O PSB decidiu, nesta sexta-feira, por 82 votos, aplicar punições ao deputado federal Felipe Rigoni (ES) e outros oito parlamentares por terem votado a favor da reforma da Previdência . Eles desobedeceram a orientação da legenda, que fechou questão contra a mudança nas regras de aposentadoria. Mais cedo, o diretório nacional expulsou da legenda o deputado Átila Lira (PI) pelo mesmo motivo. Pesou contra Lira o fato de ser reincidente: ele votou a favor da reforma trabalhista em 2017. Com a sanção, os nove deputados ficam suspensos por doze meses de todas as prerrogativas do Parlamento e do Executivo. Isso significa que não poderão fazer encaminhamento na Câmara em nome do PSB, não terão direito ao voto na bancada e terão de entregar cargos no governo.
Conselho de Ética do PSB decidiu, nesta segunda-feira, instaurar um processo contra os deputados do partido que votaram a favor da reforma da Previdência. A análise da proposta em primeiro turno na Câmara ocorreu na última quarta-feira (10). Contrariando a decisão do diretório nacional do partido de fechar questão contra a reforma, 11 dos 32 deputados votaram a favor da proposta do governo Bolsonaro.

Reunião de deputados do PSB, PCdoB e PDT e declarações de ex-presidenciáveis indicam formação de vários polos de oposição. Fala-se em frente democrática, mas já há mal-estar entre partidos.

Poucos dias após a eleição de Jair Bolsonaro para presidente da República, a oposição ao ultradireitista já começa a discutir que rumos tomar já a partir de agora. Publicamente todos demonstram intenção em formar uma frente ampla suprapartidária a favor da democracia, com a adesão dos mais diversos grupos e correntes ideológicas. Mas a realidade é um pouco mais difícil. Enquanto o Partido dos Trabalhadores (PT) ainda digere a derrota de Fernando Haddad no último domingo, parlamentares de três partidos, PSB, PCdoB e PDT, se reuniram para articular uma atuação em bloco na Câmara. Paralelamente, Ciro Gomes, que ficou em terceiro lugar na disputa, vem fazendo fortes críticas a estratégia do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que impôs sua candidatura e passou o bastão a Fernando Haddad no último minuto, ao mesmo tempo que inviabilizava outras alternativas. Também admitiu que articula uma frente opositora de centro-esquerda no Congresso. Até aqui, a oposição parece se mover de modo a evitar protagonismo e hegemonismo do PT.

Sobre a formação de um possível bloco entre PDT, PSB e PCdoB, o deputado Orlando Silva, líder do último partido na Câmara, questiona: “Por que o PT tem necessariamente que estar dentro? O PT faz parte do mesmo campo político, mas isso não quer dizer que nossa ação parlamentar seja o tempo todo juntos”. Ele explica ainda que a formação do bloco não é uma aliança ideológica, mas “apenas uma articulação parlamentar de bancadas que possuem afinidades” com o objetivo de “qualificar a oposição, influenciar a formação da mesa da Câmara e apresentar uma pauta para o legislativo”. O atual momento, acrescenta, “exige uma construção mais ampla, sem hegemonismo de ninguém”.

Logo após a derrota, a presidenta do PT, a senadora Gleisi Hoffmann, declarou em entrevista que Haddad, por causa dos 47 milhões de votos que teve no segundo turno, se habilitava a liderar a oposição em torno dele. O PT foi também o partido que elegeu a maior bancada de deputados, 56, o que em tese lhe confere poder para liderar o bloco opositor. Mas a estratégia hegemonista adotada pelo PT até aqui parece ter gerado mais insatisfação do que adesão no campo progressista. Silva garante, porém, que a articulação “não tem o objetivo de isolar ninguém”, e que muitas pontes ainda serão feitas. “Outras forças podem vir. Mas por que obrigatoriamente tem que começar com o PT? Ele nem se colocou para participar, por que tem que participar?”, questiona. “Pode haver diferentes polos de oposição, e este é apenas um dos polos”.

El País

O PSB do Rio Grande do Norte anunciou, na manhã deste sábado (13), apoio à candidatura ao Governo do Estado da senadora Fátima Bezerra (PT).

O anúncio foi feito na sede do Diretório Estadual do partido, em Natal, pelo seu presidente, o deputado federal Rafael Motta, e contou com representações de 70 municípios.

“Apesar de existir um entendimento nacional entre os partidos, essa é uma escolha com motivações locais. Conheço Fátima e nós defendemos muitas bandeiras juntos, em Brasília. Além disso, a cada discussão interna, na legenda, o apoio à sua candidatura saía mais fortalecido. Os socialistas querem dar esse voto nela”, disse Rafael.

Fátima Bezerra disse que estava muito à vontade em caminhar ao lado do PSB. “Este partido tem uma história de luta em defesa da democracia. Temos muitas afinidades, muitas bandeiras em comum. Inclusive, já era para estarmos juntos desde o primeiro turno. O apoio do PSB fortalece a nossa caminhada rumo à vitória”, falou Fátima.

O anúncio contou com a presença da senadora eleita Zenaide Maia (PHS), dos deputados estaduais Ricardo Motta (PSB) e Carlos Augusto Maia (PCdoB), que não foram reeleitos, e do vereador de Natal Franklin Capistrano (PSB), além das lideranças dos municípios representados.

Via Heitor Gregório

11
ago

* * * Quentinhas … * * *

Postado às 12:54 Hs

* * * Ainda no fim de semana a vereadora de Mossoró Sandra Rosado definirá sua candidatura ou desistência em concorrer mais uma vez à Câmara dos Deputados. Sandra tem conversado e escutado amigos e correligionários que sempre lhe acompanharam na trajetória política do Rio Grande do Norte. Ela vai pesar na balança o que será melhor politicamente! * * *

* * * O PSB vai integrar as coligações majoritária e proporcionais do PSD, juntamente com outros partidos aliados nas eleições deste ano no Rio Grande do Norte. Ou seja, Os deputados Rafael Motta (Federal) e Ricardo Motta (estadual) integram a nominata do candidato a governador Robinson Faria.* * *

* * * Ao que parece o processo político sucessório começará a movimentar Mossoró a partir deste fim de semana. Os candidatos organizam suas equipes e várias reuniões estão agendadas com lideranças locais.A campanha deverá radicalizar entre Carlos Eduardo e por conta das presenças de Kadu Ciarlini e Tião Couto nas duas chapas. * * *

 

30
jul

Carlos Eduardo tenta encaixar o PSB

Postado às 18:13 Hs

A coligação liderada pelo PDT, do candidato a governador, Carlos Eduardo Alves, tem até sábado para acertar o entendimento com o PSB e demais partidos que já estão no grupo – DEM/PP/MDB. A matemática dos políticos indica que mantida a atual situação, a chapa de deputados federais só vai conseguir eleger dois candidatos – Walter Alves (MDB) e José Agripino (DEM).

Os contras torcem por um final infeliz. Afinal, sobraria mais uma vaga de deputado federal. Elegendo apenas dois deputados, a coligação de Carlos Eduardo entregaria aos adversários, pelo menos, mais uma cadeira de federal para
o grupo do governador Robinson, ou para o PT ou, ainda, para o Avante, de Karla Veruska, mulher do presidente da Câmara, Ranieri Barbosa.

A situação repercute até na chapa de deputados estaduais. Hoje, alguns estaduais da coligação de Carlos Eduardo estão fechando dobradinha com federais de outras coligações. Um deputado estadual que apóia Carlos, me disse, agora há pouco, haver o risco de contaminação, também, da chapa majoritária.

A chegada do PSB, segundo o mesmo deputado, tranquiliza todo mundo e transfere a intranquilidade para os adversários: “garante o terceiro federal, puxando para o quarto, e, ainda, anula qualquer possível insatisfação na chapa dos estaduais”

Fonte: blog Pinga Fogo/Nominuto

27
jul

@ @ É NOTÍCIA … @ @

Postado às 10:49 Hs

  • Depois de fincar bandeira ao lado dos últimos cinco presidentes da República, o MDB pode ser levado a um exercício de desapego em 2019. Isolado na disputa e confrontado pela massa de partidos do centrão, a sigla incluiu em suas contas a possibilidade de adotar postura independente ou até integrar a oposição no início do próximo governo. O movimento seria mais uma migração forçada do que um auto exílio purificador. O partido foi ofuscado nas negociações eleitorais com o fortalecimento do bloco liderado por DEM, PP e PR. Para dirigentes dos dois campos, o MDB perdeu poder de barganha e chegará mais frágil à posse do próximo presidente.
  • O deputado federal Rafael Motta (PSB) desembarcou no estado nesta quinta-feira (26), procedente de Brasília. Está angustiado. Tem pressa para resolver um impasse. Não conseguiu fechar ainda composição do seu partido numa aliança que viabilize sua reeleição e a do pai e deputado estadual Ricardo Motta (PSB). Com o PT da senadora Fátima Bezerra, há muitas resistências devido sua atuação na Câmara Federal e o peso negativo da imagem de Ricardo. Ele está envolvido com caudalosas denúncias de corrupção na Assembleia Legislativa e Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (IDEMA). No palanque de Carlos Eduardo Alves (PDT), nada avançou. Existe veto do PP do deputado federal Beto Rosado. Não entra mais ninguém. Podem terminar ao lado do governador Robinson Faria (PSD) Blog Carlos Santos *
  • A CBF renovou os contratos com o treinador Tite e com o coordenador de Seleções, Edu Gaspar, até o final da Copa do Mundo de 2022, no Catar. Com isso, a Seleção Brasileira tem assegurada a continuidade do projeto por todo o próximo ciclo. Os profissionais já atuam na preparação para os dois próximos jogos amistosos, marcados para os dias 7 e 11 de setembro, nos Estados Unidos. – A CBF está investindo em um projeto de longo prazo ao garantir à Comissão Técnica seis anos e meio à frente da Seleção. Acreditamos que planejamento cuidadoso e execução criteriosa conduzirão o futebol brasileiro aos resultados que esperamos – afirma o diretor Executivo de Gestão da entidade, Rogério Caboclo.
  • O diretor geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Luís Eduardo Barata, informou nesta quinta-feira (26) que a bandeira tarifária deverá continuar vermelha em agosto, uma vez que o país enfrenta adversidades climáticas em razão da falta de chuva, predominante agora em julho. A bandeira tarifária vermelha (patamar 2) tem o custo adicional na conta de luz de R$ 5 a cada 100 kWh (quilowatts-hora) consumidos. A repetição da bandeira do mês de junho deve-se à manutenção das condições hidrológicas desfavoráveis e à tendência de redução no nível de armazenamento dos principais reservatórios do Sistema Interligado Nacional (SIN). “A bandeira vermelha deve continuar em agosto e a tendência é de que ela deva permanecer até o final do período seco. A situação hidrológica encontra-se em situação adversa de norte a sul do país e a chuva não cai”, explicou.
  • O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luiz Fux, disse ontem (26) que o tribunal será inflexível com candidatos ficha-suja que pretendem disputar as eleições de outubro. Segundo o ministro, quem estiver inelegível pela Lei da Ficha Limpa “está fora do jogo democrático”. “Com relação à Lei da Ficha Limpa, o tribunal demonstrou e demonstrará ser inflexível com aqueles que são considerados fichas-sujas, ou seja, aqueles que já incidiram nas hipóteses de inelegibilidade. O Tribunal Superior Eleitoral sintetiza sua atuação em um binômio: não à mentira e ficha suja está fora do jogo democrático”, afirmou. As declarações foram feitas durante evento no qual o TSE recebeu uma lista, do Tribunal de Contas da União (TCU), com nomes de 7,4 mil gestores públicos que tiveram as contas rejeitadas por tribunais de contas por irregularidades insanáveis. Com base nas informações, a Justiça Eleitoral poderá rejeitar os registros de candidatura dos citados.

E para onde irá o PSB dos deputados Rafael Motta e Ricardo Motta?

Hoje Ricardo Motta teria uma conversa com o governador Robinson Faria (PSD). Há resistência na coligação para a chegada de mais um pré-candidato a federal.

A coligação aposta alto na eleição de Fábio Faria, João Maia e Rogério Marinho, e teria na disputa por uma quarta vaga, Carla Dickson (PROS), Karla Veruska (Avante) e Benes Leocádio (PTC).

A entrada de Rafael mexeria com esse grupo que tenta a quarta vaga, daí a resistência. Na coligação do governadorável Carlos Eduardo, a chegada de Rafael tem resistência dos pré-candidatos a federal José Agripino Maia, Walter Alves e Beto Rosado.

O que se discute é que Beto entraria como um terceiro nome que poderia ser ameaçado por Rafael. Há poucos dias foi visto como prego batido a entrada do PSB na chapa de Carlos Eduardo, mas o processo parou no meio e não vingou.

A chapa da pré-candidata ao Governo, Fátima Bezerra (PT), que tem o deputado estadual Fernando Mineiro como nome considerado certo para se eleger federal, não há mais abertura para coligação com novos partidos. O palanque fechou oficialmente com o PCdoB e o PHS. E ponto.

Via Thaisa Galvão

07
jul

* * * Quentinhas … * * *

Postado às 9:30 Hs

* * * O governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), fez uma acusação que merece ser apurada. Segundo ele, a senadora Fátima Bezerra (PT) tem atuado contra o Rio Grande do Norte. Isso descumpre até o juramento que o parlamentar faz ao tomar posse. Isso precisa ser investigado. E o que Fátima tanto fez contra o RN ? * * *

* * * Com os planos majoritários inviabilizados, o PSB trabalha as chapas proporcionais. Para deputado estadual, o partido já confirmou as pré-candidaturas da ex-prefeita de Mossoró Fafá Rosado, do vereador de Natal Franklin Capistrano, do empresário caicoense Artur Maynard, de lideranças das regiões do Mato Grande e Oeste, além do deputado estadual Ricardo Motta e do deputado federal Rafael Motta. * * *

* * * Com a eliminação do Brasil na Copa do Mundo nesta sexta-feira (6), a pré-campanha, que já havia iniciado há muito tempo, se intensificou. A partir deste sábado (7), extraoficialmente, começa a corrida eleitoral. Voltamos a realidade… * * *

* * * O Grande Encontro do PR terá início hoje, sábado (7) às 9 horas no Espaço América. Faz parte de uma série realizados em todo o Estado. Gaudêncio Torquato será o palestrante. O presidente do PR no Estado é o pré-candidato a deputado federal, João Maia.Com as bases já reconstruídas para disputar as eleições deste ano, o ex-deputado federal João Maia (PR) foca na construção de ‘dobradinhas’ para a deputada federal Zenaide Maia (PHS), com candidatos competitivos ao Senado. * * *

06
jul

# Rapidinhas #

Postado às 10:42 Hs

@ O PT anunciou o comunista Antenor Roberto como vice de “fachada” da senadora e candidata a governadora Fátima Bezerra para as eleições deste ano. É um ‘balão de ensaio’. Fátima aguarda uma aliança com o PSB para lançar José Vieira de Melo.

@ No coeficiente eleitoral, com menos de 200 mil votos uma coligação não faz um federal. O PT precisa dos votos do deputado federal e candidato à reeleição Rafael Motta (PSB) para conseguir atingir a votação necessária e conquistar uma vaga.  Sem os votos de Rafael, nem Mineiro nem Bonavides têm chances de ficar entre os oito.

@ O Rio Grande do Norte é o segundo estado do país com maior número de gestoras. A quantidade de mulheres na política foi apresentada em pesquisa divulgada nesta quinta-feira (05) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo O Perfil dos Municípios Brasileiros trouxe o RN com 28,1% no ranking de gestores do sexo feminino, atrás apenas do estado de Roraima, com 33,3%. No outro extremo, Espírito Santo (5,1%) e Rio Grande do Sul (6,8%) estão com os menores percentuais referente ao ano passado.

@ E finalmente o governador do Rio Grande do Norte Robinson Faria (PSD) se declarou pré-candidato á reeleição. O que não é nenhuma novidade, pois todo mundo já sabia.

@ Três nomes duelam internamente no PT, para indicação de candidatura ao Senado.Ex-vereador Hugo Manso, médico Alexandre Motta e sindicalista José Rodrigues estão no páreo. Nos intramuros partidários há costura para consagrar Manso como ungido.

@ Pré-candidato do PRB à Presidência da República, o empresário Flávio Rocha rechaçou a hipótese de ser vice na chapa de outro nome do centro. “Não admito essa possibilidade. Vamos em frente em voo próprio”, disse Rocha ao jornal O Estado de S. Paulo. Ele afirmou que deu aval para o PRB entrar no debate sobre candidatura única do centro desde que ele estivesse na cabeça da chapa. “Tudo indica que essa aliança (do centro) não vai se viabilizar. Cada um tem uma posição diferente. Não há muita coesão.”

O PT homologou, em plenária, a coligação, na majoritária e nas proporcionais, com o PHS e o PCdoB. A indicação, pelo PCdoB para vice da pré-candidata ao Governo, Fátima Bezerra (PT), foi outra definição.

Os nomes para análise do PT são 4: O presidente do partido, Antenor Roberto, Airene Paiva, Gutemberg Dias e Canindé de França. Ao PT caberá a indicação de um nome para o Senado.

Dessa forma a chapa completa terá:

Fátima Bezerra – Governo    / Vice – PCdoB

Zenaide Maia (PHS) – Senado  / PT – 2ª vaga do Senado

O PSB ainda não fechou a coligação para garantir o projeto de reeleição dos deputados federal Rafael Motta e estadual Ricardo Motta. O PT, que o PSB ‘paquerou’, fechou a chapa majoritária numa coligação com PHS e PCdoB, mas não fechou portas para alianças com outros partidos, e é aí que pode caber o PSB.

Pelo menos é o que se escuta quando se questiona dirigentes da legenda. O deputado Rafael Motta, que preside o PSB no Rio Grande do Norte, está tratando do assunto com a executiva nacional.

Por aqui, o vice-governador Fábio Dantas (PSB) tem conversado com o ‘senador de Carlos Eduardo’, deputado Antônio Jácome (Podemos). Por enquanto sem definições.

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, disse ao Estado que o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa vai se filiar ao partido nesta sexta-feira. “É provável que se filie ao partido na sexta. Já a candidatura dele à Presidência é outro tema. É importante que ele se filie para depois maturarmos isso”, afirmou o dirigente.

A tese de lançar o ex-presidente do STF na disputa pelo Palácio do Planalto é defendida com entusiasmo pela bancada do PSB na Câmara, mas sofre resistências de alas dos partidos. Aliado do governador Geraldo Alckmin, pré-candidato do PSDB à Presidência, o vice-governador de São Paulo, Márcio França, é um dos que se opõem a ideia.

Com a saída de Sandra e Larissa Rosado do PSB para o PSDB, o Partido Socialista Brasileiro busca nomes para assumir a legenda no município de Mossoró.
O que pode pode trazer de volta à política o casal Fafá Rosado e  Leonardo Nogueira, que se mantém afastados desde as eleições de 2016, quando Fafá atuou nos bastidores em favor de Tião Couto (em 2014 )Fafá não conseguiu ser eleita deputada federal pelo então PMDB.
O casal esteve em Natal numa conversa com Rafael Motta, líder do partido no RN, e pode fazer divulgação oficial em breve. Enquanto isso, há, nos bastidores, quem afirme que a filiação já está assinada. Ainda não está acertada candidatura de um dos dois para a disputa eleitoral que se aproxima.
Outra possibilidade:
Excluída do processo eleitoral de 2016 onde não conseguiu ser encaixada em nenhuma chapa, Fafá busca alguma estrutura que impulsione para 2018. A proposta de Robinson é entregar a ela o PSD em Mossoró e lhe dar condições de tentar uma cadeira de deputado estadual, cargo ocupado duas vezes pelo marido dela, Leonardo Nogueira.A última campanha que Fafá e Robinson dividiram o mesmo palanque foi na eleição suplementar de 2014 quando ambos estiveram no palanque vitorioso de Francisco José Junior, eleito prefeito de Mossoró. A aliança não durou muito tempo.

Fontes: Blog do Barreto & Blog da Carol Ribeiro

05
mar

PSB potiguar se agiganta…

Postado às 14:15 Hs

A deputada estadual Cristiane Dantas (PC do B) também deve mudar de legenda, acompanhando o marido e vice-governador Fábio Dantas, que dia 17 se filiará ao PSB, partido que passará a contar com quatro deputados na Assembleia Legislativa, onde já tem os deputados Tomba FariasLarissa Rosado e Ricardo Motta.

Também se comenta que o deputado Vivaldo Costa estaria de saída do Pros para se tornar o quinto deputado do PSB, que passaria a ser o maior partido da Assembleia ao lado do PSDB.

O deputado federal Rafael Motta vai integrar a Executiva Nacional do PSB assumindo o cargo de secretário especial. A eleição para a nova diretoria aconteceu no encerramento do Congresso Nacional do partido, que terminou neste sábado (3), em Brasília.

Atual presidente do PSB no Rio Grande do Norte, ele destacou a importância em integrar a Executiva Nacional e agradeceu a confiança dos delegados do partido elegê-lo. “É uma nova missão que recebo e vou buscar desempenhar da melhor forma”, disse Motta que também é vice-líder do partido na Câmara dos Deputados.

O evento contou com a presença de governadores, parlamentares, prefeitos e representantes de segmentos sociais da legenda. Além deles, presidentes de outros partidos brasileiros, embaixadores e representantes de partidos socialistas da América Latina, além de integrantes da Coordenação Socialista Latino-Americana (CSL) participaram dos debates.

As eleições deste ano foram bastante debatidas durante os três dias do evento. Além desse assunto, foram tratados temas estratégicos para o desenvolvimento do país com questões nacionais propostas pelo partido como o Projeto Nacional de Desenvolvimento, com ênfase em política econômica e social; as novas tecnologias e mecanismos de participação popular; economia criativa como estratégia de desenvolvimento; e conjuntura nacional.

 

O segundo dia do XIV Congresso Nacional do Partido Socialista Brasileiro foi marcado por importantes debates temáticos entre os militantes da legenda. Quatro temas foram discutidos simultaneamente nos auditórios do Centro  Internacional de Convenções de Brasília (CICB), em Brasília. Um dos grupos mais movimentados foi o que discutiu a Conjuntura Nacional e as Eleições 2018. Durante o encontro, militantes, pré-candidatos e representantes dos partidos em várias estados brasileiros falaram sobre o papel que o PSB terá nas eleições 2018. O desempenho do partido no último pleito foi destacado. Em 2016, o PSB foi o terceiro partido mais votado em todo o País. Após os encontros segmentados, a legenda reuniu o conjunto de delegados no auditório central do evento para a apresentação dos encaminhamentos.

No eixo sobre eleições, o presidente Carlos Siqueira sugeriu que seja criada uma delegação, a partir deste congresso nacional, para que a deliberação sobre o posicionamento do PSB na disputa presidencial de 2018 seja discutido nessa esfera até a data das convenções partidárias, onde será decidido sobre o rumo do partido. Entre as possibilidades, a de apresentação de candidatura própria, a coligação com partidos que estejam no mesmo campo do PSB (esquerda) ou o não apoio a nenhum candidato. A sugestão foi aprovada por unanimidade. Entre os presentes na votação, o governador Paulo Câmara e o prefeito do Recife, Geraldo Julio, que fazem parte da Executiva Nacional.

Segundo o presidente nacional do PSB, a legenda já foi procurada pelo PT, PCdoB, Rede, Podemos e PSDB. Siqueira destacou que até o prazo, em agosto, muitas discussões ainda devem ocorrer. “O que pensamos é que neste momento não temos candidato natural e não descartamos a possibilidade de ter. Seria imprudente agora decidir se vamos ter candidatura própria”, afirmou. O dirigente destacou que é preciso considerar as opiniões de deputados, presidentes estaduais e membros de diretórios.

Quase quatro anos após a morte do líder maior, Eduardo Campos, o PSB refaz o caminho de volta à esquerda e poderá, a partir do congresso que está realizando em Brasília e termina sábado, vetar uma aliança com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para as eleições de outubro. A medida desagradará o vice-governador paulista, Márcio França, que tenta levar a legenda para uma aliança com os tucanos. França, inclusive, corre o risco de ver seu companheiro de chapa vaiado caso insista em levá-lo ao encontro socialista. Para a abertura do evento, quinta-feira à noite, foram convidados os presidentes de partidos amigos — PDT, PCdoB e PT. França queria levar Alckmin, mas os diretórios de Pernambuco, Piauí e Paraíba ameaçaram  colocar militantes nos arredores do Centro Internacional de Convenções do Brasil e dentro do salão para protestar contra a presença do tucano no evento.

Com a possibilidade real de o ex-presidente Lula ser impedido de disputar a eleição, o PSB acelerou as articulações para lançar um candidato único à Presidência da República do campo que ele chama de “progressista”. Nas últimas semanas, o secretário-geral do partido, Renato Casagrande, conversou com Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede), Álvaro Dias (Podemos) e Manuela d’Avila (PCdoB). O dirigente socialista diz que ficou animado com a receptividade à sua proposta. O PT, que também defende a ideia, está fora dessas negociações.

Não é sorteio. O critério proposto pelo PSB para a escolha do candidato é simples. Quem estiver melhor nas pesquisas entre maio e junho seria o nome desse “campo progressista”. O prazo legal para registro do candidato é 15 de agosto.

 Espera. O PSB convidou o ex-ministro Joaquim Barbosa para disputar a eleição presidencial pelo partido. Se ele topar e a ideia de candidatura única vingar, terá que entrar na disputa.
dez 6
sexta-feira
01 43
ENQUETE

Você acha que o brasileiro acostumou-se com a Corrupção ao longo do tempo ?

Ver resultado parcial

Carregando ... Carregando ...
PREVISÃO DO TEMPO
INDICADOR ECONÔMICO
22 USUÁRIOS ONLINE
Publicidade
  5807748 VISITAS

Facebook

Twitter

Instagram