A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou nesta sexta-feira (22) o novo pedido de uso emergencial feito pelo Instituto Butantan de 4,8 milhões de doses da CoronaVac, vacina contra a covid-19 desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac que será produzida no país pelo Butantan, em São Paulo. Este segundo pedido trata do envase, pelo próprio Instituto Butantan, da vacina em frasco-ampola multidose. Ou seja, as duas principais diferenças são o local de envase da vacina e o tipo de embalagem que será utilizada. A solicitação também se estende aos 46 milhões de doses ja acordados com o Ministério da Saúde, sem necessidade de nova solicitação.
Poucas horas após o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinar que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) preste informações, em até 72h, sobre a análise de um pedido de uso emergencial da vacina Sputnik V, desenvolvida pela Rússia para o combate à Covid-19, um encontro com representantes da farmacêutica União Química foi marcado. Integrantes da Anvisa se reúnem com representantes da farmacêutica União Química, responsável pela produção da Sputnik V na América Latina, nesta quinta-feira (21/1). A pauta da reunião será o pedido de uso emergencial do imunizante no país.
O governo federal lança nesta 4ª feira (20.jan.2021) a campanha publicitária “Brasil imunizado. Somos uma só nação”. As peças publicitárias ressaltam que as vacinas autorizadas pela Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária) já estão sendo distribuídas em todo o país. A campanha terá duração de 6 meses e foi criada pela agência nova/sb. O valor do contrato é estimado em R$ 50 milhões, o que faz dessa campanha uma das ações de marketing mais caras do governo de Jair Bolsonaro. Em nota, o Ministério da Saúde diz que a campanha busca “mostrar à sociedade a capacidade do país de promover a vacinação contra a covid-19”. Uma das peças que compõem a campanha é um vídeo com duração de 1 minuto no qual são apresentadas as diferenças sociais e geográficas no país e a estrutura de logística usada para a distribuição das vacinas. O filme mostra cidadãos das 5 regiões. Na 1ª cena, um sertanejo idoso tira a viola de um armário e afina as cordas do instrumento enquanto visualiza fotos com amigos, como se estivesse se preparando para revê-los.

Foto: Frank Augstein/Pool/Reuters/Arquivo

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informou hoje (16) que a reunião marcada para amanhã (17) com o intuito de avaliar os pedidos de uso emergencial das vacinas contra a covid-19 deve durar pelo menos cinco horas. Os trabalhados serão transmitidos ao vivo pela internet e vão começar às 10h.

Dois imunizantes estão na pauta da Anvisa: a CoronaVac, de origem chinesa e fabricada e desenvolvida pelo Instituto Butantan (SP); e a da Fiocruz, que é resultante de estudos da Universidade de Oxford, na Inglaterra, em parceria com o laboratório AstraZeneca.

Além da live disponibilizada pelos canais de comunicação da Anvisa, emissoras de TV anunciaram que também vão transmitir a reunião.

Responsável pela liberação de imunizantes e medicamentos no Brasil, a Anvisa, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, se reúne para analisar os dados de relatório elaborado pela área técnica sobre os dois pedidos. Após a análise, a diretoria da agência definirá, por meio de votação, se libera ou não a aplicação dos imunizantes.

A data da reunião corresponde ao último dia do prazo definido para analisar pedidos de uso emergencial de vacinas.

Caberá a cinco membros da Diretoria Colegiada da Anvisa a autorização de uso emergencial das vacinas: Antônio Barra Torres (diretor-presidente); Meiruze Sousa Freitas; Cristiane Rose Jourdan Gomes; Romison Rodrigues Mota; e Alex Machado Campos.

UOL

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta segunda-feira (11) que pode antecipar a vacinação contra o novo coronavírus no estado – prevista para ser iniciada do dia 25 – caso a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) conclua a análise do pedido de uso emergencial da Coronavac antes do prazo previsto de 10 dias. “Está mantido o prazo de 25 de janeiro. São Paulo iniciará a vacinação em 25 de janeiro e, se possível, até antes. Se houver a liberação da vacina antes, iniciaremos a vacinação antes. Aliás, é o que desejamos para todo o Brasil”, disse Doria, em entrevista à CNN Rádio. “Ao meu ver, não é o momento de a ciência burocratizar e fazer excessos de exigências de uma vacina que já se mostrou eficiente e eficaz. Nem para a vacina do Butantan, nem para a de Oxford ou nenhuma outra”, completou o governador.

O Ministério da Saúde informou ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta terça-feira (15), que o governo prevê iniciar a vacinação contra a Covid-19 em até cinco dias após o registro ou

Foto: Frank Augstein/Pool/Reuters/Arquivo

autorização das doses pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a entrega dos primeiros lotes.

Ainda de acordo com esse novo documento, a vacinação no Brasil deve ser concluída em 16 meses – quatro meses para vacinar todos os grupos prioritários  e, em seguida, 12 meses para imunizar a “população em geral”.

A informação foi entregue ao STF pela Advocacia-Geral da União (AGU) em resposta a um pedido do ministro Ricardo Lewandowski, que pediu dados complementares sobre o plano de imunização enviado ao Supremo na última sexta (11). Lewandowski é relator de duas ações sobre o tema.

No domingo (13), o ministro determinou que o ministro Eduardo Pazuello apresentasse a previsão de início e término do plano, além de detalhar suas fases de implantação.

O documento protocolado pela AGU não tem datas precisas – o governo reafirma que isso só será definido quando a Anvisa aprovar o uso das vacinas no Brasil.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estima que poderá avaliar e conceder autorização emergencial de vacinas contra a covid-19 em até 10 dias para empresas que cumpram os requisitos fixados. Esta modalidade de permissão foi estabelecida pelo órgão para permitir uma análise mais rápida em condições especiais de imunização diante do cenário de pandemia.

No início do mês, a Anvisa divulgou o guia de critérios e procedimentos para a aprovação de autorizações emergenciais para vacinas em caráter experimental contra a covid-19.

A permissão especial poderá ser fornecida para vacinas que estejam em estudo no Brasil na chamada Fase 3, em que a eficácia e a segurança são analisadas. Nesse caso, as vacinas serão destinadas a programas de governo, não podendo ser comercializadas pelas empresas que obtiveram a permissão.

Apenas as empresas que estão desenvolvendo as vacinas poderão solicitar a autorização na Anvisa. Deve ser comprovada a capacidade de fabricar ou de importar a substância. As companhias interessadas em tal alternativa deverão fazer antes uma reunião com a equipe da Anvisa, que é chamada de “pré-submissão”. Será preciso também já ter aprovado na Anvisa um dossiê de desenvolvimento clínico.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) decidiu nesta quinta-feira (10) conceder autorização temporária de uso emergencial, em caráter experimental, de vacinas contra a Covid-19 e estabeleceu regras para que empresas solicitem a autorização.

Na prática, a medida abre caminho para que empresas possam fazer esse pedido de emergência. “A autorização de uso emergencial é um mecanismo que pode facilitar a disponibilização e o uso das vacinas contra Covid-19, ainda que não tenham sido avaliadas sob o crivo do registro, desde que cumpram com os requisitos mínimos de segurança, qualidade e eficácia”, disse Alessandra Bastos Soares, diretora da Anvisa.

Governadores declararam, hoje, após reunião com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que vacinas contra a Covid-19 que conseguirem registros em agências internacionais poderão ser liberadas para uso emergencial no Brasil. Segundo os governos estaduais, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) terá 72 horas para se manifestar sobre essa liberação. O prazo já é previsto em uma lei aprovada em fevereiro (veja detalhes abaixo) e relacionada ao estado de calamidade pública, decretado em razão da pandemia do novo coronavírus. Na reunião desta terça, os gestores disseram ter firmado esse acordo diretamente com o governo federal. Segundo o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), a Anvisa terá 72 horas, como prevê a lei, para se manifestar sobre essa liberação. Caso a resposta não seja dada, a autorização excepcional estará concedida.
O Brasil alcançou a previsão de acesso a 142,9 milhões de doses de vacina contra covid-19 em acordos contratuais, informou o Ministério da Saúde neste domingo (22). Na última semana, a pasta realizou encontros com cinco laboratórios farmacêuticos que desenvolvem vacinas – Pfizer, Janssen, Bharat Biotech, Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) e Moderna. Os acordos foram complementadas reuniões realizadas entre os técnicos do governo e os representantes dos laboratórios. Os laboratórios já aderiram ou estão pleiteando adesão ao consórcio internacional de vacinas (Covax Facility).
A retomada dos testes da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford em voluntários brasileiros foi autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) após o recebimento de documentos dos órgãos britânicos. Em entrevista à CNN, o diretor-presidente da agência, Antônio Barra, disse que o Brasil prioriza a qualidade, eficácia e segurança do imunizante — e não o país fabricante. “Nós temos equipes altamente capacitadas que têm acompanhado todos os protocolos de desenvolvimento, são quatro em vigor no Brasil. Para nós, pouco importa a nacionalidade [da vacina], e sim qualidade, eficácia e segurança”, afirmou.

A Mauricio de Sousa Produções e o Centro de Pesquisa em Alimentos da Universidade de São Paulo (FoRC/USP) desenvolveram uma cartilha ilustrada com os personagens do Bairro do Limoeiro, da Turma da Mônica, para estimular e orientar o uso correto de máscara de proteção diante a pandemia do novo coronavírus. O material têm como base as orientações da ANVISA.

A cartilha “Como usar máscara para se proteger do coronavírus” apresenta instruções para o uso de máscaras descartáveis e as de pano reutilizáveis estão didaticamente detalhadas para que todos possam se proteger da melhor forma possível.

Em muitas localidades, o uso da máscara se tornou obrigatório, seja em estabelecimentos comerciais ou no transporte público e privado. Essa proteção facial é de extrema importância, pois evita que gotículas suspensas no ar – quando pessoas infectadas tossem, espirram ou simplesmente conversam – se espalhem. Por isso, Cebolinha, Jeremias, Milena, Magali e Mônica, todos devidamente protegidos usando máscara, mostram de uma forma fácil os cuidados básicos para manipular esse item.

A venda de máscaras de proteção de uso não  profissional – as máscaras de tecido – podem ser comercializadas em farmácias e drogarias, de acordo com a Agência de Saúde e Vigilância (Anvisa). A medida visa facilitar o acesso da população ao produto, reforçando o enfrentamento da pandemia provocada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2).

A regra está valendo desde o dia 11 de maio, quando ocorreu a votação pela Diretoria Colegiada do órgão, que aprovou por unanimidade a medida. A agência informa que já encaminhou um ofício circular sobre a decisão para as Vigilâncias Sanitárias dos estados e municípios e do Distrito Federal (DF).

As máscaras de uso não profissional não são enquadradas como produtos para saúde para fins regulatórios. A Agência enquadra nessa categoria equipamentos de proteção individual destinados a profissionais de saúde, como máscaras cirúrgicas, luvas e aventais cirúrgicos.

Entretanto, as máscaras de tecido atuam como barreiras físicas, contribuindo para a saúde pública com a redução da propagação do novo coronavírus. Podem colaborar, ainda, para a redução do risco de infecções no contexto da pandemia.

A Anvisa reforça que o uso de máscaras de tecido deve ser adotado juntamente com outras medidas, especialmente a redução do contato social, a higienização das mãos e a proteção do nariz e da boca ao tossir e espirrar.

Farmácias e drogarias de todo o país vão poder oferecer o serviço de vacinação a clientes. A possibilidade foi garantida em resolução aprovada ontem (12) pela diretoria colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O serviço já era regulamentado em alguns estados, como São Paulo, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais e Distrito Federal. Com a decisão, que será publicada no Diário Oficial da União nos próximos dias, ela será estendida às demais unidades da federação.
21
dez

@ @ É NOTÍCIA … @ @

Postado às 21:42 Hs

  • A Anvisa concedeu o registro para o primeiro teste que permite o diagnóstico simultâneo para os vírus da zika, dengue e chikungunya, desenvolvido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O chamado Kit ZDC funciona por PCR — detecção de segmentos de material genético do vírus — e o resultado sai no mesmo dia. Segundo a Fiocruz, os primeiros lotes que irão ao Sistema Único de Saúde (SUS) já estão sendo produzidos, e as entregas serão feitas conforme demanda do Ministério da Saúde.
  • O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse hoje (21) que ainda não decidiu se irá disputar a Presidência da Casa para um mandato de dois anos. Ele disse que só deverá decidir sobre a candidatura em janeiro após avaliações políticas junto ao seu partido e a deputados. Na opinião dele, não há impedimento legal para que ele dispute a reeleição. Ele disse que não está escrito na Constituição que quem cumpre mandato tampão não pode ser candidato à reeleição. Maia elogiou o parecer apresentado ontem (20) pelo deputado Rubens Pereira Junior (PCdoB-MA) à consulta feita à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara sobre se há impedimento para um integrante da Mesa Diretora da Casa, que tenha sido eleito para um mandato tampão, ser candidato à reeleição. No parecer, Rubens Junior disse que nesse caso não há impedimento.
  • O presidente Michel Temer (PMDB) vai apresentar nesta quinta-feira (22) os detalhes de uma Medida Provisória que vai promover uma minirreforma trabalhista. A mudança vai aumentar a jornada diária de oito para 12 horas, com limite mensal de 220 mensais. A MP permite a prevalência dos acordos coletivos sobre a legislação específica. Após a Medida Provisória, será possível também parcelar o período de férias em até três vezes, com pagamento proporcional, e o pagamento da participação nos lucros. Temer vai anunciar também a autorização de saque de até R$ 1 mil de contas inativas do FGTS com saldo de até dez salários mínimos, no próximo ano. A equipe do governo avalia que essa medida vai representar uma injeção de R$ 30 bilhões na economia, no momento em que a dívida das famílias é de R$ 70 bilhões.
  • Beneficiários do Programa Bolsa Família já podem consultar o calendário de pagamentos para 2017. O benefício é pago nos últimos 10 dias úteis de cada mês, de forma escalonada. Em janeiro, por exemplo, os benefícios serão pagos entre os dias 18 e 31. Os recursos ficam disponíveis para saque durante 90 dias. Só em dezembro deste ano, o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário repassou R$ 2,4 bilhões para mais de 13,5 milhões de famílias de baixa renda em todo o país.
  • A partir de 1º de janeiro de 2017, os valores do prêmio tarifário do Seguro DPVAT cobrados de motoristas e motociclistas serão reduzidos, conforme resolução da Superintendência de Seguros Privados (Susep) publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira. A redução dos valores abrange dez categorias de veículos. Para automóveis particulares e táxis, por exemplo, o prêmio cairá de R$ 101,10 para R$ 63,69. Para motos, o valor passará de R$ 286,75 para R$ 180,65 e para ônibus, de R$ 390,84 para R$ 246,23
  • O verão começou oficialmente às 8h44 desta quarta-feira (21) e vai até o dia 20 de março de 2017, às 7h29 (horário de Brasília). O meteorologista Alexandre Nascimento, do Climatempo, diz que o verão de 2017 terá predomínio de temporais e temperaturas mais amenas em relação aos anos anteriores. “A situação será muito diferente dos últimos anos, quando o Brasil teve graves problemas por causa da falta de chuva no verão. Já está chovendo e está bem menos quente do que em 2015 e 2014”, informa o Climatempo.
  • A Operação Vertente deve ser ampliada com recursos do Ministério da Integração Nacional. O compromisso foi firmado esta semana, em Brasília, durante reunião do coordenador estadual da Defesa Civil, Elizeu Dantas, com o secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, Renato Newton Ramlow, e o diretor do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos de Desastres, Élcio Barbosa. Elizeu Dantas explicou que o recurso será liberado por partes, sendo a primeira parcela, no valor de R$ 6 milhões, repassada em janeiro de 2017. Atualmente, uma média de 150 mil pessoas são atendidas pela Operação Vertente em 13 cidades do Seridó e do Alto Oeste Potiguar, sendo elas: Jardim de Piranhas, Timbaúba dos Batistas, Acari, Carnaúba dos Dantas, Alexandria, Luís Gomes, Caicó, Antônio Martins, Pilões, João Dias, Tenente Ananias, Paraná e São Miguel.
04
jul

Saiba mais…

Postado às 12:19 Hs

Rótulos deverão indicar presença de alergênicos a partir de hoje…

Embalagens de comidas e bebidas terão de trazer informações sobre a presença de substâncias que comumente causam alergias. Resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), aprovada em junho do ano passado, obriga a indústria alimentícia a a informar nos rótulos a presença dos principais alimentos que levam a alergias alimentares. O prazo para que a indústria se adequasse à norma foi de um ano. A iniciativa foi aprovada após intensa mobilização de pais e mães que enfrentam dificuldades em identificar quais alimentos seus filhos podem consumir. As famílias criaram, em 2014, a campanha Põe no Rótulo, para dar visibilidade à demanda.

Segundo a resolução da Anvisa (RDC 26/2015) – que abrange alimentos e bebidas –, os rótulos deverão informar a existência de dezessete substâncias: trigo (centeio, cevada, aveia e suas estirpes hibridizadas), crustáceos, ovos, peixes, amendoim, soja, leite de todos os mamíferos, amêndoa, avelã, castanha de caju, castanha do Pará, macadâmia, nozes, pecã, pistaches, pinoli, castanhas, além de látex natural. Com isso, os produtos que contenham esses ingredientes devem trazer uma das seguintes informações: “Alérgicos: Contém (nomes comuns dos alimentos que causam alergias alimentares)”, “Alérgicos: Contém derivados de (nomes comuns dos alimentos que causam alergias alimentares)” ou “Alérgicos: Contém (nomes comuns dos alimentos que causam alergias alimentares) e derivados”.

Já nos casos em que não for possível garantir a ausência de qualquer alérgeno alimentar não adicionado intencionalmente, o rótulo deve trazer a declaração “Alérgicos: Pode conter (nomes comuns dos alimentos que causam alergias alimentares)”. A medida vale para produtos fabricados a partir de hoje. Os que foram fabricados antes e estiverem em circulação, podem continuar sendo comercializados até o final do prazo de validade.

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Recursos Genéticos e Biotecnologia realiza os últimos testes toxicológicos da nova geração de um bioinseticida capaz de matar as larvas do mosquito Aedes aegypti, transmissor de dengue, chikungunya e zika, sem prejudicar a saúde das pessoas e dos animais domésticos. Chamado Inova-Bti, o produto foi desenvolvido em parceria com o Instituto Matogrossense do Algodão (IMA) e poderá ser um importante aliado na eliminação do inseto. O Inova-Bti é um líquido que pode ser adicionado em qualquer lugar que acumule água ou tenha potencial para ser um criadouro do Aedes aegypti. Causa a morte apenas das larvas e não do mosquito adulto e não é tóxico a pessoas nem a animais domésticos. Além disso, é de fácil aplicação e pode ser manuseado pela própria população. Todos os testes laboratoriais e de eficácia já foram concluídos pela Embrapa. Mas, antes de ser comercializado, o produto precisa ser registrado junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
17
jan

FIQUE SABENDO…

Postado às 9:29 Hs


# # Michael Schumacher, uma incógnita

Mesmo sendo ídolo na Alemanha, a imprensa do país já teme que Michael Schumacher esteja em uma situação irreversível. Para a revista “Focus” especialistas disseram que o ex-piloto “pode ficar em coma para sempre”. Já o jornal britânico Daily Mail, afirmou que o silêncio da equipe médica e da assessoria de Schumi leva muitos “a temer pelo pior”. Em entrevista ao jornal “The Times”, o especialista em lesões cerebrais do Hospital de Londres, Dr. Richard Greenwood, opinou que “se Schumacher sobreviver, ele não será mais Schumacher”. “Ele será um Zé Ninguém. Sua reabilitação só será eficaz se ele aceitar a nova realidade. É um processo difícil para as pessoas. Elas precisam aprender a conviver com suas limitações, com o fato de que mudaram”, disse. “Basicamente, o cérebro precisa receber constantemente a quantidade adequada de oxigênio e nutrientes. O futuro de Schumacher? Uma longa, longa estrada. Meses, pelo menos. A curto prazo, o anestésico que é administrado a ele deverá ser atenuado quando a pressão intracraniana ficar normal e estável. Esse é o próximo grande passo”, concluiu. (Yahoo/Esporte interativo)

# # Medicamentos ainda mais baratos…

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vai colocar nesta semana em consulta pública uma resolução que concede aos medicamentos similares o mesmo status de genéricos. A mudança vai permitir que o farmacêutico indique o produto como substituto ao remédio de marca para o consumidor. Atualmente, essa possibilidade, chamada intercambialidade, é permitida apenas para os genéricos. Com a medida, a ideia é ampliar a concorrência e, em consequência, reduzir o preço dos produtos. Medicamento genérico:a mudança na classificação do remédio será precedida de uma revisão de preços pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED). O anúncio da nova política foi feito hoje pelo Ministério da Saúde.Medicamento inovador cuja eficácia, segurança e qualidade foram comprovadas cientificamente por estudos clínicos. Precisa ter rigorosamente as mesmas características e efeitos dos itens de marca, que devem ser comprovados por testes científicos.

# # Ranking da FIFA

Conforme já era esperado, o ranking da Fifa foi atualizado nesta quinta-feira sem trazer maiores novidades depois da pausa de final de ano e o período de descanso para a grande maioria das seleções do mundo. Neste cenário, o Brasil se manteve na décima posição na classificação geral, mesmo posto que ocupava na atualização anterior da listagem, em dezembro. A Espanha segue líder, com 1.507 pontos, com boa vantagem sobre a vice-líder Alemanha, que contabiliza 1.318. Argentina, Colômbia, Portugal, Uruguai, Itália, Suíça e Holanda completam, nesta ordem, o grupo dos nove mais bem colocados no Top 10. Não houve alterações de posições no grupo dos 25 primeiros, sendo que apenas 18 amistosos foram levados em conta para atualização do ranking de janeiro.

# # Jogar Tudo para reeleger Dilma

O ministro da Secretaria-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, fiel escudeiro do ex-presidente Lula, disse ontem, no Recife, que, nas horas vagas, os ministros da presidente Dilma Rousseff (PT) vão “jogar com tudo” para reeleger a petista. A declaração foi dada logo após ele participar do 3º Congresso da Juventude Rural – Terra, pão e dignidade, realizado no Parque de Exposições do Cordeiro. O empenho petista, segundo ele, se dá porque a sigla considera fundamental a reeleição da presidente, “para a continuidade desse projeto (do partido) no país”. Carvalho desconversou ao ser questionado sobre a nota postada na página oficial do PT no Facebook, semana passada, com ataques ao governador Eduardo Campos (PSB). Depois de dizer que considerou o conteúdo lastimável, o ministro garantiu que a nota não representa o pensamento do partido. Apesar disso, ressaltou que “na hora certa” o debate político acontecerá, mas sem desconstruir a imagem de quem, como Eduardo, “foi aliado até ontem”.

fev 28
domingo
22 04
ENQUETE

Você acha que o brasileiro acostumou-se com a Corrupção ao longo do tempo ?

Ver resultado parcial

Carregando ... Carregando ...
PREVISÃO DO TEMPO
INDICADOR ECONÔMICO
117 USUÁRIOS ONLINE
Publicidade
  5.859.901 VISITAS