. No período, choveu 658 milímetros, acima da média histórica, mas algumas regiões do Alto Oeste e Trairí não foram abastecidas o suficiente. Os casos mais notáveis são dos reservatórios de Pau dos Ferros, que está com apenas 1% da capacidade hídrica (549 mil litros de 54 milhões), e o Itans, de Caicó, com 1,7% (1,3 milhão de litros de 81,7 milhões).

Essas barragens representam praticamente um terço (27%) das 47 monitoradas pelo Igarn. Apesar do melhor período de chuvas dos últimos oito anos, a situação dos reservatórios vazios ou em volume morto são iguais a do ano passado. O que mudou foi a média geral de abastecimento – de 30% no ano passado para 33% este ano. A razão para o aumento é, principalmente, a recuperação hídrica do reservatório Armando Ribeiro Gonçalves, o maior do estado, que passou de 25% para 34%.

A marca da Armando Ribeiro Gonçalves é a melhor dos últimos quatro anos, o que demonstra que a reserva hídrica do estado vem se recuperando apesar dos últimos sete anos de chuvas abaixo da média histórica. Em abril de 2015, o reservatório – com capacidade para até 2,4 bilhões de metros cúbicos – estava com 730,5 milhões (30,44% do total). Na última medição feita pelo Igarn, no dia 18 de junho, a Armando Ribeiro estava com 818 milhões de m³.

27
mar

Reservas hídricas melhoradas

Postado às 15:21 Hs

O Governo do RN, por meio do Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn), monitora 47 reservatórios com capacidade superior a cinco milhões de metros cúbicos, responsáveis pelo abastecimento dos municípios potiguares. No relatório Volumétrico divulgado nessa terça-feira (26) consta que as reservas hídricas superficiais totais do Estado somam 992.113.097 m³, percentualmente, 22,49% dos 4.411.787.259 m³ que as Bacias Hidrográficas estaduais conseguem acumular, atualmente.

Dos reservatórios monitorados, 7 estão secos, percentualmente, 14,89%. Já os reservatórios considerados em volume morto são 7, mesmo percentual dos secos. No dia 26 de março de 2018, os mananciais secos eram 14, o que percentualmente representava 29,78% dos açudes potiguares, já os em volume morto eram 16, em termos percentuais, 34%. As reservas hídricas superficiais totais somavam 499.156.437 m³, ou 11,31% do total que as barragens potiguares conseguem acumular.

Até o momento dois reservatórios chegaram a 100% da sua capacidade. Pataxó, localizado em Ipanguaçu, com capacidade para 15.017.379 m³, e Beldroega, localizado em Paraú, com capacidade total de 8.057.520 m³. Outros reservatórios estão com mais de 70% das suas capacidades, casos de: Encanto, que está com 87% do seu volume máximo; Riacho da Cruz II, com 82%; Rodeador, em Umarizal, com 78%; e Mendubim, em Assú, com 71%.

O interior do Rio Grande do Norte está entrando na sua quadra invernosa. Os mananciais potiguares, em algumas regiões, já começaram a ter aumento de volume. Entre os 45 reservatórios monitorados pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio do Instituto de Gestão das Águas (Igarn), que possuem capacidade superior a cinco milhões de metros cúbicos, a estimativa definida pelo setor de monitoramento é que, seguindo a perspectiva de um inverno dentro do normal, as reservas hídricas superficiais possam terminar o período de chuvas com, aproximadamente, 50% do total que conseguem acumular, que é de 4,411 bilhões de metros cúbicos.

O diretor-presidente do Igarn, Caramurú Paiva, ressalta que caso se confirme uma quadra invernosa dentro da normalidade e os reservatórios atinjam os 50% das reservas hídricas superficiais totais, o estado do Rio Grande do Norte atingirá sua melhor situação de abastecimento desde 2013, quando, ao final do inverno no interior, acumulou 45,01% da capacidade total das bacias hidrográficas. “Em 2014, acumulou 39,93%; em 2015, 26,99%; em 2016, 20,18%; em 2017, 17,72%; e 2018, 31,50%”, relembra o diretor.

As chuvas que caíram no primeiro mês do ano ajudaram a recuperar o volume de água acumulada nas principais reservas hídricas do Rio Grande do Norte. Dados do Instituto de Gestão das Águas do Estado do RN (Igarn) mostram que, em janeiro, o volume médio das bacias potiguares chegou a 21,54% – o melhor início de ano desde 2016, que acumulava 18,45% naquela época.

Em comparação só com o ano passado, o aumento no volume de água armazenada praticamente dobrou. Em janeiro de 2018, a reserva hídrica do estado estava em 10,39%. O Rio Grande do Norte vem de 7 anos seguidos de chuvas abaixo da média histórica. Significa que o estado enfrenta o mais longo período de estiagem que se tem notícia.
Prova disso são os sucessivos decretos de situação de emergência publicados pelo governo estadual em razão da seca. De seis em seis meses, o decreto vem sendo renovado. O último, publicado em setembro do ano passado, foi o 11º. E ele deve ser renovado mais uma vez já no mês que vem.

Os novos gestores de cinco órgãos da administração indireta do Governo do RN foram empossados nesta quinta-feira, 10, pela governadora Fátima Bezerra. São eles: Mário Victor Freire Manso (IDIARN), Theodorico Bezerra Netto (IPEM), Leonlene de Sousa Aguiar (IDEMA), Francisco Caramurú de Oliveira Monte Paiva e Azevedo (IGARN) e  Carlos Antonio Peixoto (DEI).

Fátima disse que os novos gestores reúnem os critérios exigidos para as funções e destacou o papel destes órgãos para o desenvolvimento com geração de empregos e distribuição de renda. “Não mediremos esforços também para atrair e consolidar investimentos que trarão trabalho e cidadania para o nosso povo. Todos estamos conscientes das nossas responsabilidades. Devemos cumpri-las com todo zelo, dentro dos princípios da legislação para promover o desenvolvimento econômico e social “.

A Governadora destacou também a importância destes órgãos diante da situação hídrica do Estado, incentivar e fortalecer a produção agropecuária, promover uma gestão eficiente dos recursos hídricos, assegurar a observância das normas técnicas, a qualidade de alimentos e produtos e os direitos do consumidor.

Dirigentes da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetarn), Jocelito Dantas Batista e da Associação Norte-riograndense de Criadores (Anorc), Marcelo Passos, prestigiaram a solenidade de posse.

Caramurú Paiva enfatizou o compromisso da nova gestão em “colocar o RN nas águas do desenvolvimento e levar o estado a um novo patamar de desenvolvimento”.

Na ocasião, Fátima abordou, ainda, o pagamento dos salários dos servidores, dizendo que “as medidas do novo Governo dão previsibilidade ao servidor. O estado hoje é credor dos servidores, deve aos servidores. Uma situação dramática que encontramos e um passivo com os servidores de R$ 1 bilhão e de R$ 1,2 bilhão com fornecedores. Adotamos o diálogo para buscar convergências. Já estabelecendo e consolidando a mesa estadual de negociação.  Fizemos isso com os servidores e faremos com toda a sociedade. Agradeço a todos pela dedicação, idealismo, interesse público e o desejo de garantir cidadania ao nosso povo. A sociedade confia em nós”, encerrou a Governadora.

 

03
jan

Novas nomeações…

Postado às 14:43 Hs

No Diário Oficial do Estado desta quinta-feira, exonerações em massa na Vice-Governadoria. Muitas mudanças também na Saúde.

E nomeações de auxiliares já anunciados pela governadora Fátima Bezerra como Leonlene de Sousa Aguiar como diretor-geral do Idema.

Também nomeados hoje o petista aliado Caramuru Paiva para o IGARN, e o filho do ex-vereador Hugo Manso, Mário Victor Freire Manso para a direção geral do IDIARN.

Também do PT, ex-candidato a prefeito de Santa Cruz, Petronio Souza Spinelli é nomeado adjunto da Secretaria de Saúde. Mais um cargo para o PCdoB que tem reclamado que não integra o primeiro escalão: Theodorico Neto assume o IPEM.

Também nomeado o presidente do IPERN: Nereu Batista Linhares. Também nomeados adjuntos da Infraestrutura: Haroldo Azevedo Filho, que apesar de já ter sido candidato pelo DEM, sempre teve proximidade com Fátima Bezerra, daí a escolha pessoal da governadora. Adjunto do Desenvolvimento Econômico: Sílvio Torquato Fernandes, irmão do ex-deputado Elias Fernandes.

E sai também uma primeira indicação do Avante do vereador Raniere Barbosa: a ex-candidata a deputada federal Karla Veruska foi nomeada Subsecretária da Sethas.

No setor de Segurança Pública, nomeados o Coronel Bombeiro Josenildo Acioli Bento, como Subcomandante do Corpo de Bombeiros, e o delegado Odilon Teodósio dos Santos Filho como delegado geral adjunto.

Fonte: Thaisa Galvão

08
nov

Pelo RN

Postado às 12:13 Hs

Reservas hídricas acumulam 24% da sua capacidade total, diz relatório do IGARN
O Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio do Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn), monitora os 47 reservatórios com capacidade superior a cinco milhões de metros cúbicos existentes em todo o Estado do Rio Grande do Norte. Destes, atualmente, seis se encontram em volume morto e outros oito já completamente secos. Em termos percentuais, os reservatórios em nível crítico já somam 12,76% dos mananciais monitorados, os secos representam outros 17% do total. Somadas todas as reservas hídricas superficiais estaduais, o RN atualmente possui 1.076.834.033 de metros cúbicos de água, o que corresponde a 24,41% do total que consegue acumular.

Maior reservatório do Estado, com capacidade para 2,4 bilhões de metros cúbicos, a Barragem Armando Ribeiro Gonçalves está atualmente com 558,318 milhões de metros cúbicos, que representam 23,26% da capacidade total do reservatório.

Já a Barragem Santa Cruz do Apodi, com capacidade para 600 milhões de metros cúbicos, está acumulando 145,404 milhões de m³, percentualmente, 24,75% do total que consegue acumular quando completamente cheia.

O açude Umari, localizado em Upanema, com capacidade para 292 milhões de metros cúbicos está com 111,967 milhões de metros cúbicos, percentualmente, 38,24% da capacidade total do reservatório.

Entre os reservatórios considerados em volume morto estão: Bonito II, com apenas 1,63%, da sua capacidade total; Pilões, com 3,89%, do seu volume total; Itans, com 4,59%, da capacidade; Zangalheiras, com 2,17% do total que consegue acumular; e Esguicho, com 0,33% da capacidade.

Entre os já totalmente secos estão: Cruzeta, na cidade homônima; Dourado, em Currais Novos; Inharé, localizado em Santa Cruz; Trairi, em Tangará; Japi II, em São José do Campestre; Marechal Dutra, popularmente conhecido como Gargalheiras, em Acarí; Santa Cruz do Trairi, em Santa Cruz e Santana, em Rafael Fernandes.

24
abr

Abril molhado

Postado às 21:03 Hs

Reservatórios continuam aumentando volume de água
Os números do Instituto de Gestão das Águas do RN (IGARN) mostram que além da situação da barragem Armando Ribeiro Gonçalves, que se encontra com volume de 643,21 milhões de metros cúbicos, que correspondem a 26,8% do volume total, que é de 2,4 bilhões de metros cúbicos, outros reservatórios importantes estão aumentando suas reservas.
A Barragem de Santa Cruz do Apodi está com volume atual de 167.271.860 de metros cúbicos, que correspondem a 27,89% do volume total do reservatório, que possui capacidade para 599.712.000 de metros cúbicos.
Já a barragem de Umari, em Upanema, está com volume atual de 113.692.325 de metros cúbicos, correspondentes a 38,83% do volume do manancial, que possui capacidade para 292.813.650 de metros cúbicos.
Ainda de acordo com o Igarn, oito reservatórios continuam com volume morto; quatro estão secos e sete reservatórios estão cheios.
O último que sangrou foi o reservatório Brejo em Olho D’água do Borges, que possui volume total de 6.450.554 de metros cúbicos.
Os outros cheios são: Apanha-Peixe, em Caraúbas; Santo Antônio de Caraúbas, em Caraúbas; Encanto, no município de Encanto; Riacho da Cruz II, localizado em Riacho da Cruz; Beldroega, em Paraú; e Pataxó, em Ipanguaçu.
12
abr

Aumento

Postado às 8:00 Hs

Barragem Armando Ribeiro já subiu quase um metro e meio

O Instituto de Gestão das Águas do Rio Grande do Norte (IGARN) divulgou o mais recente relatório sobre a situação dos reservatórios do estado.

Dos 47 reservatórios com capacidade superior a cinco milhões de metros cúbicos, monitorados pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio do órgão, atualmente, 15 estão em volume morto, em termos percentuais 31,91% dos mananciais monitorados.

Em termos comparativos, no último relatório, divulgado no dia 02 de abril, os reservatórios em volume morto eram 19, o que representava 40,42% do total de mananciais monitorados.

Em se tratando da barragem Armando Ribeiro Gonçalves de acordo com o DNOCS que diariamente monitora o manancial, atualmente o nível de água encontra-se na cota 35,92 o que corresponde a um volume de 325 milhões 314 mil 933 metros cúbicos. Em termos percentuais, a reserva hídrica corresponde a marca dos 13,55%.

O DNOCS informou que nas últimas 24 horas a barragem recebeu uma recarga hídrica da ordem de 9,6 milhões de metros cúbicos o que representa uma elevação de 21 centímetros. Do dia 12 de fevereiro até esta terça-feira, 10 de abril a elevação acumulada chegou a marca de 1 metro e 46 centímetros.

Fonte: Assu Todo Dia

O retorno das chuvas ao interior do Estado continua propiciando melhora das reservas hídricas potiguares. O Relatório da Situação Volumétrica dos principais reservatórios do Estado, divulgado pelo Instituto de Gestão das Águas do RN (IGARN), nesta segunda-feira (9), indica a saída de alguns reservatórios do chamado volume morto e também uma redução dos mananciais secos. Dos 47 reservatórios com capacidade superior a cinco milhões de metros cúbicos, monitorados pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio do Igarn, atualmente, 15 estão em volume morto, em termos percentuais 31,91% dos mananciais monitorados. Em termos comparativos, no último relatório, divulgado no dia 2 de abril, os reservatórios em volume morto eram 19, o que representava 40,42% do total de mananciais monitorados. Já os reservatórios que ainda se encontram secos são 6, em termos percentuais, 12,76%. No dia 2 de abril, 11 reservatórios ainda estavam sem águas, o que representava 23,40% dos açudes potiguares monitorados. Os açudes, Flechas, em José da Penha; Lucrécia, no município de Lucrécia; Brejo, em Olho d’Água dos Borges; Santa Cruz do Trairi e Inharé, ambos em Santa Cruz; foram os açudes que estavam secos e receberam recarga.
03
abr

Relatório

Postado às 8:16 Hs

O Relatório da Situação Volumétrica dos principais reservatórios do Estado, divulgado pelo Instituto de Gestão das Águas do RN (IGARN), nesta segunda-feira (02), indica que o retorno das chuvas ao interior do estado propiciou a chegada de águas em três reservatórios anteriormente secos. Os maiores ganhos de reservas hídricas ocorreram na Bacia Apodi Mossoró. Dos 47 reservatórios com capacidade superior a cinco milhões de metros cúbicos, monitorados pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio do Igarn, 19 continuam em volume morto e 11 estão secos. Em termos percentuais, 40,42% dos mananciais potiguares estão em volume morto e 23% secos. No último levantamento, divulgado no dia 26 de março, o número de mananciais secos era de 14, o que representava uma percentagem de 29,78% dos reservatórios, os considerados em volume morto permaneceram com percentuais inalterados, correspondendo a outros 40% dos mananciais monitorados pelo Instituto.
O Relatório da Situação Volumétrica dos principais reservatórios do Estado, divulgado pelo Instituto de Gestão das Águas do RN (IGARN), nesta segunda-feira (5), aponta que a barragem Armando Ribeiro Gonçalves (ARG) saiu do volume morto com as recentes recargas de água recebidas após as chuvas. Apesar da boa notícia, a cota mínima de água do manancial antes de entrar no chamado volume morto é de 35m e atualmente ela se encontra com 35,03m, ou seja, a diferença é de apenas 3 centímetros, como o consumo médio é de 2cm por dia no reservatório, se não houver reposição de águas, ele poderá voltar ao nível crítico ainda esta semana. Josivan Cardoso, diretor-presidente do Igarn, alerta que a continuidade das precipitações chuvosas é essencial para que a situação do maior reservatório do Estado, que possui capacidade para 2,4 bilhões de metros cúbicos de água, e está com 284,986 milhões de m³, possa atingir nível realmente confortável, não só para o abastecimento atual, mas também para suportar até o próximo período chuvoso. “Mesmo saindo do volume morto, alertamos que precisa continuar chovendo para que o nível se mantenha e se eleve, pois mesmo com o controle e a Fiscalização as águas da ARG continuam sendo usadas para os abastecimentos dos municípios potiguares que dependem de suas águas”, explica o Josivan Cardoso.
24
fev

Esperando melhorias…

Postado às 9:31 Hs

O primeiro Relatório da Situação Volumétrica dos principais reservatórios do Estado, divulgado pelo Instituto de Gestão das Águas do RN (IGARN), nesta sexta-feira (23), aponta pouca melhora na situação das reservas hídricas potiguares. A região Seridó foi onde houve maior variável de volume dos açudes, já a região do Alto Oeste não obteve mudança significativa na maioria dos seus mananciais.

Em comparação com o período anterior às últimas chuvas, dos 47 reservatórios com capacidade superior a cinco milhões de metros cúbicos, monitorados pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio do IGARN, 17 continuam em volume morto e 16 estão secos. Anteriormente, 17 estavam em volume morto e 17 secos. Situado em Santana do Matos, o açude Alecrim estava sem leitura, ou seja, considerado seco. Após as últimas precipitações chegou a 960 mil metros cúbicos, ou 13,71% da sua capacidade que é de 7 milhões de m³.

Com relação aos três maiores reservatórios estaduais, a situação permanece estável, já que mesmo com a utilização de suas águas para os sistemas de abastecimento dos municípios potiguares, seus índices permaneceram muito parecidos. A barragem Armando Ribeiro Gonçalves, anteriormente às chuvas, estava com 10,84% da sua capacidade, que é de 2,4 bilhões de metros cúbicos. Atualmente está com 10,99%, o que corresponde a 263,688 milhões de metros cúbicos.

Previsão

O fim de semana deve ser de chuva em todo o Rio Grande do Norte. A previsão é da Empresa de Pesquisa Agropecuário do RN (Emparn). De acordo com o órgão, as chuvas devem continuar ocorrendo devido a presença da Zona de Convergência Intertropical.

Na área litorânea, as precipitações devem se concentrar na madrugada e início da manhã. Já no interior, as chuvas vão ocorrer à tarde e à noite.

15
fev

Chuvas aliviam angústia do homem do campo

Postado às 22:31 Hs

Embora não tenham tirado os açudes de situação crítica, as chuvas dos últimos dias promovem um alívio para o homem do campo, com elevação de volumes de açudes, lagoas e aumento do fluxo em rios importantes do Rio Grande do Norte. A opinião é de Josivan Cardoso, presidente do Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn).

Com dados divulgados entre os dias 9 e 14, a bacia hidrográfica dos rios Piranhas-Açu, a barragem que ganho a maior contribuição das águas foi a Armando Ribeiro Gonçalves, cuja lâmina d’água subiu 6 centímetros. Ela encerrou os últimos quatro dias de medição com um saldo positivo 2,7 milhões de metros cúbicos, atingindo 10,9% da sua capacidade, que tem volume total 2,4 bilhões de metros cúbicos.

“Embora a barragem continue no volume morto, qualquer gota é muito importante, pois precisamos manter a vazão de águas para o rio Açu, do qual depende a produção agrícola da região e o abastecimento de Mossoró e cidades da região salineira como Pendências, Macau e Guamaré”, falou Cardoso.

A lâmina d’água do açude Pataxó, em Ipanguassu subiu 1 cm, o equivalente a 37 mil metros cúbicos de água. O Mendubim, em Açu subiu 14 cm, um voume equivalente a 1,1 milhões de metros cúbicos. Já o Boqueirão de Angicos (Afonso de Bezerra) subiu 14 cm e ganhou 60 mil metros cúbicos.

Ainda na bacia do Rio Piranhas, o açude Passagem das Traíras, em São José do Seridó, aumentou 21 cm e recebeu 500 metros cúbicos por ter uma área projetada bem menor.

A bacia hidrográfica Apodi-Mossoró ganhou uma menor contribuição de águas do que a do Piranhas-Açu. O único açude que foi possível ter informações Morcego, em Campo Grande). Ele subiu 2 cm e recebeu 6,5 mil metor cúbicos.

As chuvas também trouxeram benefícios para os pequenos reservatórios não monitorados, ou seja, os que possuem volume abaixo de 5 milhões de metros cúbicos. Eles podem ser públicos (municipais) ou privados e, quando sangram, suas águas vazam para os grandes reservatórios. Além disso, os pequenos reservatórios mudam significativamente a rotina das pequenas propriedades rurais. “Se a água for usada racionalmente, é possível mantê-la o ano inteiro”, diz o presidente do Igarn.

Rios importantes que cortam o estado também subiram, como o Piranhas e o Ceará-Mirim, também contribuindo positivamente para os pequenos agricultores.

O Relatório da Situação Volumétrica dos 47 reservatórios com capacidade superior a cinco milhões de metros cúbicos, monitorados pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio do Instituto de Gestão das Águas (Igarn), divulgado nesta quarta-feira (03), indica que as reservas hídricas continuam reduzindo e estão no seu menor nível, de acordo com o monitoramento realizado nos últimos seis anos, com apenas 11,24% da capacidade total de armazenamento no estado.

Dos 47 reservatórios monitorados pelo Igarn, 16 estão secos, em porcentagem, 34,04%. Outros 19 estão em volume morto, ou seja, outros 40,42%. A bacia Apodi/Mossoró está com 12,30% do seu volume total de armazenamento. Já a bacia Piranhas/Assu está com 11,68% do seu volume total.

Para que os reservatórios de maior porte (com capacidade superior a 5 milhões de metros cúbicos) armazenem água no próximo período de chuvas, o total precipitado deverá ser superior à média, de modo que os pequenos mananciais se encham, possibilitando as águas da bacia chegarem aos grandes açudes.

Mesmo com as recentes previsões de boas chuvas para a próxima quadra chuvosa, é de suma importância que a população potiguar faça o consumo sustentável da água, tanto para garantir a continuidade do abastecimento das cidades que ainda não estão em colapso, quanto para ajudar na recarga dos reservatórios quando as chuvas tiverem início.

Disponibilidade hídrica do Estado

A disponibilidade hídrica total do Rio Grande do Norte é de 4.411.787.259 metros cúbicos, em 2010 o Estado estava com 73,30% de sua capacidade hídrica, em 2011, devido ao bom período chuvoso o índice chegou a 89,52%. Nos anos posteriores, devido à estiagem os percentuais baixaram, em 2012 para 60,80%; 2013 para 42,39%; 2014 chegando a 37,39%; 2015 com 23,79%; em 2016 com chegando a 12,75%, chegando a 2017 com os atuais 11,24%, portanto o nível menor nível de reservas.

O Relatório de Situação Volumétrica dos 47 reservatórios, com capacidade superior a cinco milhões de metros cúbicos, monitorados pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio do Instituto de Gestão das Águas (Igarn), divulgado nesta quarta-feira (23), indica que a Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, maior reservatório do Estado, com capacidade para 2,4 bilhões de metros cúbicos, está com 395,436 milhões de m³, 16,48% do seu volume máximo. Em comparativo com o relatório do dia 4 de julho, os reservatórios considerados em volume morto eram 19 e atualmente são 18, correspondendo a 38,29% do total de mananciais monitorados pelo Igarn.
22
mar

Em destaque

Postado às 23:08 Hs

Seminário discute impactos da seca no RN e ações de enfrentamento. Aumento do consumo de produtos químicos para tratamento da água, aumento no número de ligações clandestinas em busca de abastecimento de água e, consequentemente, aumento de vazamentos na rede pelas intervenções irregulares, são apenas algumas consequências negativas resultantes da crise hídrica que o Estado vem enfrentando nos últimos anos. Estes e outros problemas, “A Seca no RN: seus impactos e as ações de adaptação”, estão sendo discutidos no Seminário Técnico que começou nesta quarta (22), quando se comemora o Dia Mundial da Água. O evento integra a Semana da Água no RN, que tem a Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) como uma das parceiras, e é realizado até esta quinta (23), na Escola de Governo, com a presença de especialistas na área ambiental e hídrica, tendo ainda como parceiros o Igarn e Semarh.
nov 18
segunda-feira
09 24
ENQUETE

Você acha que o brasileiro acostumou-se com a Corrupção ao longo do tempo ?

Ver resultado parcial

Carregando ... Carregando ...
PREVISÃO DO TEMPO
INDICADOR ECONÔMICO
24 USUÁRIOS ONLINE
Publicidade
  5806684 VISITAS

Facebook

Twitter

Instagram