O vice-presidente do Tribunal Regional Federal da 5 ª Região (TRF5), desembargador Cid Marconi Gurgel de Souza, decidiu hoje (8) derrubar a liminar que suspendeu os novos valores mínimos para o frete o rodoviário no país. Na decisão, o desembargador argumentou que é prudente à ordem pública e à ordem administrativa assegurar as bases do acordo entre o governo e os caminhoneiros.

“Toda a sociedade brasileira tem sido testemunha do processo de negociação em que se envolveu o Poder Executivo desde o início da greve dos caminhoneiros. Pode-se dizer que as liminares proferidas num momento em que as partes ainda buscam um consenso pode interferir neste processo e, pior, inviabilizá-lo, sobretudo se de fato se concretizar o efeito multiplicador referido na inicial”, argumentou Gurgel de Souza.

O desembargador disse ainda que é dever do Poder Executivo buscar a solução de consenso que melhor atenda a todas as partes envolvidas.

Fonte: Agência Brasil

 

Os Correios informaram que desde o início da paralisação dos caminhoneiros, o volume de objetos entregues foi aproximadamente 50% menor em comparação com os dias normais de operação.

A empresa estatal atribui a redução ao fato de os veículos não terem conseguido chegar ao seu destino por causa de bloqueios nas estradas ou devido à falta de combustível. A empresa disse ainda que calcula os prejuízos financeiros. Os Correios estimam que serão necessários aproximadamente 15 dias após o término da greve para regularizar as operações e normalizar as entregas.

Para reforçar os processos operacionais, a empresa já possui um plano de ações que abrange desde jornada extraordinária para os empregados próprios até contratações de mão de obra temporária e de linhas extras para agilizar o escoamento da carga represada.

Os serviços com dia e hora marcados (Sedex 10, Sedex 12, Sedex Hoje, Disque Coleta e Logística Reversa Domiciliária) permanecem temporariamente suspensos.

Os demais serviços de encomendas como o Sedex convencional e o PAC tiveram o prazo de entrega ampliado. Os Correios informam que o atendimento nas agências está regular, recebendo as postagens normalmente.

Fonte: G1

O governo apura se três movimentos políticos – “Intervenção militar já”, “Fora Temer” e “Lula livre” – se infiltraram na Eles estariam alimentando os focos que ainda querem manter os bloqueios, mesmo após ter boa parte de suas reivindicações atendidas ou ao menos encaminhadas. Essa é uma leitura feita nas reuniões do gabinete de crise montado pelo Palácio do Planalto na semana passada.

Os caminhoneiros falam abertamente do problema. O presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) – uma das últimas entidades a aceitar as propostas do governo -, José da Fonseca Lopes, afirmou em entrevista coletiva nesta segunda-feira, 28, que há um forte grupo de intervencionistas infiltrado na paralisação dos caminhoneiros.

“Quem quer derrubar o governo que monte um movimento, não use a Abcam”, disse, ressaltando que as reivindicações do movimento de caminhoneiros autônomos já foram atendidas. “Os caras querem dar um golpe nesse País e eu não vou fazer parte disso”, afirmou.

jan 28
terça-feira
08 40
ENQUETE

Você acha que o brasileiro acostumou-se com a Corrupção ao longo do tempo ?

Ver resultado parcial

Carregando ... Carregando ...
PREVISÃO DO TEMPO
INDICADOR ECONÔMICO
17 USUÁRIOS ONLINE
Publicidade
  5813087 VISITAS

Facebook

Twitter

Instagram