Por Cleide Carvalho /O Globo

O ex-marqueteiro do PT, João Santana, e a mulher dele, Mônica Moura, foram arrolados como testemunhas de acusação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Ministério Público Federal, na denúncia que envolve o sítio de Atibaia. Os dois firmaram acordo de delação premiada. Santana foi o marqueteiro das três últimas eleições presidenciais do PT: 2006, quando Lula venceu; e 2010 e 2014, quando Dilma Rousseff ganhou a disputa. A denúncia foi apresentada nesta segunda-feira à Justiça Federal de Curitiba e envolve R$ 1 milhão gastos com reformas no sítio. Para os procuradores, o valor refere-se a propina de contratos da Petrobras e as obras beneficiariam Lula e sua família.

Das 25 testemunhas de acusação contra o ex-presidente, 17 são delatores da Lava-Jato. Entre os arrolados pelos procuradores estão os políticos Delcídio do Amaral e Pedro Corrêa; os ex-diretores da Petrobras Nestor Cerveró e Paulo Roberto Costa; os operadores de propina Fernando Soares, o Baiano, e Milton Pascowitch, e os empresários Augusto Mendonça Neto (Setal), Ricardo Pessoa (UTC) e Milton Schahin (Grupo Schahin).

BITTAR DENUNCIADO – Segundo a denúncia do MPF, Lula recebeu R$ 1 milhão em vantagens indevidas da Odebrecht, OAS e Grupo Schahin, vinculadas a contratos da Petrobras. O valor teria servido para obras de melhoria no sítio, que está em nome de Fernando Bittar e Jonas Leite Suassuna Filho. Bittar foi denunciado por lavagem de dinheiro. Jonas Suassuna, não.

Num texto divulgado nesta segunda-feira nas redes sociais, Lula afirmou que a Força Tarefa da Lava-Jato levou 18 meses para admitir a verdade: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não é, e nunca foi, dono de um sítio em Atibaia.

Em nota, a defesa do ex-presidente afirmou que “os procuradores reconheceram não ter qualquer prova de que Lula seja o proprietário do sítio”, já que não há denúncia vinculada à propriedade.

Não há nada mais conhecido do submundo dos clandestinos do que esse sistema de se comunicar com outra pessoa por email sem ser rastreado, utilizado por Monica Moura e a então presidente Dilma agora denunciado pela marqueteira. O sistema é denominado de Dead Drop ou, mais frequentemente, Dead Letter Box. Muito utilizado na espionagem internacional, ganhou notoriedade nos anos 1930 com o caso dos Cinco de Cambridge (Cambridge-Five) assim denominados os participantes de uma célula de espiões britânicos a serviço da URSS (Anthony Blunt, Kim Philby, Donald MacLean, Guy Burgess e John Cairncross) durante a chamada Guerra Fria. E popularizou-se através dos livros de espionagem do escritor britânico John Le Carré.Os que trocavam informações secretamente deixavam o documento em algum lugar previamente combinado (uma parede com tijolo solto, um buraco de árvore) para que fosse resgatado. Assim, não se encontravam e poderiam até mesmo não se conhecer. NO RASCUNHO… – Com a revolução tecnológica, chegou-se ao sistema atual, onde uma pessoa cria conta falsa em um provedor gratuito (Yahoo ou Gmail) e compartilha essa conta com sua contraparte. Deixando a mensagem no rascunho, a pessoa que a recebe só precisa saber o nome da conta e a senha.

Vídeos de Mônica Moura e João Santana e negociações de ex-ministro petista colocam mais bombas no caminho do ex-presidente e seu partido

El País – Carla Jimenez

O calvário do Partido dos Trabalhadores e do ex-presidente Lula ganhou novos capítulos numa sequência impensável a quem acreditava que o ponto alto da semana política que passou ficaria no embate entre o petista e o juiz Sergio Moro em Curitiba. O encontro mais esperado da Lava Jato parece agora apenas um aperitivo para um cardápio farto que se seguiu na sequência, e que fragiliza ainda mais o ex-presidente e o seu partido, tanto do ponto de vista político quanto jurídico. Apenas um dia depois do seu depoimento, o ministro do Supremo, Edson Fachin, liberou o sigilo das delações do casal de marqueteiros Mônica Moura e João Santana, que revelam o milionário esquema de caixa 2 pago no Brasil e no exterior, supostamente com aval de Lula e Dilma Rousseff.

Na sexta, uma nova bomba nuclear para o ex-presidente e o PT veio na forma da nota divulgada pelo então advogado do ex-ministro Antonio Palocci. “O Escritório José Roberto Batochio Advogados Associados deixa hoje o patrocínio da defesa de Antonio Palocci em dois processos que contra este são promovidos perante o juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba, em razão de o ex-ministro haver iniciado tratativas para celebração do pacto de delação premiada com a Força Tarefa Lava-jato, espécie de estratégia de defesa que os advogados da referida banca não aceitam em nenhuma das causas sob seus cuidados profissionais.”

O que eram informações de bastidores começam a se tornar realidade. O ex-todo poderoso ministro petista, que pavimentou a relação de Lula com o então apavorado mercado financeiro nacional e internacional em seu primeiro mandato (2003-2006), sucumbiu à pressão da Lava Jato e mostrou que seu silêncio tem limite. Preso preventivamente há oito meses, Palocci fechará acordo com a Justiça para negociar uma redução de pena, e pode jogar um caminhão-tanque de gasolina nas labaredas que já incendeiam o Brasil com as investigações sobre corrupção no poder público e privado. Palocci sabe que suas palavras valem ouro para a Justiça e têm poder para estender ainda mais a operação Lava Jato, saindo inclusive do ramo das empreiteiras para se espalhar a outros setores. “Acredito que posso dar um caminho que talvez vai lhe dar pelo menos mais um ano de trabalho, mas é um trabalho que faz bem ao Brasil”, disse Palocci a Moro em seu depoimento no dia 20 de abril, após afirmar que tinha condição de relatar “fatos com nomes, endereços, operações realizadas e coisas que serão certamente de interesse da Lava Jato.” Não os abria ali, explicou, pela “sensibilidade das informações” de que dispõe.

Agora, o país volta a prender a respiração na expectativa de conhecer novos fatos e detalhes sobre o modus operandi das relações de poder, num exercício que já virou rotina. A escala crescente de informações não para de surpreender ao mesmo tempo que vai fechando o cerco ao PT e deixando poucas brechas para Lula. As delações de Mônica Moura e João Santana, que gozavam da intimidade palaciana desde 2005, já trazem informações chocantes o suficiente para questionar o futuro do PT e da sonhada candidatura do ex-presidente para as eleições de 2018.

Por Pedro Dias Leite / O Globo

Um dos argumentos mais poderosos em defesa de Dilma Rousseff durante o processo de impeachment, no ano passado, era o de que se tratava do julgamento de uma pessoa honesta feito por políticos desonestos. Afinal, de um lado estava o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), um dos principais articuladores do afastamento e alvo de um processo no Conselho de Ética por ter contas secretas na Suíça, que bancavam hotéis luxuosos, gastos de milhares de euros em lojas de grife, jantares em restaurantes com muitas estrelas Michelin. Hoje, cumpre pena em Curitiba. Do outro lado, Dilma, uma presidente contra quem não pesava, pessoalmente, uma acusação sequer de corrupção.

“Saibam todos que vocês estão julgando uma mulher honesta, uma servidora pública dedicada e uma lutadora de causas justas. Tenho orgulho de ser a primeira mulher eleita presidenta do Brasil. Nestes anos, exerci meu mandato de forma digna e honesta. Honrei os votos que recebi”, dizia a defesa que Dilma enviou ao Senado, em 6 de julho, antes da confirmação de seu afastamento.

TUDO DESMORONA – A delação do marqueteiro João Santana e de sua mulher, Mônica Moura, abala o argumento que sustentava essa narrativa. Por mais que Dilma ainda possa dizer que não colocou dinheiro público no próprio bolso, a questão da honestidade entrou numa zona cinzenta. Afinal, agora ficou claro, a partir da colaboração dos marqueteiros, que ela sabia do esquema ilegal de financiamento que irrigou suas duas campanhas presidenciais, em 2010 e 2014, e que atuou, enquanto estava no Palácio do Planalto, para evitar que fosse descoberto.

Mônica Moura narrou como Dilma lhe sugeriu que transferisse as contas na Suíça onde recebia o pagamento de caixa dois para Cingapura (“ela ouviu falar que era um lugar muito mais seguro, que a Suíça já estava muito visada”), contou como as duas criaram um e-mail em nome de “Iolanda” para que a presidente informasse a marqueteira sobre as investigações da Lava-Jato (“ela falou que era o nome da mulher do presidente Costa e Silva, alguma coisa assim; ela inventou nome, Iolanda, e a gente criou esse e-mail”) e narrou como a então presidente ligou para avisar que o casal seria preso.

HONESTIDADE? – Dilma teve uma trajetória digna até chegar à Presidência da República: participou da luta armada contra a ditadura militar na juventude, foi vítima da barbárie da tortura, e depois seguiu em frente em uma respeitável carreira de burocrata, até ser pinçada por Luiz Inácio Lula da Silva para ser sua candidata.

Não há nenhum indício de que a ex-presidente tenha enriquecido pessoalmente com os esquemas de corrupção. Mas honestidade não é apenas isso, e a nova leva de delações joga uma sombra sobre sua biografia.

A empresária Monica Moura, delatora da operação Lava Jato, entregou ao Ministério Público Federal um registro com as imagens do e-mail que diz ter usado para trocar mensagens com a ex-presidente Dilma Rousseff. As fotografias estão em uma Ata Notarial lavrada em 13 de julho de 2016 no 1º Tabelionato Giovannetti em Curitiba. Monica afirmou em delação premiada que criou “no computador da presidente” uma conta de e-mail com nome e dados fictícios, com senha compartilhada entre as duas e o ex-assessor de Dilma Giles Azevedo. Monica é casada com o publicitário João Santana. O casal de marqueteiros fez as campanhas presidenciais de Lula (2006) e Dilma (2010 e 2014). Eles foram presos na operação Lava Jato e fecharam acordo de delação premiada para se livrar da cadeia. Segundo a delatora, ela e a então presidente combinaram que, se houvesse notícia sobre avanço da Lava Jato em relação ao casal, o aviso seria feito através desse e-mail. As mensagens escritas pela presidente ficariam na caixa de rascunhos do e-mail, para não circularem, e Mônica acessaria a conta de onde estivesse.

Por Eduardo Bresciani / O Globo

A empresária Mônica Moura, mulher do marqueteiro João Santana, relatou que ela e o marido cobraram diretamente a ex-presidente Dilma Rousseff por atrasos no pagamento de caixa dois relativo à campanha de 2014 e que em sua agenda o ministro Guido Mantega era apelidado de “Latícinio” em um trocadilho com o sobrenome do ministro e a palavra manteiga.

O tema é tratado no anexo 9 da delação da empresária. Ela conta que em junho de 2014 Dilma disse a Santana que não confiaria ao tesoureiro João Vaccari os repasses porque na eleição anterior teria ocorrido desvio em pagamento direcionado ao marketing. “Isso para evitar o que ocorrera na primeira eleição, quando soube que parte do dinheiro destinado para o marketing fora transferido para “um pagamento insólito e inesperado”, diz trecho do anexo. A presidente Dilma teria prometido ainda ao marqueteiro que não ocorreria mais atrasos, como houve no pleito anterior.

MANTEGA CUIDARIA – Segundo o relato, Giles Azevedo, então chefe de gabinete de Dilma, ligou para Mônica informando que o ministro Guido Mantega cuidaria do tema. Depois de diversas reuniões acertou-se o valor de R$ 105 milhões, sendo que R$ 35 milhões seriam pagos por fora, ficando este montante a cargo da Odebrecht. Mônica conta que as reuniões ocorreram na residência oficial do ministro e como prova anexou passagens aéreas e cópias de anotações na sua agenda em que aparecem registros de reuniões com “Latícinio”. No documento, a empresária explica: Reunião com “Laticínio”, relativo a Guido Mantega.

Ela conta que negociou com dois executivos da Odebrecht o pagamento, mas que como a empreiteira já era alvo da Lava-Jato o casal recebeu apenas R$ 10 milhões por fora. Diante dos atrasos no pagamento dos R$ 25 milhões restantes, Mônica diz que ela mesmo cobrou a presidente Dilma durante intervalos de gravações de pronunciamentos no Palácio da Alvorada e que Dilma se dizia disposta a ajudar. O montante, porém, nunca foi pago.

SEM PAGAR  – “Finda a campanha, e como os atrasos permaneciam por mais de dois anos, Mônica Moura aproveitou algumas circunstâncias para tratar diretamente do assunto com a presidente Dilma Rousseff. Isso se deu em conversas particulares entre as duas, nos intervalos de gravações de pronunciamentos oficiais que João Santana dirigia, no Palácio da Alvorada.

A presidente sempre se dizia disposta a ajudar e, desde o início, tinha pleno conhecimento de que a Odebrecht ficara responsável pelo pagamento, não oficial, de R$ 35.000.000,00 (trinta e cinco milhões de reais)”, afirma Mônica.

Marqueteiro do PT disse a Moro que dinheiro recebido no exterior quitou dívida de campanha. O marqueteiro João Santana e sua mulher e sócia, Mônica Moura, foram interrogados na tarde desta quinta-feira na ação penal em que são acusados de recebimento de propinas do esquema montado na Petrobras, e confessaram que, ao serem presos em fevereiro pela Polícia Federal, mentiram no inquérito. Ao juiz federal Sergio Moro, o casal esclareceu que 4,5 milhões de dólares recebidos por meio do doleiro e operador de propinas Zwi Skornicki era dinheiro da campanha eleitoral de Dilma Rousseff, em 2010. Segundo Mônica, os valores recebidos por meio do operador eram relativos a “dívidas da campanha presidencial de 2010 (Dilma) e Zwi lhe foi indicado pelo então tesoureiro do PT, João Vaccari Neto”. Ela negou, contudo, que soubesse que o dinheiro tinha origem em propinas do esquema Petrobras. Afirmou que está disposta a colaborar com a Justiça, mas só o fará com “acordo assinado”.
jun 5
sexta-feira
05 14
ENQUETE

Você acha que o brasileiro acostumou-se com a Corrupção ao longo do tempo ?

Ver resultado parcial

Carregando ... Carregando ...
PREVISÃO DO TEMPO
INDICADOR ECONÔMICO
77 USUÁRIOS ONLINE
Publicidade
  5824937 VISITAS

Facebook

Twitter

Instagram