Por Eduardo Bresciani / O Globo

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, irá a São Paulo na próxima quinta-feira para fazer exames no hospital Albert Einstein . A viagem não constava da agenda informada no início da semana e foi confirmada pela assessoria.

Bolsonaro ainda está com uma bolsa de colostomia, instalada em seu abdome após o atentado de que foi vítima em setembro, em Juiz de Fora (MG), durante um ato de campanha. Ele faria a retirada nesta quarta-feira, mas o procedimento foi adiado para janeiro. Na semana passada, Bolsonaro suspendeu a agenda na sexta-feira por recomendação médica.

MAIS SIMPLES – A nova cirurgia que Bolsonaro fará em janeiro será mais simples que as anteriores, com baixa possibilidade de complicações. A operação, adiada de dezembro para depois da posse, tem o objetivo de retirar a bolsa de colostomia que o presidente eleito mantém desde setembro, quando sofreu um ataque a faca, e reconstituir o trânsito intestinal.

Especialistas ouvidos pelo Globo dizem que, no pior cenário, há um risco, pouco comum, de que a sutura do intestino se rompa na recuperação, o que criaria a necessidade de novo procedimento e outra colostomia. Menos alarmantes, a formação de aderências no intestino e infecções no lugar do corte também são consideradas em quadros desse tipo.

PROCEDIMENTO – Bolsonaro terá que se submeter a nova cirurgia, que deverá ser marcada no ano que vem, para retirar a bolsa de colostomia. De início, é feito um corte no mesmo local da primeira cirurgia para abrir o abdômen; Os cirurgiões colocam de volta para dentro do abdômen a parte do intestino que estava conectada à bolsa coletora de fezes; as duas partes do intestino que estavam separadas são costuradas de volta e o abdômen é fechado.

Segundo médicos, esse tipo de cirurgia exige, no mínimo, duas semanas de recuperação

O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou ontem (10), em discurso na cerimônia de diplomação no Tribunal Superior Eleitoral(TSE), que o poder popular “não precisa mais de intermediação”.
A campanha eleitoral de Bolsonaro se apoiou principalmente nas redes sociais. Ele teve de interromper a campanha de rua devido ao atentado que sofreu e, no horário eleitoral da TV, tinha somente 8 segundos a cada bloco de 12 minutos. Pelas redes sociais, ele fez discursos, pronunciamentos e manifestações tanto em mensagens como por meio de vídeos e transmissões ao vivo.

“O poder popular não precisa mais de intermediação. As novas tecnologias permitiram uma relação direta entre o eleitor e seus representantes. Nesse novo ambiente, a crença na liberdade é a melhor garantia de respeito aos altos ideais que balizam nossa Constituição”, afirmou.
Ao chegar para a cerimônia, o presidente eleito, que é capitão da reserva do Exército, cumprimentou os presentes com uma continência e foi ovacionado por parte da plateia.
Durante o discurso, disse que governará para todos, sem distinção, e não somente para os que votaram nele. Agradeceu pelos mais de 57 milhões de votos recebidos no segundo turno das eleições e pediu a “confiança” dos que optaram por outros candidatos.
“Agradeço aos mais de 57 milhões de brasileiros que me honraram com o seu voto. Aos que não me apoiaram, peço a confiança para construirmos juntos um futuro melhor para o nosso país”, disse.
Na opinião do presidente eleito, as diferenças são “inerentes” em sociedades múltiplas e complexas como a brasileira, mas há “ideais” que aproximam os brasileiros.

“A partir de 1º de janeiro serei o presidente de todos, dos 210 milhões de brasileiros. Governarei em benefício de todos sem distinção de origem social, raça, sexo, cor, idade, ou religião”, declarou.

10
dez

Diplomação

Postado às 18:37 Hs

Reprodução TSE
No discurso de diplomação, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, prometeu nesta segunda-feira (10) governar para todos, sem qualquer distinção ou discriminação. Bolsonaro pediu a confiança daqueles que não votaram nele. Também afirmou que o voto popular é um “compromisso inquebrantável”. Segundo ele, a construção de uma nação mais justa depende da “ruptura de práticas que retardaram o progresso no país”, como mentiras e manipulação. “A partir de 1º de janeiro, serei o presidente dos 210 milhões de brasileiros. Governarei em benefício de todos sem distinção de origem social, raça, sexo, cor, idade ou religião”, afirmou o presidente eleito durante a cerimônia de diplomação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
09
dez

Em Brasília

Postado às 19:20 Hs

O presidente e o vice eleitos, Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão, serão diplomados nesta segunda-feira.

A sessão solene no Tribunal Superior Eleitoral, em Brasília, terá início às 16 horas e deverá contar com a presença de 700 convidados.

Por causa da posse, o atendimento ao público do TSE ocorrerá apenas das 8h às 12h.

O esquema de segurança será reforçadissimo durante a solenidade.

Diplomados, presidente e vice estarão aptos a tomar posse no dia 1º de janeiro e a exercer o mandato para o qual se elegeram.

De acordo com o calendário eleitoral de 2018, o prazo para diplomação vai até o dia 19 de dezembro. A responsabilidade de diplomar os eleitos para os demais cargos – governadores dos 26 estados e do Distrito Federal, senadores, deputados federais, estaduais e distritais – é dos tribunais regionais eleitorais de cada unidade da Federação.

O futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, anunciou nesta quinta-feira (6) que a advogada e pastora evangélica Damares Alves – assessora do senador Magno Malta (PR-ES) desde 2015 – será a ministra de Mulher, Família e Direitos Humanos no governo Jair Bolsonaro. Ainda de acordo com Onyx, a pasta que será comandada pela assessora parlamentar do Senado ficará responsável pela gestão da Fundação Nacional do Índio (Funai), entidade que dá assistência aos povos indígenas. A Funai vai deixar o guarda-chuva do Ministério da Justiça a partir do ano que vem.

Na entrevista coletiva de agora há pouco, Jair Bolsonaro disse também que a reforma da Previdência, com mudanças nas regras de aposentadoria, deve ser votada no primeiro semestre de 2019.

“Nos seis primeiros meses, com toda a certeza, o Congresso começará a votar essa proposta”, disse o presidente eleito, na saída do QG do Exército.

Bolsonaro repetiu que, antes de encaminhar o texto ao Legislativo, vai convidar os líderes partidários para começar a discuti-lo.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, afirmou hoje (4), em Brasília, que a reforma da Previdência em seu governo poderá ser aprovada em diferentes fases. Segundo ele, há uma “forte tendência” de começar a votação pela idade mínima. “É menos dificil de aprovar”, afirmou. “Não adianta você ter uma proposta ideal que vai ficar na Câmara ou no Senado. Acho que o prejuízo será muito grande. Então, a ideia é por aí, começar pela idade, atacar os privilégios e tocar essa pauta pra frente. [O déficit da] previdência realmente é uma realidade. Cresce ano após ano, e não podemos deixar o Brasil chegar a uma situação como a da Grécia para tomar providência”, disse. Ele falou que deverá manter a proposta do atual governo, que é a de uma idade mínima para a aposentadoria de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres.
03
dez

Composição

Postado às 19:39 Hs

O futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, apresentou à imprensa o desenho final da Esplanada dos Ministérios no governo Jair Bolsonaro, com 22 pastas no total.

Com status de ministério, vinculadas à Presidência da República, estarão Casa Civil, Secretaria Geral, Secretaria de Governo, Gabinete de Segurança Institucional, Advocacia Geral da União (AGU) e Banco Central.

Ministérios serão: Economia; Agricultura; Meio Ambiente; Direitos Humanos; Ciência, Tecnologia e Comunicação; Relações Exteriores; Defesa; Cidadania; Educação; Saúde; Justiça e Segurança Pública; Turismo; Infraestrutura; Desenvolvimento Regional; Transparência; e Minas e Energia.

Mais cedo, Onyx informou que o Ministério do Trabalho será extinto, com suas funções dividas entre as pastas da Justiça, Economia e Cidadania.

Com a extinção e partilha do Ministério do Trabalho, anunciada nesta segunda (3), o relator da reforma trabalhista, o deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN), é cotado para ocupar o cargo de secretário adjunto na Secretaria de Trabalho e Previdência. A secretaria ficará dentro do superministério da Economia, que está sendo criado na gestão do presidente eleito, Jair Bolsonaro. Marinho é o preferido pelo futuro titular da pasta, o economista Paulo Guedes. Pelo organograma em estudo, Trabalho e Previdência ficam dentro da Secretaria da Receita, que será comandada por Marcos Cintra. O relatório de Marinho, aprovado pelos deputados em abril do ano passado, alterou cerca de cem pontos da CLT [Consolidação das Leis do Trabalho], atendendo a pleitos históricos do empresariado

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, anunciou pelo Twitter nesta sexta-feira (30) o almirante de esquadra Bento Costa Lima como futuro ministro de Minas e Energia. Este é o vigésimo ministro já anunciado por Bolsonaro.

Bento Costa Lima nasceu no Rio de Janeiro e entrou para a Marinha na década de 70. Atualmente é diretor geral de desenvolvimento nuclear e tecnológico da Marinha e faz parte do conselho de administração da Nuclebrás, autarquia responsável por desenvolver o programa nuclear brasileiro. Entre outros cargos que ocupou estão: observador das forças de paz da ONU em Saraievo; assessor parlamentar do ministro da Marinha no Congresso e comandante dos submarinos Tamoio e Toneleiro.

Ele também já atuou como: chefe de gabinete do Estado-Maior da Armada; chefe de gabinete do comandante da Marinha e Comandante em Chefe da Esquadra, além de secretário de ciência, tecnologia e inovação da Marinha.

Como diretor-geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha, Bento Costa Lima respondeu por todas as unidades científicas da Força, o que inclui o programa de desenvolvimento de submarinos (Prosub) e o programa nuclear da Marinha (PNM).

O almirante tem pós-graduação em Ciência Política pela Universidade de Brasília e MBA em gestão pública pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

G1

Via G1

O atual secretário-executivo do Ministério da Integração Nacional, Gustavo Henrique Rigodanzo Canuto, será o futuro ministro do Desenvolvimento Regional, pasta a ser criada pelo Jair Bolsonaro.
O anúncio da indicação de Canuto, servidor efetivo do Ministério do Planejamento, foi feito nesta quarta-feira (28) pelo próprio Bolsonaro, pelo Twitter. De acordo com o site do Ministério da Integração Nacional, ele não tem filiação partidária.
Gustavo Canuto foi o 17º ministro anunciado por Bolsonaro. Durante a campanha eleitoral, afirmou que os atuais 29 ministérios seriam reduzidos para 15. Nesta terça (28), afirmou que o número de pastas pode chegar a 20 e, nesta quarta, a 22.
O Ministério do Desenvolvimento Regional reunirá os atuais ministérios das Cidades e de Integração Nacional, que se tornarão secretarias especiais da nova pasta.

O futuro ministro destacou, durante entrevista, a união dos ministérios. Para ele, as diferenças entre as regiões do Brasil podem ser potencializadas para gerar emprego e renda. “Vamos unir, finalmente, as políticas nacionais de desenvolvimento regional e de desenvolvimento urbano. Afinal de contas, não há um metro quadrado deste país que não pertença a um município”, afirmou.

Canuto ainda negou que sua escolha tenha passado por uma indicação do ex-ministro da Integração Nacional e governador eleito do Pará, Hélder Barbalho (MDB), com quem trabalhou no governo federal. “O ex-ministro Helder não tem nenhum papel nessa indicação. A indicação veio da equipe de transição, foi uma análise técnica em relação ao trabalho executado”, assegurou.

Canuto é formado em engenharia da computação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e em direito pelo Centro Universitário de Brasília (UniCeub).

Segundo informações do Ministério da Intregração Nacional, ele também já trabalhou na Secretaria de Aviação Civil, na Secretaria Geral da Presidência da República e na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

O presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou nesta terça-feira que o ex-diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) Tarcísio Gomes de Freitas assumirá o Ministério da Infraestrutura. O anúncio foi feito por Bolsonaro em sua conta no Twitter. Em seguida, Freitas e o presidente eleito concederam entrevista no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), sede do gabinete de transição. “É uma pessoa extremamente qualificada para desempenhar essa difícil missão”, disse Bolsonaro. Bolsonaro afirmou na entrevista que seu governo pretende começar apenas as obras com orçamento para serem concluídas. “Como regra, nós só começaremos uma nova obra se tivermos realmente recursos para concluí-la”, declarou.

Via O Dia

O executivo Salim Mattar, fundador da empresa de locação de automóveis Localiza, aceitou nesta sexta-feira o convite para comandar a Secretaria de Privatizações, que será vinculada ao Ministério da Fazenda no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro. O órgão será responsável pelos projetos de desestatização e desinvestimentos.

A equipe econômica confirmou a informação em nota. “O empresário Salim Mattar aceitou o convite do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, para assumir a Secretaria-Geral de Desestatização e Desmobilização, que será criada como parte da estrutura do Ministério da Economia no novo governo”, diz a nota. Anteriormente, o empresário foi sondado para ocupar a Secretaria de Indústria e Comércio – hoje ministério autônomo.

Neto de libaneses, Mattar costuma dizer que muito jovem descobriu como poderia criar o próprio negócio e ter lucros: a partir do aluguel de automóveis. De família grande, ele perdeu o pai precocemente, foi office boy e trabalhou em armazém até ser dono da sua empresa.

Nota

O comunicado da equipe econômica informa ainda que Mattar é fundador e presidente do conselho da Localiza, uma das maiores locadoras de veículos do mundo, e integrante do Instituto Millenium, fundado por Guedes para promover o liberalismo econômico.

A nova secretaria vai ser responsável pelos desinvestimentos, desmobilização e busca de maior eficiência na gestão dos ativos da União.

Equipe

Mattar vai integrar a equipe econômica do próximo governo que já conta com os nomes de Roberto Campos Neto, que irá para o Banco Central; Roberto Castello Branco, que assumirá o comando da Petrobras; e Joaquim Levy, que vai presidir o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Na terça-feira, Guedes também confirmou o professor da Fundação Getulio Vargas (FGV), Rubem de Freitas Novaes, para o comando do Banco do Brasil; Pedro Guimarães, para a Caixa Econômica Federal; e Carlos Von Doellinger para estar à frente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) a partir do ano que vem.

O futuro ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, divulgou uma carta nesta sexta-feira (23) na qual afirma que sua gestão à frente da pasta buscará preservar “valores caros à sociedade brasileira” que, segundo ele, é “conservadora”. Rodríguez foi anunciado para o posto nessa quinta-feira (22) pelo presidente eleito Jair Bolsonaro. Nascido na Colômbia e naturalizado brasileiro em 1997, ele é autor de mais de 30 obras e professor emérito da Escola de Comando do Estado Maior do Exército. “Pretendo colocar a gestão da Educação e a elaboração de normas no contexto da preservação de valores caros à sociedade brasileira, que, na sua essência, é conservadora e avessa a experiências que pretendem passar por cima de valores tradicionais ligados à preservação da família e da moral humanista”, afirmou o futuro ministro no texto. Crítico dos últimos governos do país, Rodríguez disse que é contra “discriminação de qualquer tipo” e afirmou que, nos últimos anos, a “instrumentalização ideológica da educação” polarizou o debate sobre o tema.

Os governadores eleitos do Nordeste divulgaram nesta quarta-feira uma carta endereçada a Jair Bolsonaro pedindo audiência com o presidente eleito.

No documento, eles também elencaram seis temas que consideram prioritários na região, “a maior parte relacionada a problemas de falta de recursos”, registra o Valor.

CARTA DOS GOVERNADORES DO NORDESTE

Exmo. Presidente Eleito Jair Bolsonaro,

Os Governadores eleitos do Nordeste vêm solicitar uma audiência com V.Exa. para tratar prioritariamente acerca dos seguintes itens:

1. Retomada urgente de obras federais no Nordeste, visando ao crescimento econômico e à geração de empregos, com especial destaque para obras rodoviárias, de segurança hídrica e habitacional;

2. Celebração de um Pacto Nacional pela Segurança Pública, em que o Governo Federal assuma a coordenação e a execução de ações concretas no combate à criminalidade interestadual, a exemplo de assaltos a bancos, tráfico de armas e explosivos, atuação de facções criminosas, etc;

3. A viabilização de fontes financeiras para reequilíbrio do pacto federativo, uma vez que Estados e Municípios sofreram drasticamente com a recessão econômica que deteriorou FPE e FPM. Nesse sentido, importante pautar a Reforma Tributária que corrija distorções, como a tributação de bancos e de rendas do capital;

4. Desbloqueio das operações de créditos dos Estados, para viabilização de investimentos e pagamentos de precatórios judiciais;

5. Debate acerca da prorrogação e ampliação da participação financeira da União no FUNDEB (Novo FUNDEB);

6. Preocupação com o vazio assistencial que pode se produzir nos Municípios, com a diminuição do contingente de profissionais do Programa Mais Médicos, sendo fundamental a imediata recomposição e ampliação do citado Programa.

Ratificamos os nossos cumprimentos pela vitória eleitoral de V. Exa., registrando que estamos totalmente comprometidos com a luta por bons destinos para a nossa Pátria e à disposição para o diálogo e o entendimento nacional.

Camilo Santana – Governador do Ceará

Paulo Câmara – Governador de Pernambuco

Luciano Barbosa – Governador em exercício de Alagoas

Belivaldo Chagas – Governador de Sergipe

Wellington Dias – Governador do Piauí

Flávio Dino – Governador do Maranhão

Rui Costa – Governador da Bahia

João Azevedo – Governador eleito da Paraíba

Fátima Bezerra – Governadora eleita do Rio Grande do Norte

Por Talita Fernandes

O presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou por meio das redes sociais na manhã desta terça-feira, dia 20, que Wagner de Campos Rosário permanecerá como ministro da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União. Bolsonaro anunciou o nome do ministério apenas como CGU, antiga denominação. A escolha foi anunciada por meio das redes sociais do presidente eleito logo depois de ele ter conversado com Rosário na base aérea em Brasília, ao desembarcar na manhã desta terça-feira na capital federal para atividades do governo de transição.

Rosário assumiu a pasta interinamente em maio de 2017, depois da saída de Torquato Jardim e da recusa de Osmar Serraglio.  Até agora, o futuro governo manteve apenas Rosário da estrutura de primeiro escalão de Temer. Bolsonaro, contudo, já anunciou que Mansueto Almeida seguirá chefiando o Tesouro Nacional e estuda a permanência de Ivan Monteiro, atual presidente da Petrobras, em seu governo, à frente do Banco do Brasil.

UNIFICAÇÃO – A indicação conta com a simpatia de Temer e com o respaldo do ex-juiz Sergio Moro. Inicialmente, o governo do presidente eleito estudava unificar a CGU à Justiça, pasta que será comandada pelo ex-juiz federal da Lava Jato. Os planos mudaram após a avaliação de que haveria excesso de atividades nas mãos de Moro e de críticas de que colocar fim ao status de ministério da CGU poderia comprometer o combate à corrupção.

A avaliação no Palácio do Planalto é de que Rosário trabalhou em sintonia com a Polícia Federal no rastro da Operação Lava Jato, ganhando apoio junto a integrantes da Força Tarefa.  Além disso, o ministro é bem visto pela cúpula militar do novo governo por ter se formado capitão e ter passado pela Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), por onde também passaram, além do próprio Bolsonaro, os generais Hamilton Mourão, vice-presidente eleito, e Augusto Heleno, futuro chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI).

A formação do governo do presidente eleito Jair Bolsonaro vem causando descontentamento entre aliados. Duas semanas após o início da transição, apoiadores de primeira hora durante a campanha e integrantes de grupos técnicos sentem-se preteridos pela falta de sinalização de Bolsonaro de que terão espaço na administração federal. A reclamação é que as indicações do futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS) têm prevalecido na composição do futuro governo, deixando em segundo plano apoiadores que apostaram no militar ainda na pré-candidatura. Ao longo da campanha, entusiastas da candidatura de Bolsonaro se reuniam em grupos de WhatsApp para discutir propostas para áreas técnicas como saúde, educação, infraestrutura, agricultura e meio-ambiente. Assim como aconteceu com o general Osvaldo Ferreira, que coordenou o grupo de planejamento mas deve ficar fora, não são poucos os nomes que perderam força ao longo do tempo.
O economista Roberto Campos Neto, do Santander, será o presidente do Banco Central no governo de Jair Bolsonaro. O atual secretário do Tesouro, Mansueto de Almeida, continuará no cargo. As duas informações foram confirmadas por integrantes da equipe de transição de Bolsonaro. Ambos já aceitaram o convite feito pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes. O nome de Campos Neto ainda precisa passar por sabatina e aprovação do Senado. Campos é executivo do Santander e neto do ex-ministro do Planejamento (1964-1967) e economista Roberto Campos. Figura próxima de Guedes, Campos Neto já era cotado para o cargo, mas foi confirmado nesta quinta-feira (15). A opção por Campos Neto foi feita depois que o atual presidente do BC, Ilan Goldfajn, confirmou que deixará a instituição até o final do ano. Ele era a principal aposta da equipe econômica de Bolsonaro.
dez 13
quinta-feira
17 37
ENQUETE

Você acha que o brasileiro acostumou-se com a Corrupção ao longo do tempo ?

Ver resultado parcial

Carregando ... Carregando ...
PREVISÃO DO TEMPO
INDICADOR ECONÔMICO
30 USUÁRIOS ONLINE
Publicidade
  5753716 VISITAS

Facebook

Twitter

Instagram