Em entrevista a Época, Aloizio Mercadante defendeu que PT atue de forma “generosa, parceira e sem disputa” com quem quiser lutar pela democracia durante o governo de Jair Bolsonaro.

Questionado se o partido errou ao não fazer um “mea culpa” durante a campanha presidencial, o fundador do partido e ex-ministro do governo Dilma Rousseff (Casa Civil e Educação) disse não achar “que a coisa de se autoflagelar” resolve. “O que resolve é mudar as práticas, renovar-se e estar em sintonia com a sociedade.”

Como o PT deve se posicionar agora que voltou à oposição?

Se olharmos o histórico de pouco trabalho que Jair Bolsonaro fez na vida pública e o muito que ele fala, nossa tarefa hoje é a defesa da democracia. Precisamos construir uma ampla frente democrática com a sociedade civil incluindo entidades, personalidades, artistas, intelectuais, centros acadêmicos. Os partidos políticos têm que participar, mas não controlá-la. A ideia é criar comitês de defesas da democracia que unam essa diversidade e permitam discussões. Quando mais organizada estiver a sociedade, menos espaço haverá para a volta do autoritarismo, para o avanço do estado de exceção seletivo.

O PT errou em não fazer um “mea culpa” na campanha?

É evidente que para construir um país como o Brasil muitos erros foram cometidos ao longo dos mais de 13 anos de governo. Acho que o maior problema que enfrentamos foi não ter conseguido fazer uma reforma política nesse tempo. Mas não acho que a coisa de se autoflagelar resolve. O que resolve é mudar as práticas, renovar-se e estar em sintonia com a sociedade. O PT tem que entender o momento histórico atual e colocar os interesses partidários a serviço de uma frente democrática. Se estiver na linha de frente dessas lutas de forma generosa, parceira, solidária, sem querer disputar, e dar espaço para que todos interessados estejam presentes, ele vai se fortalecer muito.

Preso há quase um ano, o homem que derrubou Dilma fala pela primeira vez. Ele denuncia um mercado clandestino de delações – e diz estar pronto para contar o que sabe à nova procuradora-geral da República

ÉPOCA – Diego Escosteguy

Trecho da entrevista de Eduardo Cunha, publicada em ÉPOCA desta semana:

Trezentos e quarenta e cinco dias no cárcere não quebraram Eduardo Cunha. O homem que derrubou Dilma Rousseff, encerrando abruptamente 13 anos do PT no poder, pária para boa parte dos brasileiros, herói para alguns poucos, o homem que se consagrou como o mais vistoso preso da Lava Jato, esse homem que segue gerando memes e açulando paixões – eis um homem que se recusa a aceitar o destino que se lhe impôs, da política como passado e das grades como futuro. Cunha não aceita ser o que esperam dele: um presidiário obsequioso, a cumprir sem muxoxos sua sentença. “Sou um preso político”, disse, num encontro recente em Brasília, aquele cuja delação o presidente Michel Temer mais teme. Na primeira entrevista desde que foi preso, Cunha, cujo corpo, fala e espírito não traem um dia submetido ao xilindró, foi, bem, puro Cunha: articulado, incisivo, bélico. Falou da vida na prisão, da negociação frustrada de delação com o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e do que considera uma clara perseguição judicial contra ele. Acusou a existência de um mercado de delações premiadas, revelando detalhes substantivos. Pôs-se à disposição da sucessora de Janot para voltar a negociar sua delação, talvez sua única saída viável para escapar da cadeia – ele foi condenado em primeira instância e responde a processos por corrupção em Curitiba, Brasília e no Rio de Janeiro. A seguir, trechos da entrevista.

ÉPOCA – O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot não aceitou sua proposta de delação premiada. O senhor ainda está disposto a colaborar, caso a nova procuradora-geral, Raquel Dodge, aceite negociar?
Eduardo Cunha –
 Estou pronto para revelar tudo o que sei, com provas, datas, fatos, testemunhas, indicações de meios para corroborar o que posso dizer. Assinei um acordo de confidencialidade com a Procuradoria-Geral da República, de negociação de colaboração, que ainda está válido. Estou disposto a conversar com a nova procuradora-geral. Tenho histórias quilométricas para contar, desde que haja boa-fé na negociação.

ÉPOCA – Não houve boa-fé na negociação com Janot?
Cunha –
 Claro que não. Nunca acreditei que minha delação daria certo com o Janot. Tanto que não deu.

ÉPOCA – Então, por que negociou com a equipe dele?
Cunha –
 Topei conversar para mostrar a todos que estou disposto a colaborar e a contar a verdade. Mas só uma criança acreditaria que Janot toparia uma delação comigo. E eu não sou uma criança. O Janot não queria a verdade; só queria me usar para derrubar o Michel Temer.

ÉPOCA – Como assim?
Cunha –
 Tenho muito a contar, mas não vou admitir o que não fiz. Não recebi qualquer pagamento do Joesley  [Batista, dono da JBS] para manter silêncio sobre qualquer coisa. Em junho, quando fui depor à Polícia Federal sobre esse episódio, disse que tanto não mantinha silêncio algum que ninguém havia me chamado a colaborar, a quebrá-lo. Naquele momento, o Ministério Público e a Polícia Federal me procuraram para fazer colaboração. Autorizei meus advogados a negociar com o MP.

ÉPOCA – O que deu errado?
Cunha –
 Janot queria que eu colocasse mentiras na delação para derrubar o Michel Temer. Se vão derrubar ou não o Michel Temer, se ele fez algo de errado ou não, é uma outra história. Mas não vão me usar para confirmar algo que não fiz, para atender aos interesses políticos do Janot. Ele operou politicamente esse processo de delações.

ÉPOCA – O que há de político nas delações?
Cunha –
 O Janot, na verdade, queria um terceiro mandato. Mas seria difícil, tempo demais para um só. O candidato dele era o Nicolao Dino [vice de Janot], mas a resistência ao Dino no PMDB era forte. Se o Dino estivesse fora, a Raquel Dodge, desafeto do grupo dele, seria escolhida. É nesse contexto que aparece aquela delação absurda da JBS. O Janot viu a oportunidade de tirar o Michel Temer e conseguir fazer o sucessor dele na PGR.

ÉPOCA – O que há de absurdo na delação da JBS? Ou o senhor se refere aos benefícios concedidos aos delatores?
Cunha –
 O Joesley fez uma delação seletiva, para atender aos interesses dele e do Janot. Há omissões graves na delação dele. O Joesley poupou muito o PT. Escondeu que nos reunimos, eu e Joesley, quatro horas com o Lula, na véspera do impeachment. O Lula estava tentando me convencer a parar o impeachment. Isso é só um pequeno exemplo. Eu traria muitos fatos que tornariam inviável a delação da JBS. Tenho conhecimento de omissões graves. Essa é uma das razões pelas quais minha delação não poderia sair com o Janot. Ele, com esses objetivos políticos, acabou criando uma trapalhada institucional, que culminou no episódio do áudio da JBS. Jogou uma nuvem de suspeição no Supremo sem base alguma.

ÉPOCA – Mas o que houve de político na negociação da delação do senhor?
Cunha –
 A maior prova de que Janot operou politicamente é que ele queria que eu admitisse que vendi o silêncio ao Joesley para poder usar na denúncia contra o Michel Temer. Não posso admitir aquilo que não fiz. Como não posso admitir culpa do que eu não fiz, inclusive nas ações que correm no Paraná. Estava disposto a trazer fatos na colaboração que não têm nada a ver com o que está exposto nas ações penais. Eles não queriam.

ÉPOCA – Havia algum outro fato que os procuradores queriam que você admitisse? Que não foi uma admissão espontânea, como determina a lei?
Cunha – Janot queria que eu colocasse na proposta de delação que houve pagamentos para deputados votarem a favor do impeachment. Isso nunca aconteceu. Um absurdo. Se o próprio Joesley confessou o contrário na delação dele, dizendo que se comprometeu a pagar deputados para votar contra o impeachment, de onde sai esse tipo de coisa? Qual o sentido? Mas aí essa história maluca, olha que surpresa, aparece na delação do Lúcio [Funaro, doleiro próximo a Cunha]. É uma operação política, não jurídica. Eles tiram as conclusões deles e obrigam a gente a confirmar. Os caras não aceitam quando você diz a verdade. Queriam que eu corroborasse um relatório da PF que me acusa de coisas que não existem. Não é verdade. Então não vou. Não vou.

ÉPOCA – Janot estabeleceu uma disputa entre o senhor e Funaro. Só um fecharia delação, por terem conhecimento de fatos semelhantes envolvendo o PMDB da Câmara.
Cunha –
 O Janot tem ódio de mim. Mas o ódio dele pelo Michel Temer passou a ser maior do que a mim. Então, se eu conseguisse derrubar o Michel Temer, ele aceitava. Mas eu não aceitei mentir. E ele preferiu usar o Lúcio Funaro de cavalo.

ÉPOCA – Alguma outra razão para a delação não ter saído?
Cunha –
 O que eu tenho para falar ia arrebentar a delação da JBS e ia debilitar a da Odebrecht. E agora posso acabar com a do Lúcio Funaro.

ÉPOCA – O que o senhor tem a contar de tão grave?
Cunha –
 Infelizmente, não posso adiantar, entrar no mérito desses casos. Quebraria meu acordo com a PGR. Eu honro meus acordos.

ÉPOCA – Nem no caso de Funaro? O senhor já mencionou um fato que diz ser falso.
Cunha –
 Ainda não tive acesso à íntegra da delação do Lúcio Funaro. Mas, pelo que li na imprensa e pelo que já tive conhecimento, há muito contrabando e mentiras ali. A delação do Lúcio Funaro foi feita única e exclusivamente pelo que ele ouviu dizer de mim. O problema é que ele disse que ouviu de mim coisas que não aconteceram. Como um encontro dele com Michel Temer e comigo na Base Aérea em São Paulo. Ou esse episódio da véspera do impeachment, de compra de deputados, que o Janot colocou na boca do Lúcio Funaro. Tudo que ele falou do Michel Temer que disse ter ouvido falar de mim é mentira. Ele não tinha acesso ao Michel Temer ou aos deputados. Eu tinha.

ÉPOCA – O senhor está preso preventivamente há quase um ano. Já foi condenado em primeira instância e ainda enfrenta inquéritos e ações penais em Curitiba e em Brasília. Tem esperança de sair da cadeia um dia?
Cunha – 
Minha prisão foi absurda. Não me prenderam de acordo com a lei, para investigar ou porque estivesse embaraçando os processos. Prenderam para ter um troféu político. O outro troféu é o Lula. Um troféu para cada lado. O MP e o Moro queriam ter um troféu político dos dois lados. Como Janot já era meu inimigo, todos da Lava Jato estavam atrás de mim. Mas acredito que o Supremo vá julgar meu habeas corpus, parado desde junho, e, ao seguir o entendimento já firmado na Corte, concedê-lo.

ÉPOCA – As decisões de Moro sobre a necessidade das preventivas na Lava Jato têm sido mantidas nas instâncias superiores. Não é um sinal de que ele está certo?
Cunha – 
Nós temos um juiz que se acha salvador da pátria. Ele quis montar uma operação Mãos Limpas no Brasil – uma operação com objetivo político. Queria destruir o establishment, a elite política. E conseguiu.

EPOCA / Thiago Bronzatt

Relatório revela que os quatro, entre outros petistas, movimentaram quase meio bilhão de reais em transações com indício de irregularidades

Há duas semanas, analistas do Conselho de Controle de Atividades Financeiras, mais conhecido pela sigla Coaf, terminaram o trabalho mais difícil que já fizeram. O Coaf, subordinado oficialmente ao Ministério da Fazenda, é a agência do governo responsável por combater a lavagem de dinheiro no Brasil. Reúne, analisa e compartilha com o Ministério Público e a Polícia Federal informações sobre operações financeiras com suspeita de irregularidades.

Naquela sexta-feira, dia 23 de outubro, os analistas do Coaf entregavam à chefia o Relatório de Inteligência Financeira 18.340. Em 32 páginas, eles apresentaram o que lhes foi pedido: todas as transações bancárias, com indícios de irregularidades, envolvendo, entre outros, os quatro principais chefes petistas sob investigação da PF, do Ministério Público e do Congresso.

Eis o quarteto que estrela o relatório: Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República, líder máximo do PT e hoje lobista; Antonio Palocci, ministro da Casa Civil no primeiro mandato de Dilma Rousseff, operador da campanha presidencial de 2010 e hoje lobista; Erenice Guerra, ministra da Casa Civil no segundo mandato de Lula, amiga de Dilma e hoje lobista; e, por fim, Fernando Pimentel, ministro na primeira gestão Dilma, também operador da campanha presidencial de 2010, hoje governador de Minas Gerais. O Relatório 18.340, ao qual ÉPOCA teve acesso, foi enviado à CPI do BNDES.

Por Thiago Bronzatto , Alana Rizzo, Ricardo Della Coletta e Filipe Coutinho / Época

À mesa de um restaurante decorado com lustres de cristal, obras de arte contemporânea e castiçais dourados, na Praia do Flamengo, no Rio de Janeiro, três diretores da Petrobras e dois executivos do grupo Odebrecht almoçavam reservadamente às vésperas das eleições de 2006. Era um encontro de homens de negócios. Do lado da petroleira, estavam lá os diretores Nestor Cerveró, Paulo Roberto Costa e Renato Duque; do lado da maior construtora do país, Márcio Faria e Rogério Araújo.

Hoje, a maioria dos cinco comensais está presa em Curitiba, acusada de participação destacada no petrolão.

Discutiam-se as obras para modernizar a refinaria de Pasadena, no Texas, Estados Unidos, cuja metade das ações fora comprada pela Petrobras meses antes.

OBRAS DE R$ 4 BILHÕES

No almoço, estimou-­se que ele custaria até R$ 4 bilhões. A refinaria de Pasadena, cuja operação de compra era conhecida dentro da Petrobras pelo codinome projeto Mangueira, não tinha o apelido de “ruivinha” fortuitamente. Era um novelo de dutos enferrujados, de aparência avermelhada provocada pela oxidação dos metais.

Se a Petrobras fizera um péssimo negócio ao comprar Pasadena, como veio a se confirmar nos anos seguintes, a Odebrecht estava prestes a faturar mais um formidável contrato. Decidia-se ali, no restaurante na Praia do Flamengo, que a construtora ganharia o contrato de R$ 4 bilhões.

Em troca, os executivos da Odebrecht se comprometiam a pagar propina adiantada de R$ 4 milhões à campanha à reeleição de Lula – o mesmo Lula que, conforme revelou Época em seu site na sexta-feira, dia 11, passou a ser considerado pela Polícia Federal oficialmente suspeito no petrolão.

DELAÇÃO PREMIADA

As informações estão registradas na mais recente proposta de delação premiada de Cerveró, em posse dos procuradores da Lava Jato e obtida por Época. Trata-se de relatos pormenorizados de Cerveró sobre os negócios corruptos que tocaram primeiro na Diretoria Internacional da Petrobras, sob ordens do PT e do PMDB, e, a partir de 2008, na Diretoria Financeira da BR Distribuidora, sob ordens do PT e do senador Fernando Collor, do PTB.

Neles, Cerveró afirma que a compra de Pasadena rendeu US$ 15 milhões em propina. E envolve no esquema a área internacional, além de outros funcionários da Petrobras, senadores como Delcídio Amaral, do PT, líder do governo no Senado, o presidente da Casa, Renan Calheiros, e Jader Barbalho, ambos do PMDB.

TUDO DOCUMENTADO

Para enviar os relatos aos procuradores, Cerveró trabalhou durante quatro dias. Reuniu histórias, resgatou datas de reuniões e valores das operações registradas em documentos e anotações que guarda em sua cela. Para corroborar as acusações, a família de Cerveró pretende recorrer a uma pilha de agendas de suas viagens e reuniões realizadas entre 2003 e 2008, período em que ocupou o cargo de diretor internacional da petroleira. Esses documentos estão guardados num cofre, à espera de uma resposta positiva dos procuradores da Lava Jato.

Apesar dos relatos agora revelados por Época, os procuradores esperam – exigem – mais de Cerveró. “Ele (Cerveró) continua oferecendo muito pouco perto da gravidade dos crimes que cometeu”, diz um dos investigadores de Curitiba. “A delação de Cerveró, para valer a pena, precisa de tempo. Ele ainda promete menos do que sabe”, afirma um procurador da equipe de Janot.

28
jun

Saiba Também…

Postado às 11:55 Hs

# E haja crise…

A Petrobras não poderá contar com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para financiar investimentos. Uma resolução do Banco Central (BC) aprovada na quinta-feira, deu três anos para o BNDES se enquadrar nos limites de prudência e impediu novos financiamentos e aportes em participação nas empresas nas quais o banco tenha excesso de recursos comprometidos, caso da Petrobras.Pelas regras, nenhum banco pode comprometer com um único cliente mais do que 25% do patrimônio de referência, um indicador financeiro. No caso do BNDES, esse limite é de R$ 24,112 bilhões, conforme dados do primeiro trimestre. Na conta entram tanto empréstimos ainda devidos quanto a participação acionária.O problema é que o BNDES terminou 2014 com cerca de R$ 64 bilhões comprometidos com a Petrobras, conforme um cruzamento de dados revelado pelo jornal “O Estado de S. Paulo” no fim de abril. Considerando holding e subsidiárias, são cerca de R$ 42 bilhões em crédito e R$ 22 bilhões em participação acionária, muito acima do limite.

# Não se bicam…

Outro Luiz Inácio, o Lula, não pode nem ouvir falar de Mercadante. Acha que ele tem envenenado sua relação, já esgarçada, com Dilma. O sentimento de Lula para com Mercadante passou da “raiva” para o “ódio”. (Época)

# Pedaladas

Se a votação no TCU das pedaladas de Dilma Rousseff fosse hoje, o governo perdia.Como ainda faltam vinte dias, a história pode, claro, mudar. Mas o clima é ruim. O governo já detectou o mau humor. (Veja)

# Calada

Ao chegar neste sábado em Nova York para o encontro que terá com o presidente americano Barack Obama na segunda e terça-feira, em Washington, a presidente Dilma Rousseff ignorou os questionamentos sobre as revelações trazidas à luz por VEJA desta semana. O dono da empreiteira UTC, Ricardo Pessôa, afirmou em depoimento prestado após acordo de delação premiada que foi pressionado pelo ministro Edinho Silva, então tesoureiro da campanha da petista à reeleição, em 2014, a fazer uma doação de 7,5 milhões de reais. A crise provocada pelas denúncias levou o ministro chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, também citado pelo empreiteiro, a cancelar a viagem aos Estados Unidos.

Integram a comitiva da presidente cinco ministros: Nelson Barbosa (Planejamento), Armando Monteiro (Desenvolvimento, Indústria e Comércio), Mauro Vieira (Relações Exteriores), Aldo Rebelo (Ciência e Tecnologia), Renato Janine Ribeiro (Educação). Dilma também estava acompanhada de sua filha Paula.

Desde que o avançar inexorável das investigações da Lava Jato expôs ao Brasil o desfecho que, cedo ou tarde, certamente viria, o mercurial empresário Emilio Odebrecht, patriarca da família que ergueu a maior empreiteira da América Latina, começou a ter acessos de raiva. Nesses episódios, segundo pessoas próximas do empresário, a raiva – interpretada como ódio por algumas delas – recaía sobre os dois principais líderes do PT: a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A exemplo dos presidentes da Câmara, Eduardo Cunha, e do Senado, Renan Calheiros, outros dois poderosos alvos dos procuradores e delegados da Lava Jato, Emilio Odebrecht acredita, sem evidências, que o governo do PT está por trás das investigações lideradas pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. “Se prenderem o Marcelo (Odebrecht, filho de Emilio e atual presidente da empresa), terão de arrumar mais três celas”, costuma repetir o patriarca, de acordo com esses relatos. “Uma para mim, outra para o Lula e outra ainda para a Dilma.”
03
dez

Muita além de uma simples secretária

Postado às 16:11 Hs

Uma triste passagem de bastão marcou a política brasileira na semana passada: saiu de cena um escândalo político; entrou outro. De um lado, o Supremo Tribunal Federal fez história ao definir as penas dos condenados do mensalão. Treze dos réus, incluindo o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu, vão para a cadeia em tempo integral – uma rara ocasião na história brasileira em que poderosos pagarão por seus crimes. De outro lado, uma nova personagem irrompeu na cena política nacional: Rosemary Nóvoa de Noronha, ou Rose. Falando em nome de um padrinho político poderoso, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Rose trabalhou pela nomeação de vários afilhados no governo federal. Ao se dirigir a diretores de empresas estatais ou órgãos do governo, Rose frequentemente se apresentava como “namorada” do ex-presidente. Um dos afilhados de Rose, Paulo Vieira, foi preso pela Polícia Federal (PF) na Operação Porto Seguro, acusado de chefiar uma quadrilha que cobrava propinas de empresários, em troca de pareceres jurídicos favoráveis em Brasília – fosse no governo, nas agências reguladoras ou no Tribunal de Contas da União. Rubens Vieira, diretor da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), irmão de Paulo e outro dos afilhados de Rose, também foi preso. Tão logo o caso veio a público, na sexta-feira dia 23 de novembro, Rose foi exonerada do cargo que exercia, como chefe do gabinete da Presidência em São Paulo.

Por Paulo Moreira Leite

Confesso que o sorriso amarelo dos coveiros de Lula e do PT é um dado preocupante de nosso momento político.Explico. Nos tempos da ditadura, o grande Ulysses Guimarães, personalidade maior da resistência, dizia que era preciso ouvir a voz das ruas. É que naquele tempo, com a imprensa censurada, os deputados cassados, os partidos reprimidos, o país falava pelas ruas. Eram passeatas, protestos e greves.

 Quem ouviu a voz das ruas se deu bem. Percebeu o rumo da história, modificou prioridades, apostou na direção do futuro. Quem não entendeu isso ficou olhando a vida passar pela janela.

 A voz das urnas de 2012 é muito clara. Olhe só:

 a) o PT recebeu o maior número de votos da campanha. Ou seja: no país inteiro, 17, 3 milhões de brasileiros saíram de casa, há dois dias, para votar em candidatos deste partido; o PSDB teve 3 milhões de votos a menos;

 b) o PT ganhou 14% a mais de prefeituras, enquanto o PSDB perdeu 12% e o PMDB perdeu 14%;

 c) entre as cidades de mais de 200 000 habitantes, o PT foi melhor que os outros; emplacou 8 prefeitos no primeiro turno e disputará 22 prefeituras em segundo turno; o PSDB, que ficou em segundo, ganhou 6 e disputa 17;

 d) entre partidos menores, o PSB cresceu muito. O número de prefeituras aumentou 43%. Vamos lembrar: o PSB não é um partido de oposição nem é neutro. Faz parte da base do governo Dilma e colhe os benefícios do crescimento do Nordeste, acelerado a partir de 2003. A maior vitória do PMDB ocorreu no Rio de Janeiro e envolve uma aliança federal e municipal entre o Planalto e os pemedebistas de Confesso que o sorriso amarelo dos coveiros de Lula e do PT é um dado preocupante de nosso momento político.. Eles também são aliados de Lula e Dilma. Numa cidade célebre por seu oposicionismo, onde se vaia até minuto de silêncio, a situação teve 64% dos votos.(Época)

23
jul

FIQUE SABENDO…

Postado às 10:48 Hs

# # Deu em Cláudio Humberto:

O líder do PSD na Câmara, Guilherme Campos (SP), afirma que “não passa de marola” a promessa do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, de que o PSB não disputará a Presidência da Câmara em 2013. Para Guilherme, o assunto voltará à tona após as eleições municipais, já com dois nomes fortes – Márcio França (SP) e Júlio Delgado (MG) – para concorrer pelo bloco PSB, PSD e PCdoB.

 Acordo prévio

Candidato ao comando da Casa, o líder do PMDB, Henrique Alves (RN) obteve do próprio Eduardo Campos compromisso de apoiá-lo.

 Dilma com Henrique

Após o PMDB ter retirado candidatura em prol do PT em Minas, Dilma também prometeu apoiar Henrique Alves, com direito a ato em agosto.

# # Ainda da coluna de Felipe Patury, na Revista Época:

A prefeita de Natal, Micarla de Sousa (PV), enfrenta uma rejeição acachapante de 90% da população. Sem grandes perspectivas na política, ela faz planos para o ano que vem, quando não terá mais obrigações na prefeitura. Evangélica, pretende partir em retiro espiritual para Miami, onde quer recarregar as energias para tocar seu novo projeto: abrir uma sucursal da Igreja Batista da Lagoinha, de Belo Horizonte. Agora que perdeu a fé dos eleitores, ela decidiu virar pastora. Até que faz sentido. Os natalenses querem mesmo que Micarla vá com Deus

# # Rosalba assina protocolo para instalação de fábrica na Maisa

A governadora Rosalba Ciarlini, e a ICP Fazenda Maisa vão assinar um Protocolo de Intenções para instalação de empreendimento na zona rural de Mossoró com investimento estimado de R$ 30 milhões e a geração de 500 empregos diretos e 2.000 indiretos. A solenidade será realizada nesta terça-feira (24), às 11h, no auditório da Governadoria. E a ideia é viabilizar o projeto de incentivo das culturas de frutas na região, como também na implantação da indústria de envase na unidade da Nutrimarcas. A fábrica terá oportunidade para geração de até 10 mil postos de trabalho rural com uma capacidade anual de produção estimada em 72 mil toneladas por ano. Com relação ao faturamento, a expectativa é de R$ 240 milhões por ano quando a produção for estabilizada.

# # Walter Alves Federal em 2014 ?

Bastou o colunista revista Época, Felipe Patury fazer uma referência a política do Rio Grande do Norte, precisamente a possível candidatura do deputado Walter Alves (PMDB) a Câmara dos Deputados, para a imprensa do Estado inteiro repercutir. Walter Alves está no seu segundo mandato, sempre com grande votação, ficando entre os três primeiros para a Assembleia Legislativa. Com a candidatura do deputado federal Henrique Eduardo Alves (PMDB) ao Senado, Walter, herdeiro do ministro Garibaldi Filho (PMDB) tem tudo para atrair uma boa parcela de apoios em todo Estado. O nome de Walter vem crescendo espontaneamente, apesar da tradição da família.

31
out

Muita gente…

Postado às 9:20 Hs



O mundo deve alcançar, na próxima segunda-feira (31), a marca de 7 bilhões de pessoas, segundo estimativas da Organização das Nações Unidas (ONU). Para a organização, o número representa conquistas e desafios e, principalmente, afetará as regiões mais pobres.

O diretor-executivo do Fundo de População das Nações Unidas, Babatunde Osotimehin, apresentou na última semana o documento “Estado da População Mundial 2011″, onde apresenta projeções da organização. “O marco dos 7 bilhões de pessoas no fim de outubro representa um desafio, uma oportunidade e um chamado à ação”, disse Osotimehin.

Conforme mostrou reportagem de ÉPOCA publicada em junho, a marca de 7 bilhões inspira uma reação ambígua. São 7 bilhões com potencial criativo, capazes de produzir riqueza e progresso. Mas exigirão mais recursos de um planeta que chegou ao limite. O desafio para as próximas décadas é desenvolver novas formas de produção e criar novos padrões de consumo, para garantir que a humanidade caiba na Terra com conforto.

Segundo o relatório da ONU, que analiou a tendência de nove países, entre eles as superpopulosas Índia e China, apesar dos avanços no combate a pobreza, a desigualdade social continua crescendo, assim como as disparidades entre os países e dentro de um mesmo Estado. As desigualdades quanto aos direitos e oportunidades de homens e mulheres é outro dos pontos sublinhados no relatório, que ressalta a importância de traçar um caminho de desenvolvimento para promover a igualdade.

Para 2050, a ONU prevê uma população mundial de 9,3 bilhões de pessoas e para o final do século mais de 10 bilhões.

16
ago

Acho muito difícil…

Postado às 16:06 Hs

Cerca de 60 entidades coletarão assinaturas de cidadãos brasileiros esta semana para entregar ao Congresso uma Proposta de Lei de Iniciativa Popular para fazer a reforma política no Brasil. Para ser apresentada à Câmara dos Deputados e tramitar como projeto de lei no Congresso, mais de 1 milhão de assinaturas são necessárias. A Constituição Federal exige que a iniciativa popular seja subscrita por, no mínimo, 1% do eleitorado nacional e que essas assinaturas sejam distribuídas pelo menos por cinco estados. Além disso, a proposta tem que contar com o apoio de 0,3% dos eleitores de cada um desses estados.

Nesta semana, as assinaturas começarão a ser coletadas, aproveitando a Marcha das Margaridas que espera reunir em Brasília, na próxima quarta-feira (17), cerca de 70 mil mulheres. As entidades estão reunidas no Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral. A proposta traz conceitos que vão desde a simplificação do trâmite das iniciativas populares, até o polêmico financiamento público exclusivo de campanha, uma forma considerada fundamental pelas entidades para combater a corrupção, os chamados “caixa 2″ e os abusos de poder econômico durante as eleições.

Além disso, a proposta quer criar o chamado veto popular, medida que funcionaria de forma semelhante à proposta de lei de iniciativa popular e serviria para barrar leis aprovadas pelo Parlamento com as quais a sociedade não concorde. A plataforma também propõe mudanças nos partidos políticos, que devem continuar como entidades de direito privado, mas de interesse público. Além disso, as entidades querem o fim das votações secretas no Poder Legislativo, o fim da imunidade parlamentar para casos que não representam respeito à opinião e ao direito de fazer denúncias, além do fim do foro privilegiado, exceto nos casos em que a apuração se refere ao estrito exercício do mandato ou do cargo.

Outro ponto que deve ser examinado para evitar o troca-troca de legenda por parte dos políticos é o que trata da fidelidade partidária. A plataforma propõe que “os cargos eletivos não sejam propriedade particular de cada eleito”. A troca de partido, sem motivação programática, de acordo com a proposta, deve repercutir com a “perda automática do mandato”.

Além disso, a iniciativa quer aumentar o prazo de filiação partidária para quatro anos, no caso de político que tenha perdido o mandato por infidelidade partidária. Atualmente, o prazo de um ano antes do pleito serve para todos.

No caso das eleições proporcionais, a proposta defende o voto em lista partidária com alternância de sexo como forma de combater o personalismo, fortalecer e democratizar os partidos. Para as eleições majoritárias, a adoção das listas é vetada pela proposta. As entidades defendem como forma mais democrática a manutenção das prévias partidárias. (Época)

17
fev

Ronaldo como membro de comitê da Copa 2014

Postado às 12:31 Hs

O ex-jogador deve usar os contatos que têm no futebol para buscar parceiros para o evento

O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, e Ronaldo, em solenidade no Museu do Futebol

Em 2014, Ronaldo voltará à Copa do Mundo. Desta vez, fora dos campos. O ex-jogador, que anunciou sua aposentadoria na segunda-feira (14), foi nomeado nesta quarta-feira (16) membro do Comitê Paulista para a Copa do Mundo de 2014. Ronaldo será encarregado de buscar recursos e parceiros para eventos ligados ao mundial, utilizando os contatos que tem no futebol.

“Vamos fazer de São Paulo a melhor sede de Copa do Mundo de todos os tempos. Espero contribuir bastante, agora fora de campo”, disse, na solenidade realizada no Museu do Futebol, no estádio do Pacaembu, na capital paulista.

Ronaldo também recebeu a medalha ao mérito esportivo do governo do Estado de São Paulo.

O governador Geraldo Alckmin afirmou que o Estado quer sediar o jogo de abertura da Copa. Além disso, oferecer um centro de imprensa no Anhembi e construir em Pirituba o Centro de Convenções da Fifa.

25
set

Tiririca pode ser analfabeto !

Postado às 12:43 Hs

De acordo com a Constituição, os analfabetos são inelegíveis e, portanto, não podem se candidatar e receber votos. Por lei, os candidatos são obrigados a apresentar à Justiça Eleitoral um comprovante de escolaridade. Na ausência de comprovante, devem demonstrar capacidade de ler e escrever. Para registrar sua candidatura a deputado federal, Tiririca apresentou ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de São Paulo uma declaração em que ele afirma que sabe ler e escrever. Essa declaração, segundo as normas legais, deve ser escrita de próprio punho. Mas Tiririca, de fato, sabe ler e escrever? A suspeita é que não. Vários indícios permitem levantar essa desconfiança.

O humorista Ciro Botelho, redator do programa Pânico da rádio Jovem Pan, diz que escreveu sozinho o livro As piadas fantárdigas do Tiririca em 2006. A publicação é assinada só por Tiririca. Botelho diz que escreveu com base em histórias contadas por ele. “O Tiririca não sabe ler nem escrever”, afirma.
Depois desse novo mal-estar, ÉPOCA tentou questioná-lo sobre sua alfabetização. Sua assessoria de imprensa não permitiu mais contatos. Ela diz que Tiririca sabe ler e escrever, mas os pedidos de um encontro com o candidato para que ele lesse um texto e encerrasse as dúvidas foram recusados. A assessoria disse que Tiririca está na reta final da campanha e ficaria “chateado por ter de provar que sabe ler”.

O que acontece com um candidato sobre o qual há dúvidas sobre sua alfabetização? “Se houver dúvidas, o juiz pode submetê-lo a um teste”, diz o advogado Fernando Neves, ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Segundo Neves, essa prova é simples e visa apenas certificar a capacidade de ler e escrever do candidato. Se o candidato não conseguir provar que é alfabetizado, a jurisprudência da Justiça Eleitoral diz que a candidatura deve ser cassada.

19
set

Só ela subiu…

Postado às 14:16 Hs

A nova pesquisa Ibope divulgada anteontem pelo Jornal Nacional sugere que Marina Silva foi a maior beneficiada pelo caso da quebra de sigilo fiscal de tucanos e da filha do candidato José Serra (PSDB), Verônica. Enquanto Dilma Rousseff manteve-se estável em 51% e Serra caiu de 27% para 25%, Marina Silva passou de 8% para 11%, um crescimento acima da margem de erro. O efeito já havia aparecido ao longo da semana em pesquisas dos verdes e dos tucanos. A explicação para o fenômeno é múltipla. Primeiro, há uma dificuldade dos eleitores em tomar conhecimento e compreender o caso do sigilo fiscal. Segundo pesquisa Datafolha divulgada nessa semana, somente 57% dos eleitores tiveram algum contato com o assunto e apenas 12% disseram se sentir confortáveis para explicar o caso. Além da dificuldade, houve um desconforto do eleitorado com os dois envolvidos na disputa, Serra e Dilma. Os eleitores não gostaram do aumento da agressividade entre eles e teriam, por isso, migrado para Marina Silva – que se manteve descolada da disputa em torno da quebra de sigilo. A expectativa dos verdes é que uma “onda verde” se espalhe pelo eleitorado com os novos episódios envolvendo a agora ex-ministra da Casa Civil, Eunice Guerra.

jul 6
quarta-feira
04 45
ENQUETE

Você acha que o brasileiro acostumou-se com a Corrupção ao longo do tempo ?

Ver resultado parcial

Carregando ... Carregando ...
PREVISÃO DO TEMPO
INDICADOR ECONÔMICO
41 USUÁRIOS ONLINE
Publicidade
  5.903.504 VISITAS