O dólar fechou com leve alta frente ao real nesta quarta-feira (15), depois que notícias sobre a troca de comando da Petrobras (PETR4) levantaram temores de interferência política na estatal, enquanto importantes dados de inflação dos Estados Unidos (EUA) vieram um pouco abaixo do esperado, impedindo maior valorização da moeda americana.

De acordo com informações do portal InfoMoney, apesar do clima doméstico avesso ao risco, o exterior fornecia suporte ao real, e o dólar foi devolvendo gradativamente seus ganhos diante da divisa brasileira a partir das 9h30 (de Brasília), depois que dados mostraram que os preços ao consumidor dos EUA aumentaram menos do que o esperado em abril.

No entanto, durante a tarde, a moeda norte-americana voltou a registrar leves ganhos ante o real, sugerindo que o desconforto com a condução da Petrobras pelo governo ainda não havia sido superado.

O índice de preços ao consumidor subiu 0,3% no mês passado, depois de avançar 0,4% em março e fevereiro, informou o Departamento do Trabalho nesta quarta-feira. Nos 12 meses até abril, o índice teve alta de 3,4%, de 3,5% em março. Economistas consultados pela Reuters previam alta de 0,4% no mês e de 3,4% no comparativo anual.

O resultado sugere que a inflação norte-americana retomou sua tendência de queda no início do segundo trimestre, em um impulso para as expectativas do mercado financeiro de um corte na taxa de juros em setembro.

Os contratos futuros dos juros dos EUA passaram a embutir uma chance de 73% de que a primeira redução na taxa básica do Fed ocorra na reunião de setembro, acima dos 69% de antes do relatório.