01
set

Eleições 2018: Marina sai da toca

Postado às 8:53 Hs

Lula, Doria, Alckmin, Ciro, Bolsonaro. Os cinco políticos têm percorrido o país em campanha aberta à Presidência. Faltava Marina Silva, que deve concorrer ao Planalto pela terceira vez em 2018. Para alívio dos aliados, a ex-senadora começa a sair da toca. Nesta semana, ela voltou a ter agenda de candidata. Na quarta, reapareceu no Congresso para um ato em defesa da Amazônia. Foi cortejada por deputados e posou para dezenas de selfies. No sábado, Marina vai a Macapá para outra manifestação a favor da floresta. No domingo, retorna a Brasília para a Virada do Cerrado. Entre os compromissos, ela reservou dois dias para reuniões em São Paulo. A quem reclama de seu sumiço, a ex-senadora diz que não tem mais cargo público e que nunca deixou de se expressar nas redes sociais. “Já tem muita gente repetindo o meu discurso por aí”, brinca. “Toda hora tem alguém falando em nova política, dizendo que não é de esquerda nem de direita, tirando o “P” do nome do partido…”, enumera.

Ex-ministra diz que crise econômica foi ocultada pelo governo, defende o fim da reeleição e fala em dar ‘contribuição genuína’

Terceira colocada na última disputa presidencial, a ex-ministra Marina Silva considera que a presidente Dilma Rousseff perdeu as rédeas do País antes mesmo de chegar ao primeiro ano do segundo mandato. Para ela, o “desgoverno”, originado pelo agravamento da crise política e econômica, colocou a condução do Brasil nas mãos de um “triunvirato” integrado pela cúpula do PMDB no Congresso, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Qual é avaliação que a senhora faz deste cenário atual?

A crise que estamos vivendo é profunda, mas ela é anunciada. E tanto é que desde 2010 estamos anunciando. E naquela época falávamos e parecia que éramos um bando de ETs dizendo que era preciso uma nova governabilidade, que era preciso governar com os melhores, que era preciso aposentar a velha República, chamar a responsabilidade da Nova República e orientar as ações do País com uma agenda. É preciso acabar com a reeleição porque é um atraso no Brasil. As pessoas não fazem o que é necessário para o País, fazem o que é necessário para se reelegerem.

Essa crise é um marco para a próxima eleição?

O que se espera na próxima campanha é que se discuta um projeto de País e não projeto de poder. Em lugar de os políticos ficarem usando a crise para ganhar popularidade, que resolvam a crise para evitar os danos à sociedade. O que ela quer é que as lideranças políticas façam aquilo que é importante para o País voltar a crescer, voltar a ter investimentos, controlar inflação, investir na agenda social naquilo que é fundamental e estratégico. O compromisso com essa agenda é dado em cima da verdade, do reconhecimento dos erros, dos problemas. É assim que todos nós vamos ter credibilidade. Não é momento de estratégias para recuperar a popularidade. Esse é o momento de serviço, trabalho, humildade, conversa para recuperar a credibilidade. E conversa não é você encurralar adversários.

A sra. crê que a presidente Dilma chega ao final do mandato?

A presidente Dilma tem um dos maiores desgastes da história da nossa democracia. Mas ela tem a legitimidade institucional do voto. Enquanto não ficar provado peremptoriamente pelas investigações de que há um envolvimento direto, não se muda presidente porque a gente discorda dele. Se não, isso nos levará aos casuísmos. A gente não pode fazer política revogando a lei. Então, eu tenho que me ater aos aspectos daquilo que estão embasados na Constituição. Mas obviamente que o Brasil já está sendo governado por um triunvirato. Quem está governando o Brasil é o PMDB no Congresso, é o ministro Joaquim Levy e, de certa forma, o presidente Lula, ainda que indiretamente.

Em tom de crítica ao governo federal, a ex-senadora Marina Silva, vice do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) na corrida presidencial, afirmou na madrugada desta segunda-feira (23), em entrevista ao programa É notícia da Rede TV!, que o único legado que a Copa do Mundo deixará no Brasil é o do futebol, caso a Seleção Brasileira seja campeã. “A gente quer ver que pelo menos no gramado a nossa seleção deixe o legado da vitória, já que infelizmente o legado na área ambiental, o legado da mobilidade, da segurança pública. Tudo aquilo o que foi dito que iria acontecer com os grandes eventos, que não aconteceu. A gente fica na torcida que pelo menos no gramado a gente tenha um legado”, afirmou.
08
Maio

Cenário

Postado às 12:13 Hs

PSDB tem o cheiro da derrota no 2º turno, diz Marina

”O PSDB sabe que já tem o cheiro da derrota no segundo turno. E o PT já aprendeu que a melhor forma de ganhar é contra o PSDB’’. A estocada foi dada por Marina Silva, candidata do PSB à vice-presidência da República, em entrevista a Bernardo de Mello Franco, publicada nesta quarta-feira pela Folha de S.Paulo. No entender de Marina, Eduardo Campos é ‘sem dúvida alguma’ mais competitivo que Aécio Neves.

Demostrando irritação com as comparações que vêm sendo feitas entre o ex-governador de Pernambuco e o candidato tucano mineiro, Marina desabafou:

 ”A gente tem que parar com essa história de querer diluir as diferenças. Quando alguém fica muito ansioso para dizer que é igual, é porque sabe que é diferente’, disse Marina. Para ela, o aliado defende ideias mais progressistas que o tucano. Também atacou Dilma, a quem acusou de usar a propaganda oficial para esconder os problemas do governo’’.

Segundo ainda o colunista da Folha que fez a entrevista, ‘’para Marina, as diferenças estão ‘nas trajetórias de vida e em algumas propostas estruturantes’.

‘’Eduardo Campos protagoniza uma agenda progressista de respeito aos direitos sociais, de não ir pelo caminho mais fácil de reduzir a maioridade penal e as conquistas dos trabalhadores.’

09
fev

* * * Quentinhas… * * *

Postado às 18:04 Hs

* * * No PSB não há nenhum dúvida de que Marina Silva (Rede) será a vice de Eduardo Campos. diz Ilimar Campos, na sua coluna deste domingo, no jornal O Globo. O partido avalia que ela só não anuncia agora, porque se reduziria o seu poder de pressão em torno de candidaturas próprias aos governos de São Paulo, Rio e Minas. ”Já o vice-presidente do PSB, Roberto Amaral tem uma opinião particular sobre o pacto de convivência entre os candidatos à Presidência Eduardo Campos (PSB) e Aécio Neves(PSDB): ”É um casamento maluco. O fracasso de um pode ser o fracasso do outro”.

* * * O tráfego de dados móveis crescerá 11 vezes de 2013 a 2018 e ampliará sua participação de 2% para 13% no tráfego total das operadoras no Brasil, segundo estudo divulgado pela empresa de tecnologia Cisco. Daqui a quatro anos, a velocidade média do 4G será de 6,8 Mbps (megabits por segundo), enquanto a velocidade média 3G será de 2,5 Mbps (crescimento de 2,2 vezes). No ano passado, a velocidade média de conexão móvel no Brasil foi de 657 kbps. O estudo Cisco Visual Networking Index Global Mobile Data Traffic prevê ainda que o 4G representará 35% do tráfego total de dados móveis até 2018, comparado a 2% no fim de 2013. A previsão é de que o tráfego de smartphones 4G será de 30% do tráfego total de smartphones até 2018, comparado a 1,6% no fim de 2013. Já os tablets representarão 15% do tráfego total de dados móveis até 2018, em comparação com 3,2% no fim do ano passado. * * *

* * * A governadora Rosalba Ciarlini (DEM) precisa de uma definição jurídica antes de resolver se é candidata à reeleição ou não. Ela responde a pelo menos dois processos, em trâmite no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nos quais foi condenada à inelegibilidade e a perda do mandato. O efeito mais iminente contido em ambas as decisões – o afastamento imediato da chefia do Executivo – foi revertido em sede liminar, ou seja, provisoriamente. Mas a determinação de inelegibilidade, o que se traduz em perda dos direitos políticos por oito anos, continua a assombrá-la. Nos meios jurídicos, há controvérsias e dúvidas quanto ao alcance da decisão do TSE. O advogado de Rosalba Ciarlini, Thiago Cortez, entende que os acórdãos (decisões colegiadas do TRE/RN) foram suspensos na integralidade. Na compreensão dele, portanto, até que o mérito seja julgado pelo TSE, a governadora está garantida no cargo e ao mesmo tempo é plenamente elegível. “Todos os impedimentos, na minha opinião, estão suspensos. A defesa trabalha com a hipótese de ela ser candidata”, enfatizou o advogado Thiago Cortez. * * *

* * * As duas principais pré-candidaturas de oposição ao Palácio do Planalto diagnosticam e procuram explorar os mesmos pontos fracos no governo Dilma Rousseff. Os documentos já lançados pelo PSDB do mineiro Aécio Neves e pela aliança de Eduardo Campos (PSB) e Marina Silva (Rede) mostram coincidências não apenas nos temas tratados, mas até nas palavras escolhidas para as críticas e propostas. Os dois textos miram a crise da indústria, a má qualidade da educação, as relações com governadores e prefeitos, a segurança pública e a profusão de cargos na máquina administrativa. Sintomaticamente, nenhum ataca a política de assistência social, principal alicerce da popularidade do governo petista. Nesse caso, ambos defendem que o combate à pobreza –o texto tucano cita nominalmente o Bolsa Família– se transforme em “política de Estado”.* * *

 

03
fev

Acontece

Postado às 21:15 Hs

Diretrizes do programa PSB/Rede serão lançadas nesta terça, em Brasília

O governador-presidenciável Eduardo Campos e a fundadora da Rede Sustentabilidade, ex-senadora Marina Silva, lançam nesta terça (04), em Brasília, as diretrizes para o programa de governo da aliança programática PSB-Rede.

O evento será realizado no auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados, a partir das 10 horas. E será transmitido ao vivo pela TV João Mangabeira: www.tvjoaomangabeira.com.br , site do PSB 40 Nacional: www.psb40.org.br e site da Rede Sustentabilidade: www.redesustentabilidade.org.br.

As diretrizes foram elaboradas com a participação da sociedade, por meio da plataforma digital Mudando o Brasil, lançada em novembro de 2013. Os internautas puderam debater e fazer sugestões ao conteúdo programático construído em conjunto por dirigentes, políticos e militantes do PSB e da REDE desde 28 de outubro. Ao todo, foram mais de 1.700 contribuições.

A aliança PSB-Rede Sustentabilidade apresentará no próximo dia 30 de janeiro as bases do programa de governo a ser defendido por seu candidato à Presidência da República, o governador Eduardo Campos (PSB). O anúncio foi feito nesta segunda-feira (13), em Olinda, pelo próprio governador, após solenidade de apresentação do calendário anual de pagamento dos servidores estaduais. De acordo com o socialista, o documento apontará uma direção e indicará as diretrizes gerais que deverão ser seguidas pela coligação. “Qual é a nossa análise do momento em que o mundo passa, que o Brasil passa? Qual é a nossa visão de futuro, qual é a estratégia de desenvolvimento que se faz mais adequada, qual a aliança política necessária para suportar um padrão como esse?”, disse o gestor, indicando os temas que estão sendo discutidos pela aliança.

Eduardo Campos dormia sonhando com os 19.636.359 votos de Marina em 2010 (19,33% do total)

A chapa dos sonhos do governador Eduardo Campos está praticamente consolidada, com ele próprio na cabeça, tendo como vice a ex-senadora e companheira de partido Marina Silva. O governador vinha acalentando a idéia de formar a chapa para agregar ao seu potencial os quase vinte milhões de votos que Marina teve na eleição presidencial de 2010, tornando-se um competidor temível para Dilma Rousseff, e, também, para desbancar o tucano Aécio da briga pelo direito de levar a eleição para o segundo turno. Marina Silva (PV) foi a terceira colocada no pleito de 2010, com 19.636.359 votos (19,33% do total).

 

No final das conversas entre Marina e Eduardo, ambos saíram bem da quebra de braço que ‘amigavelmente’ vinham mantendo dentro do partido. Marina fez prevalecer seu ponto de vista de a legenda não apoiar o tucano Geraldo Alckmin em São Paulo, enquanto Eduardo finalmente conseguiu convencê-la de figurar na sua chapa como candidata a vice-presidente.

A vir a se configurar mesmo a chapa Eduardo-Marina(PSB-Rede), Dilma e Lula vão ter com que se preocupar muito em torno do pleito presidencial deste ano, redefinando estrategias, já que a dupla socialista tem tudo para levar a eleição para o segundo turno, arrastando para seu lado a grande parte dos adversários dos petistas.

A ex-senadora Marina Silva, recém-filiada ao PSB, será confirmada como vice na chapa encabeçada pelo governador e Pernambuco e presidente nacional do partido, Eduardo Campos. A oficialização deverá acontecer ainda até a segunda quinzena de janeiro. Fontes ligadas à cúpula socialista afirmam que a decisão “está tomada” e que o anúncio depende apenas de “alguns ajustes”.

Nos bastidores comenta-se que a decisão de Marina – que fazia questão de manter o mistério sobre se iria ou não brigar pela cabeça da chapa socialista – foi antecipada como forma de garantir a “palavra” de Campos de que o PSB não iria apoiar à candidatura do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin à reeleição.

A aproximação do PSB com o PSDB, que nesta sexta-feira, 3, ingressou oficialmente na gestão do Executivo pernambucano, com a nomeação de tucanos para o primeiro e segundo escalão do governo, teria sido a gota d”água para agilizar a decisão de Marina em aceitar a posição de vice e evitar a aliança pró-Alckmin. Oficialmente, no entanto, socialistas com livre trânsito a Campos garantem que “ainda há chance” de se fechar um acordo que envolva apoio ao PSDB paulista. É esperar para ver.

(Agências)

A sucessão da presidente Dilma Rousseff começou desde que ela foi eleita, em 2010, e vem transcorrendo de forma verdadeiramente sensacional. De início, ninguém tinha dúvida de que Lula seria candidato em 2014. Isso era o óbvio. Ele criara Dilma, a inventara como candidata-poste e a elegera, portanto seria de se esperar o reconhecimento dela, na hipótese de o ex-presidente pretender retornar ao Poder. Mas Lula teve câncer, Dilma se animou, julgando que ele iria abandonar a política. No entanto, o ex-presidente se recuperou plenamente e está de volta ao jogo, contra a vontade dela. Mal se falam, são inimigos cordiais, já cancelaram até a série de viagens em campanha que fariam juntos pelo país, a pretexto de “comemorar os 10 anos de PT no governo”.
Em um ato com cerca de 40 militantes da Rede Sustentabilidade na Praça dos Três Poderes, a ex-ministra Marina Silva afirmou que apesar do parecer contrário do Ministério Público Eleitoral (MPE), os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concederão o registro ao partido, se levarem em conta os autos do processo. Sem conseguir atingir a exigência de 492 mil assinaturas certificadas por cartórios, a Rede pede a validação de 95 mil assinaturas rejeitadas sem justificativa para atender o critério estabelecido em lei. “O processo tem várias etapas. Estamos aguardando a decisão do pleno do TSE, conversamos com todos os senhores ministros e suplentes, apresentamos uma série de razões e temos convicção de que se atendo aos autos os senhores ministros votarão de forma favorável a reconhecer as 95 mil assinaturas que foram encaminhadas e invalidades injustamente pelos cartórios”, disse Marina.
30
set

Corre Corre eleitoral…

Postado às 17:00 Hs

A CINCO DIAS DE DATA-LIMITE, PARTIDOS CORREM ATRÁS DE REGISTRO E FILIAÇÕES

Se a última semana, marcada pela oficialização de duas novas legendas (Pros e Solidariedade), agitou os bastidores do meio político, esta promete ser ainda mais conturbada. Legendas e pré-candidatos têm até sábado (5) para definirem as filiações dos interessados em disputar as eleições de 2014.

Além disso, é grande a expectativa em torno do julgamento no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) do registro da Rede Sustentabilidade, partido da ex-senadora e presidenciável Marina Silva, que deve abarcar candidatos de várias siglas. Outro partido que busca o registro é o Arena (Aliança Renovadora Nacional), que carrega o mesmo nome da organização que sustentou a ditadura militar brasileira (1964-85).

Pela lei, os candidatos precisam estar filiados às legendas em até um ano antes da disputa das eleições, que serão realizadas em 5 de outubro de 2014. Esgotado o prazo, os candidatos não poderão mudar de sigla. A mesma regra vale para a oficialização denovos partidos. Depois de sábado, as legendas que obtiverem registro no TSE só poderão participar das próximas eleições (2016 adiante).

Também encerra no sábado o prazo para a definição dos domicílios eleitorais dos candidatos. Assim, um pré-candidato domiciliado em São Paulo, por exemplo, que queira disputar as eleições no Rio de Janeiro, terá de fazer a transferência do título de eleitor nos próximos dias.

29
set

FIQUE SABENDO…

Postado às 15:43 Hs

# # Auto da Liberdade 2013

Com proposta diferenciada, o Auto da Liberdade 2013 foi encenado nos bairros da cidade, dividido em quatro grandes atos que retratam a história de luta e pioneirismo de Mossoró. As pessoas que não tiveram oportunidade de assistir ao espetáculo nos bairros poderão vê-lo neste domingo, 29, na Avenida Rio Branco. O secretário da Cultura, Gustavo Rosado, informa que os quatro atos serão apresentados a partir das 19h, no Largo Francisco Heronildes da Silva, local onde acontecem os aulões de ginástica. “De lá, faremos um deslocamento por vários equipamentos da Avenida Rio Branco, concluindo na Estação das Artes”, disse. Neste ano, o Auto da Liberdade ganhou um novo formato e invadiu as ruas dos bairros Abolição IV, Belo Horizonte, Nova Vida e Independência, com o intuito de aproximar cada vez mais a população da arte. As apresentações foram iniciadas na segunda, 23, e concluídas na quinta, 26.

# # Esvaziem as gavetas: reforma ministerial é daqui a 90 dias

Duas coisas a Dilma detesta, necessariamente nesta ordem: o “Coisa-ruim” e vazamento de conversas suas com ministros. Ela já dissolveu o conselho político só por isso. Só que, desta vez, ela não vai ficar com raiva. E, se ficar, não vai poder punir o vazador. Ela não deve ficar com raiva porque a notícia servirá de alerta aos que estão pensando diferentemente do que a sua decisão. E, segundo, a confidência foi feita em, pelo menos, duas conversas distintas com distintos ministros, no sentido de pessoas diferentes, obviamente, e, assim, ela jamais saberá quem cometeu a indiscrição. O meu excesso de zelo tem explicação: a presidente já decidiu que não vai esperar, como a maioria dos seus auxiliares deseja, o prazo de desincompatibilização para mandar embora os ministros candidatos. Não; daqui a, no máximo, 90 dias, todos serão obrigados a deixar seus cargos. Aos de olho nas vagas, saibam que assumirão os secretários-executivos.

# # Esperando…

Em volta de Marina Silva, há uma divergência sobre o que fazer se a Rede não vingar. Seu marido e os auxiliares mais próximos acham que Marina não deve filiar-se a partido algum para a disputa de 2014, para reafirmar que é diferente dos outros políticos. Reforçaria, assim, o discurso da Rede para 2016. Já os políticos que a cercam, Walter Feldman, Heloisa Helena, principalmente, querem que Marina entre num partido e se lance candidata a presidente. (Veja)

# # A decisão de José Serra

A próxima semana é decisiva para o futuro político do ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB). Será a última oportunidade para o tucano trocar o PSDB pelo PPS, onde teria a garantia de entrar na briga pela Presidência da República, já que o senador Aécio Neves (MG) é o provável escolhido do seu atual partido para disputar o cargo. O histórico de Serra mostra que ele costuma tomar decisões importantes em cima da hora. Mas, dessa vez, não há muita margem para protelação: o tucano precisa estar filiado à nova sigla em 5 de outubro, exatamente um ano antes do primeiro turno das eleições de 2014. O eventual ingresso no PPS, que já se mostrou receptivo à filiação do ex-governador, seria imediato. Mas o processo de desfiliação do PSDB levaria, pelo prazo legal, até dois dias. Isso obriga o tucano a acelerar sua tomada de decisão se quiser disputar a Presidência pela terceira vez.

Jorge  Béja

O caminho certo para a ex-senadora e ex-ministra Marina Silva trilhar, caso não consiga o registro de seu partido (de nome que não ajuda) no Tribunal Superior Eleitoral, é se filiar a outro partido, dentro do prazo legal.

O precedente apontado aqui no Blog da Tribuna (Fernando Collor e o PRN, que ninguém conhecia, mas todos sabiam do então “caçador de marajás de Alagoas”) é um exemplo.

O prazo para o registro se terminar mesmo dia 5 de outubro (sábado), prorroga-se até o dia 7, segundo disposição dos Códigos Civil e de Processo Civil. Na contagem dos prazos, exclui-se o dia do começo e inclui-se o dia de seu término que, se for sábado, domingo ou feriado, prorroga-se até o primeiro dia útil.

Certamente que Marina Silva, nesta e na próxima semana, estará empenhada 24 horas por dia na demonstração ao TSE de que conseguiu mesmo muito mais até que a totalidade mínima de assinaturas para registrar seu partido. Para seguir e vencer. Ela merece.

25
set

Eleições 2014: Dois novos partidos…

Postado às 10:10 Hs

O plenário Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou na noite desta terça-feira, 24, o registro de dois novos partidos. O Partido Republicano da Ordem Social (PROS) e o Solidariedade são o 31º e 32º partidos com registros válidos no País. O prazo de criação dos partidos que estarão aptos a disputar a eleição de 2014 expira no próximo dia 5 de outubro, de acordo com a Lei Eleitoral.

Na análise do registro do PROS realizada nesta terça-feira apenas o ministro Henrique Neves e a ministra Luciana Lóssio pediram que fossem feitas nova diligências para exame das assinaturas coletadas. A maioria dos integrantes da Corte Eleitoral, no entanto, entendeu que não havia mais necessidade.A aprovação foi por cinco votos a dois.

O registro do Solidariedade teve votação mais apertada, com 4 votos a favor e 3 contra.O ministro relator do processo, Henrique Neves, pediu em seu parecer novas diligências para que fossem investigadas possíveis fraudes na coleta de assinaturas. Ao todo, foram consideradas 495.573 apoiamentos sendo que o necessário eram 592 mil.

O pedido de uma investigação das assinaturas, o que levaria ao adiamento da conclusão do processo, teve o apoio da ministra Luciana Lóssio e Marco Aurélio Mello.

A maioria, no entanto, optou por conceder o registro. Votaram nesse sentido os ministros Dias Toffoli, Laurita Vaz, Otávio Noronha e a presidente da Corte Eleitoral, Carmen Lúcia.

Após a decisão do TSE, o deputado Paulinho da Força, idealizador da legenda e que seguiu a sessão na primeira fila, disse que deverá apoiar nas próxima eleições um candidato de oposição ao governo Dilma. Segundo ele, cerca de 30 deputados federais devem embarcar no Solidariedade.

Ainda está pendente de julgamento pelo TSE o registro de criação do partido Rede Sustentabilidade, da ex-senadora Marina Silva.A maioria do tribunal foi favorável à criação do partido Solidariedade mesmo após o Ministério Público Eleitoral apontar indícios de fraude que poderiam “comprometer” a legalidade da legenda. Entre as denúncias estão indícios de utilização do Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal (Sindilegis) para fraudar assinaturas e notícias de que a assinatura de uma chefe de cartório de Várzea Paulista (SP) também foi fraudada.

(Estadão)

22
set

Eleições 2014: Fazendo a corte

Postado às 18:00 Hs

Sem José Serra no partido, o PPS se encaminha para apoiar Eduardo Campos (PSB) a presidente. No PV, partido pelo qual Marina Silva disputou à Presidência em 2010, também há muita simpatia pelo apoio ao socialista.

Já Marina Silva, se reunirá quinta-feira com o presidente do PEN, Adilson Barroso, para dar resposta quanto à filiação ao partido. Barroso acha improvável a criação da Rede e aposta que Marina concorrerá a presidente pelo PEN. (O Globo – Ilimar Franco)

10
set

CNT aponta Dilma na liderança…

Postado às 12:16 Hs

Via Agência Estado

 

A intenção de votos para reeleger a presidente Dilma Rousseff passou de 33,4% em julho para 36,4% em setembro, de acordo com levantamento da Confederação Nacional do Transporte (CNT), realizada em parceria com a MDA, divulgado nesta terça-feira, 10. Na pesquisa estimulada, que dá quatro opções de possíveis candidatos para os entrevistados, a ex-senadora Marina Silva aparece na segunda posição, com 22,4%, ante 20,7% no mesmo período. O senador Aécio Neves (PSDB) manteve o porcentual de 15,2% das intenções de votos. O desempenho do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), oscilou de 7,4% para 5,2%.

No levantamento feito em junho pela CNT, Dilma aparecia com mais de 50% das intenções de voto. Também houve redução no porcentual de pessoas que responderam que votariam branco ou nulo: de 17,9% para 14,9%. Outros 5,9% não responderam. Foram entrevistadas 2.002 pessoas, em 135 municípios de 21 unidades da federação, das cinco regiões, entre os dias 31 de agosto e 4 de setembro.

Já na pesquisa espontânea (quando não são apresentadas as opções ao entrevistado), Dilma também aparece em primeiro, com 16% das intenções de voto. Em seguida, aparece o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com 9,7% das intenções. Depois estão Marina, com 5,8%, Aécio (4,7%); Campos (1,6%) e o ex-governador José Serra (PSDB), com 1%. o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) e o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, também apareceram nas respostas, ambos com 0,5% das intenções de voto.

09
set

@ @ É NOTÍCIA … @ @

Postado às 9:26 Hs

  • Cortejados de forma indiscreta por pré-candidatos a presidente da República no ano que vem, prefeitos de todo o país formam um exército poderoso na guerra eleitoral por votos, mas sua fidelidade é volátil e depende de vários fatores. O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), ainda não fechou alianças em torno de seu projeto, mas já conta com 442 prefeitos da legenda que preside. Levando-se em conta somente os partidos que atualmente sustentam cada candidatura, Dilma Rousseff (PT) larga na frente, com 1.659 petistas e peemedebistas que comandam prefeituras em todo o país. Em seguida, aparece o senador Aécio Neves (PSDB), que soma 1.103 chefes de executivos municipais na sua linha de frente, tomando como base tucanos e filiados ao PPS e ao DEM O PSC e o PSol, que também devem lançar candidatos, têm respectivamente 83 e duas prefeituras. De um total de 5.564 municípios do país, 3.934 são governados pela base aliada do governo federal – sem contar os do PSB e PSC –, mas o passado recente mostra que isso não é garantia de apoio.(De O Estado de Minas)
  • Presidente nacional do Democratas, o senador José Agripino Maia acendeu a luz amarela na sucessão do Rio Grande do Norte. Após o rompimento político do PMDB, o senador ficou preocupado com a chapa proporcional do partido. Caso não perca o deputado federal Betinho Rosado, o partido terá dois candidatos à reeleição para a Câmara dos Deputados, já que Felipe Maia também vai concorrer. O cociente eleitoral para chegar a uma cadeira em Brasília é estimado em 250 mil votos. Já para a Assembleia Legislativa, os deputados Getúlio Rego e José Adécio são candidatos. A situação de dúvida rola com Leonardo Nogueira, que pode abrir para a esposa, Fafá Rosado, ex-prefeita de Mossoró, que pode assinar a ficha do PMDB, PR ou PV. Sem coligação, dificilmente o DEM conseguia reeleger todos.
  • Os negociadores dos pré-candidatos Eduardo Campos (PSB), Marina Silva (Rede Sustentabilidade) e Aécio Neves ( PSDB), apesar da promessa de apoio mútuo num eventual segundo turno, disputam em partidos da base governista e da oposição o apoio de estrelas que podem melhorar seus desempenhos em todas as regiões. Nesse período, o suspense é geral, até mesmo para Dilma, que tem de afastar de vez o “volta Lula’. Quase como numa corrida maluca, até o fim das próximas quatro semanas, quando termina o prazo de troca-troca e de filiação partidária para valer nas eleições do ano que vem, os três pré-candidatos de oposição ao Planalto vão enfrentar o pouco tempo que resta com um objetivo: tentar garantir o maior número de aliados, vencer obstáculos internos em seus partidos e costurar palanques estaduais competitivos para brigar com a presidente Dilma Rousseff, do PT, que recuperou parte da popularidade perdida com as manifestações de rua.(O Globo)
  • A Receita Federal libera hoje (9) a consulta ao quarto lote de restituições do Imposto de Renda (IR) Pessoa Física 2013. Todos os anos são liberados sete lotes regulares. O último está previsto para 16 de dezembro. Para saber se a declaração foi liberada, o contribuinte deverá acessar a página da Receita na internet ou ligar para o Receitafone 146. A Receita disponibiliza ainda aplicativo para tablets e smarthphones que usam os sistemas operacionais Android e iOS, que facilitam a consulta. Quem identificou algum erro, deve enviar uma declaração retificadora. O extrato da declaração é disponibilizado no Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-CAC) no qual se encontram outras informações relativas ao IR.
  • O músico Luiz Carlos Leão Duarte Junior, o Champignon, ex-integrante da banda Charlie Brown Jr., foi encontrado morto dentro de seu apartamento, no Morumbi, zona oeste de São Paulo, na madrugada desta segunda-feira (9). Ele morava com a mulher no Condomínio Edifício Morumbi Park, na rua Doutor Luiz Migliano. Vizinhos ligaram para a Polícia Militar após ouvir um barulho de tiro e os gritos da mulher do músico no 10º andar. Segundo a Polícia Militar, Champignon e a mulher tinham saído com um casal de amigos para jantar em um restaurante japonês na noite deste domingo (8). Cerca de dez minutos depois de o músico e a mulher retornarem para o apartamento, os moradores do prédio escutaram o disparo de arma de fogo. Além da PM, policiais civis 89º DP (Portal do Morumbi) estiveram no prédio. A Polícia Civil investigará se Champignon teria se suicidado com um tiro na boca. A mulher do músico estava em estado de choque, de acordo com a polícia.
mar 2
terça-feira
18 06
ENQUETE

Você acha que o brasileiro acostumou-se com a Corrupção ao longo do tempo ?

Ver resultado parcial

Carregando ... Carregando ...
PREVISÃO DO TEMPO
INDICADOR ECONÔMICO
100 USUÁRIOS ONLINE
Publicidade
  5.860.022 VISITAS