O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) encontrou indícios irregularidades no valor de R$ 60 milhões nas prestações de contas de candidatos às eleições municipais deste ano. A informação faz parte de uma investigação realizada pelo núcleo de inteligência da Justiça Eleitoral.

A maior parte das irregularidades envolve doações feitas por pessoas que não têm emprego formal. Nesse caso, houve 9.068 casos que somaram R$ 33 milhões. Também foram registrados R$ 17 milhões em repasses incompatíveis com a renda e 15 doadores que aparecem como falecidos em um sistema de controle de óbitos.

O TSE também encontrou 1.289 prestadores de serviços que são beneficiários do Bolsa Família, além de 1.227 doadores que recebem outros benefícios sociais do governo. 925 empresários que são parentes de candidatos receberam R$ 1,6 milhão das campanhas.

As irregularidades encontradas pelo grupo inteligência da Justiça Eleitoral serão enviadas para providências dos tribunais regionais eleitorais e do Ministério Público.

O grupo é composto por representantes do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), Receita Federal, Tribunal de Contas da União (TCU), Ministério da Cidadania, entre outros.

Agência Brasil

Rodrigo Maia vai rejeitar os impeachments de Temer e sinaliza estar fechado com Dória. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou em entrevista ao ‘O Estado de S. Paulo’ que vai rejeitar todos os 25 pedidos de impeachment contra o presidente Michel Temer que estão parados em sua gaveta. Segundo a sua argumentação, após ter sido leal a Temer nas duas denúncias, não faz sentido atuar agora contra o governo. Maia também disse que o presidente tem que “agradecer muito” pelo fato de ele não ter agido para derrubá-lo do Palácio do Planalto.
O Congresso Nacional promulgou, em sessão solene hoje, a Emenda Constitucional que cria uma cláusula de desempenho, a partir de 2018, para as legendas terem acesso ao Fundo Partidário e ao tempo gratuito de rádio e TV. O texto também prevê o fim das coligações proporcionais, a partir das eleições de 2020. A alteração à Constituição foi aprovada nesta terça-feira (3) pelo Senado. As votações dos dois turnos da proposta na Casa aconteceram em menos de 30 minutos. Na semana passada, o texto havia sido aprovado pela Câmara.A classe política tem pressa na aprovação de novas regras eleitorais. Isso porque, para valerem em 2018, as modificações precisam passar pelo Congresso até a próxima sexta-feira (6), um ano antes das próximas eleições. Com a promulgação, a cláusula de desempenho eleitoral para acesso de partidos a recursos do Fundo Partidário e ao tempo gratuito de rádio e TV valerá a partir das eleições de 2018. A emenda tem origem no Senado, onde foi aprovada em 2016. No entanto, durante análise na Câmara, os deputados promoveram mudanças e flexibilizaram o texto, o que levou o projeto para uma nova análise dos senadores.
19
jun

* * * Quentinhas … * * *

Postado às 14:56 Hs

* * * O Rio Grande do Norte emplacou duas universidades na lista das 50 melhores instituições de ensino superior do País. As instituições constam no Índice Geral de Cursos (IGC) referente ao ano de 2015. O indicador divulgado pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC), avalia as instituições de ensino superior de todo o País. A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Ufrn) aparece na 25ª posição do ranking. Já a Universidade Federal Rural do Semi Árido (Ufersa) aparece na 32ª posição. O Rio Grande do Norte aparece ainda em posição de destaque na lista de centros universitários que é encabeçada pela Facex, de Natal. * * *

* * * O Fundo Partidário já distribuiu mais de R$ 2,1 bilhões aos 35 partidos brasileiros desde que os eleitos no pleito de 2014 tomaram posse. Em 2015, o valor distribuído aos partidos chegou a R$ 8,45 por voto obtido nas urnas ou 60% mais que os € 1,42 (R$5,26) pagos na França, berço da democracia moderna. A principal diferença, porém, não é o valor, mas os requisitos de desempenho eleitoral para pôr a mão na grana. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder. Na França, os partidos precisam ter 1% dos votos em 50 circunscrições para receberem dinheiro e mais € 37 mil/ano (R$137 mil) por deputado. Por aqui, antes mesmo de disputar uma eleição os partidos já recebem, mas a divisão é de acordo com a bancada na Câmara dos Deputados. Campeões nas urnas, em 2014, PT, PSDB e PMDB embolsaram mais de R$ 636 milhões do Fundo, quase o orçamento do STF para 2017. riados depois de 2014 e, portanto, sem eleger sequer um deputado, Rede, PMB e Novo receberam R$ 10,6 milhões desde a fundação. * * *

* * * A posse do promotor de Justiça Eudo Rodrigues Leite no cargo de procurador-geral de Justiça do Ministério Público do Rio Grande do Norte será na segunda-feira (19), às 19h, no auditório da Escola de Governo Dom Eugênio Sales, no Centro Administrativo. A solenidade acontece durante sessão extraordinária e solene do Colégio de Procuradores de Justiça do MPRN, que marca a transmissão do cargo do atual procurador-geral de Justiça Rinaldo Reis Lima para o procurador-geral de Justiça eleito e nomeado Eudo Rodrigues Leite. O promotor de Justiça Eudo Rodrigues foi o mais votado em eleição para lista tríplice realizada em meados do último mês de abril e nomeado pelo governador do Estado no início de maio para exercer o cargo de PGJ no biênio 2017/2019. O empossando é titular da 22ª promotoria de Justiça da comarca de Natal, com atribuições também na defesa do patrimônio público assim como Rinaldo Reis, que comandou o MPRN nos últimos quatro anos, com mandato inicialmente para o biênio 2013/2015, sucedendo o então procurador-geral de Justiça Manoel Onofre de Souza Neto, e depois reconduzido para o cargo no biênio 2015/2017. * * *

Já há conversas adiantadas para que a eventual candidatura presidencial do prefeito de São Paulo, João Doria, seja bancada por uma chapa formada por PSDB, PMDB, PSD e DEM, segundo a Coluna do Estadão.

O sonho de consumo de aliados próximos do prefeito é atrair o apoio do PSB para a vaga de vice. O nome do partido considerado ideal para o posto é o de Renata Campos, viúva do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos.

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), fugiu do tom até então habitual em suas declarações quando questionado sobre a sucessão de 2018, e disse, em Nova York, que o candidato de seu partido à Presidência será “aquele que a população desejar”.

“O PSDB não vai fugir dessa missão. Será candidato do PSDB aquele que tiver melhor posição perante a opinião pública. Aquele que representa o interesse popular. Para ser competitivo, para vencer as eleições, vencer o PT, vencer o Lula”, afirmou.

Habitualmente, Doria vinha sempre defendendo a candidatura de Geraldo Alckmin, seu padrinho político, fragilizado após delatores da Odebrecht o acusarem de receber caixa 2.

Doria, que tem tido o nome cada vez mais citado como possível candidato ao Planalto, é o tucano mais bem posicionado, ainda que dentro da margem de erro, em pesquisa Datafolha divulgada em abril. Ele chega a 9% das intenções, contra 6% do governador.

23
abr

Eleições na França

Postado às 12:22 Hs

França vota em eleição mais acirrada do pós-guerra e sob impacto do terror.

Dias depois de um novo atentado terrorista, a França chega neste domingo, 23, à eleição presidencial mais acirrada e imprevisível da 5.ª República. Nunca, nos últimos 60 anos, quatro candidatos estiveram tão próximos uns dos outros às vésperas do primeiro turno e qualquer projeção para o segundo turno é arriscada. Analistas acreditam que a ação reivindicada pelo Estado Islâmico na Avenida Champs-Elysées agrega ainda mais incerteza.

O quadro de indefinição foi captado por todas as pesquisas de opinião nas últimas três semanas, desde a forte ascensão do candidato radical de esquerda Jean-Luc Mélenchon, do movimento França Insubmissa.

Por ter roubado votos dos dois favoritos, o social-liberal Emmanuel Macron, da recém-criada legenda En Marche! (Em Movimento), e a nacionalista Marine Le Pen, da Frente Nacional, seu crescimento nas sondagens embolou a disputa pelos quatro primeiros lugares, que conta ainda com o conservador cristão François Fillon, do partido Republicanos.

Com certeza teremos um segundo turno…

30
ago

Agenda

Postado às 3:07 Hs

6h30 – Panfletagem em frente ao Campus Central da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN);

9h – Visita à sede da Ordem dos Advogados do Brasil em Mossoró (OAB-Mossoró);

11h – Panfletagem em frente ao Campus Central da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA);

15h – Gravação do Programa Eleitoral;

18h – Panfletagem em frente ao Campus de Mossoró da Universidade Potiguar (UnP);

Com o intuito de dificultar fraudes na criação de partidos políticos, o Tribunal Superior Eleitoral aprovou uma resolução de dezembro que colhe, em um banco de dados, informações sobre os apoiadores das novas siglas.

Segundo informações da Folha de S.Paulo, a Justiça Eleitoral planeja fazer cruzamentos de dados que previnam a duplicidade de assinaturas e a dupla filiação partidária, algo que é proibido.

A Justiça Eleitoral quer fazer cruzamentos para checar a duplicidade de assinaturas e verificar se o eleitor já é filiado a partido político, o que é proibido.

Hoje, domingo, dia de eleição, dia de festa democrática na Argentina, povo nas ruas, principalmente em Buenos Aires, que concentra quase 40% do eleitorado, última etapa dos candidatos buscando os votos nas urnas. São três os principais candidatos, de acordo com os institutos de pesquisas, acentuam as repórteres Mariana Carneiro e Sílvia Colongo, Folha de São Paulo, sexta-feira. Todos se afirmam peronistas: Daniel Scioli, apoiado por Cristina Kirchner, Maurício Macri, também peronista, porém moderado, que conta com o apoio do antiperonismo, e Sérgio Massa, peronista ortodoxo, frontal adversário da atual presidente. As pesquisas convergem quanto às colocações, mas divergem em relação aos percentuais registrados para cada um. O Poliarquia aponta 37 para Scioli, 26 para Macri, 20 pontos para Massa. O Managent Fit assinala 34 para Scioli, 25 para Macri, 17% para Sérgio Massa. E o Giacobe Associados aponta Scioli atingindo 40, Macri 28 e Massa com 20% das intenções de voto. Portanto para Giacobe, Scioli venceria no primeiro turno, uma vez que atingiria 40 pontos com uma diferença e mais de dez degraus para o segundo colocado. Vamos ver qual deles mais acerta.

Por Carlos Chagas  

Quando o Lula declara não poder dizer se será ou não candidato à presidência da República, em 2018, na realidade está dizendo que hoje, não seria. Amanhã, só se o vento virar. O ex-presidente tem consciência de que o PT, Dilma, e ele próprio perderam a confiança nacional. Fossem as eleições na próxima semana e nem o segundo lugar Lula conquistaria, tamanha a rejeição popular causada pela lambança encenada no governo. Lançar-se para perder, o primeiro-companheiro não admite.

Prefere ficar entre o triplex quase pronto no Guarujá, o sítio que frequenta bissextamente e uma ou outra viagem ao exterior que as empreiteiras se arrisquem a proporcionar-lhe. Aceitará convites de sindicatos e associações ligadas ao PT para sinalizar que está vivo, mas concorrer outra vez parece por enquanto fora de seus planos. Mesmo mantendo aberta uma fresta de janela, não arriscará. Três anos e picos são muito tempo.

Se porventura afastada a hipótese de o ex-presidente concorrer, obviamente para não perder, importa menos saber quem o PT convocará para o sacrifício, se Jacques Wagner, Aloysio Mercadante, Rui Falcão ou qualquer outro condenado ao papel de figurante. É para o lado de lá que as atenções devem voltar-se. Aécio Neves, Geraldo Alckmin ou José Serra compõem um elenco sem surpresas, ainda que preparando-se para embates violentos entre eles. Correndo por fora, Marina Silva e, outra vez posicionado, Ciro Gomes.

Do lado oposto da cerca, Joaquim Barbosa, Sergio Moro, Rodrigo Janot e que novos modelos pouco ortodoxos poderiam ser pinçados?

NÃO HÁ MENSAGENS

De todo esse raciocínio sem maior expressão, conclui-se pela ausência de um candidato capaz de despertar esperanças e expectativas, por razão muito simples: nenhum dos nomes referidos, a começar pelo Lula, dispõe de mensagem, programa ou contingente organizado capaz de empolgar os eleitores. Nada de novo no front, além de velhas trincheiras cavadas em árido terreno. Partidos capengas e carentes de personalidade misturam-se sem ensejar à sociedade um rumo alternativo. Nada que empolgue ou aponte um saída para a amorfa, insossa e inodora realidade. Equivalem-se os candidatos pela falta de opções. Ao eleitor, ao menos por enquanto, resta dar um pelo outro e não querer volta.

A Câmara dos Deputados rejeitou nesta quarta-feira (10), ao analisar a proposta de reforma política, instituir eleições gerais, simultâneas, para todos os cargos eletivos. Com a derrubada da chamada “coincidência de mandatos” fica mantida a regra atual, pela qual a escolha de presidente, senador, deputado federal, deputado estadual e governador ocorre no mesmo ano e, dois anos depois, se dá a eleição para prefeito e vereador.

Antes o plenário aprovou fixar em cinco anos o mandato para todos os cargos eletivos- presidente, governador, prefeito, senador, deputado federal, deputado estadual e vereador. A ampliação de quatro para cinco anos é uma maneira de “compensar” o fim da reeleição para mandatos do Executivo, aprovado em 28 de maio pelo plenário.

Os deputados ainda debaterão se instituem uma regra de transição para que os cinco anos de mandato não tenham efeito nas próximas eleições (2016 para prefeito e 2018 para presidente), mas sim nas subsequentes. Atualmente o mandato de senador é de oito anos enquanto os demais cargos eletivos têm mandato de quatro anos.

Para os defensores da medida, o mandato de cinco anos em cargos do Executivo é necessário para implantar e consolidar programas e políticas públicas, caso seja confirmada a proibição de dois mandatos consecutivos para presidente da República, governador e prefeito. O tamanho do mandato é um dos tópicos da reforma política, que começou a ser votada em plenário no final de maio. ( Agências de Notícias )

 

Nas próximas eleições, deputados e vereadores poderão ser eleitos pelos votos reais que tiveram, por captação pessoal, e não pelo chamado voto proporcional, que é apurado com a soma de todos os votos dados a um partido.

O presidente da Comissão Especial da Reforma Política, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), quer esta mudança, Ele defendeu hoje a eleição de deputados federais pelo sistema majoritário, o chamado “distritão”, em que cada estado é transformado em um distrito e os candidatos mais votados estão automaticamente eleitos.

“Apesar de ser do DEM, concordo com a ideia defendida pelo PMDB, de que o ‘distritão’ é um passo a frente”, disse Maia, durante seminário promovido pela comissão especial, na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, para debater com parlamentares, especialistas, autoridades e a população temas relacionados à reforma política.

Presente ao seminário, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, reforçou o compromisso de votar a reforma política até o fim de maio.(Do blog de Renato Riella)

Reportagem de Renato Onofre e Tiago Herdy, O Globo de segunda-feira 20, focalizou bem o clima que envolveu o debate entre Dilma Rousseff e Aécio Neves, na noite de domingo na Rede Record. Foi marcado por um tom menos agressivo que o dos anteriores, na Bandeirantes e no SBT, provavelmente porque especialistas realizaram pesquisas junto aos que não decidiram em quem votar chegaram à conclusão que esse setor preocupa-se mais com a objetividade dentro de uma atmosfera civilizada. Tal atmosfera exige serenidade, pelo menos na postura, no tom de voz, na aparência enfim. Vamos esperar que se repita no confronto decisivo, esta semana na Globo. O nível de audiência será muito alto, sem dúvida, abrindo uma oportunidade para que a discussão dos temas que, no fundo, mais motivam o eleitorado – saúde, segurança, saneamento, transporte, mercado de trabalho incluindo o nível de emprego, sejam abordados de forma concreta, com os candidatos citando os recursos necessários às melhorias que anunciam e sobretudo a forma de obtê-los.
20
out

Saiba Também…

Postado às 10:11 Hs

# Vidente confirma vitória de Aécio

O vidente Carlinhos de Apucarana, durante a Copa do Mundo previu tudo o que aconteceu com a seleção brasileira, inclusive a goleada da Alemanha sobre o Brasil. Depois de esgotar o assunto Copa, a TV de Apucarana (Paraná) então perguntou quem iria ganhar a eleição. E o vidente respondeu da cara: “Aécio Neves”.

# Nova pesquisa Ibope /RN

O instituto Ibope registrou neste domingo (19) a segunda pesquisa para saber a intenção de voto do eleitor potiguar no segundo turno. A pesquisa foi contratada pela InterTV Cabugi pelo valor de R$ 50,3 mil e registrada com o número de protocolo RN-00046/2014. Serão realizadas 812 entrevistas no período de 19 a 24 de outubro. A previsão é que a divulgação seja feita na sexta-feira, dia 24.

# Resultados

O Tribunal Superior Eleitoral já avisou que as primeiras parciais de votação para presidente da República, no dia 26, só serão divulgadas a partir das 20h, já que entrou em vigor o horário de verão. O eleitor deve também ficar atento ao horário de votação. E haja coração…

# Base parlamentar

Aécio Neves começou a contar as peças para montar sua base parlamentar caso se eleja presidente no domingo. Ele partirá de quase 200 dos 513 deputados, somando as novas bancadas de sua coligação e dos partidos que apoiaram Marina Silva no primeiro turno. O tucano quer fortalecer dois núcleos, em torno de PSDB e PSB, para reduzir a dependência das siglas que hoje apoiam Dilma Rousseff. No sábado, em Porto Alegre, ele falou em governar com o ‘lado bom’ do PMDB. As informações são de Bernardo Mello Franco, na edição desta segunda feira do jornal Folha de S.Paulo. Diz ainda o colunista que o grupo aecista trabalha com a ideia de formação de blocos e fusões partidárias em torno de PSDB e PSB. Nos dois casos, seria possível montar núcleos maiores que o PMDB, que terá 66 deputados. ‘Uma eventual vitória tucana deve atrair de imediato dois partidos da base de Dilma: o PSD, de Gilberto Kassab, e o PP, que controla o Ministério das Cidades. Somarão 73 deputados. No PP, um triunfo de Aécio poderá devolver o comando da sigla ao senador Francisco Dornelles (RJ), primo do presidenciável.’

# Debate morno

A presidente Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) baixaram o tom no penúltimo debate antes do segundo turno das eleições, depois de um confronto bastante agressivo na última quinta-feira, procurando usar desta vez suas propostas como munição contra o adversário. No duelo de domingo, realizado pela TV Record, a presidente insistiu em comparar os 12 anos de governo do PT com o período de governo federal do PSDB, enquanto o tucano lançou uma série de críticas aos quatro anos da petista no comando do país. No lugar episódio em que Aécio foi parado por uma blitz da Lei Seca ou de acusações de que o irmão de Dilma foi um funcionário fantasma da prefeitura de Belo Horizonte, temas que marcaram o debate anterior, dessa vez os presidenciáveis preferiram tratar de assuntos como gestão pública e economia. As denúncias de irregularidades na Petrobrás, no entanto, voltaram a ser um dos pontos dominantes, ainda que Aécio não tenha centrado tanto fogo nesta questão como em encontros anteriores. Só resta agora o da Rede Globo nesta 5ª feira dia 23.

17
out

Liderados pelo Povo pela cidade…

Postado às 8:22 Hs

Campanhas de Robinson e Dilma movimentam três bairros em Mossoró

 

A quinta-feira, 16, foi movimentada para as campanhas de Robinson 55 e Dilma 13 em Mossoró. Três agendas foram executadas de forma sequencial, mobilizando grande parte da cidade.

Logo às 18h30, o PT reuniu a militância nos bairros Parque das Rosas e Nova Vida, terminando com uma reunião de calçada na residência de dona Damiana Domingos. Às 19h30, o encontro foi nos Paredões, na casa do líder comunitário Jailson, conduzido pelo vereador Jório Nogueira.

A última reunião da noite foi na Ilha de Santa Luzia, na casa de dona Lourdinha, sob a organização do empresário Rútilo Coelho. Em todas elas a presença da população confirmando o voto no 55 e no 13 mostra que a vitória no segundo turno será ainda maior.

Para o prefeito Francisco José Júnior, coordenador regional da campanha, essas reuniões são fundamentais porque mostram a cara desse governo. “Estamos visitando os bairros de Mossoró desde o início do ano, conversando com lideranças, ouvindo os problemas e discutindo soluções. É esse o jeito PSD/PT de governar”, destacou.

09
out

Robinson em Mossoró…

Postado às 15:18 Hs

O candidato a governador Robinson Faria (PSD), a senadora eleita Fátima Bezerra (PT) e o prefeito Francisco José Júnior (PSD), oficializam nesta sexta-feira, 10, o início da campanha da vitória neste segundo turno do pleito estadual.

Robinson chega a Mossoró às 18h, onde estará disponível para conceder entrevista coletiva à imprensa na sede do Comitê 55, localizado na rua Raimundo leão de Moura, 1100, Nova Betânia, em frente a loja Tressê.

Depois de atender aos jornalistas, o candidato a governador fala para a militância 55. Em seguida, sai em carreata pelas ruas da segunda maior cidade do Rio Grande do Norte, onde aproveitará para agradecer a grande vitória conquistada no primeiro turno, que lhe garantiu maioria de 23 mil votos, e reforçar a importância do projeto da Liberdade.

 

 

 

Sob a coordenação do prefeito Francisco José Júnior, a campanha em Mossoró foi a mais vitoriosa do candidato que conquistou vitória em todas as urnas. Neste segundo turno, a luta pelo voto seguirá um rumo ainda mais propositivo, tendo como foco o voto casado em Robinson 55, para governador do RN, e Dilma 13, para presidente do Brasil.

07
out

[ Ponto de Vista ] Vilma tira o time

Postado às 15:09 Hs

Via Alex Medeiros

Não é mais segredo para ninguém que os seguidores e eleitores de Vilma de Faria (PSB) ficaram bastante indignados com os fortes sinais de que a candidatura da guerreira foi rifada dentro do próprio PMDB de Henrique Alves e Garibaldi Filho.

Já na sexta-feira anterior à eleição, a divulgação do Ibope na Inter TV, emissora da família Alves, gerou um mal estar terrível no grupo que apoiou a vice-prefeita de Natal. O resultado com uma disparada de 10% de Fátima Bezerra (PT) em apenas quatro dias pode ter sido determinante para brecar qualquer chance de reação de Vilma na campanha.

Por todas as regiões onde ela tem apoiadores, principalmente em Natal, a chateação foi visível após a confirmação da esmagadora vitória da candidata petista. Ontem, após fazer declarações à imprensa dando sinais de que não mais estaria no palanque de Henrique no segundo turno, Vilma fez as malas e viajou para descansar, sem dizer o destino a muita gente do círculo íntimo.

Um dos assuntos nas rodas políticas de todo o RN é que os Vilmistas estão lambendo as feridas e colocando na conta do PMDB o desconforto de uma derrota que poucos imaginavam tão devastadora.

O novo escândalo colocado em evidência pela delação premiada do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, mostra que a corrupção no Brasil está atrelada, segundo entidades que defendem a ética na política, ao modelo de financiamento das campanhas eleitorais, tal como já aconteceu com o mensalão.

Segundo o juiz Marlon Reis, do Movimento de Combate à Corrupção (MCC), todos os escândalos republicanos no Brasil estão ligados ao financiamento aos políticos e aos financiamentos das campanhas.

— O quadro é grave, na medida que envolve governadores, senadores e deputados, repetindo na Petrobras o que já havia acontecido no mensalão. O modelo de financiamento compele os políticos a competir sempre por mais recursos, levando o Brasil a ter as campanhas mais caras do mundo. E o dinheiro vem sempre das empresas privadas que operam com o governo e também das empresas públicas, numa corrida desenfreada pelo dinheiro. Hoje não há limites por essa busca de recursos. É por isso que precisa haver uma reforma política que estabeleça limites ao financiamento de campanhas — disse Marlon Reis.

( Blog do Magno)

jun 15
terça-feira
19 40
ENQUETE

Você acha que o brasileiro acostumou-se com a Corrupção ao longo do tempo ?

Ver resultado parcial

Carregando ... Carregando ...
PREVISÃO DO TEMPO
INDICADOR ECONÔMICO
23 USUÁRIOS ONLINE
Publicidade
  5.872.255 VISITAS