11
set

PSD oficializa apoio a Allyson Bezerra

Postado às 20:34 Hs

Via Blog do Barreto 

Com 32 candidatos a vereador, PSD oficializou em convenção apoio à candidatura a prefeito do Deputado Estadual Allyson Bezerra (SD).

“Estamos hoje oficializando apoio a pré-candidatura do Deputado Allyson Bezerra a prefeito de Mossoró. Sofremos pressões para mudar nossa opção, para negar nossa escolha e deixar de cumprir nossa palavra. Mas eu e o PSD, corremos atrás, estamos firmes, estamos fortes e estamos juntos, no apoio à candidatura do Deputado Allyson Bezerra a Prefeito. Fomos pressionados para mudar, mas estamos no rumo correto. Para Mossoró mudar é preciso ter coragem e isso eu tenho”, afirmou o vereador Raério Araújo.

“O PSD anunciando esse apoio ao nosso projeto me sinto muito fortalecido, mais empolgado e confiante e acreditando ainda mais que vamos para uma grande vitória”, destacou Allyson.

Também participaram do evento o presidente do estadual do Solidariedade Lawrence Amorim e o ex-vereador Tomás Neto

O Partido Social Democrático (PSD) decidiu suspender a filiação da deputada federal Flordelis (RJ). Nesta segunda-feira (24), a Polícia Civil do Rio de Janeiro concluiu que a deputada é mandante do do assassinato do próprio marido, pastor Anderson do Carmo.

De acordo com presidente do partido, Gilberto Kassab, a sigla vai adotar medidas internas para expulsar a deputada de seus quadros.

“Diante do indiciamento da parlamentar, o corpo jurídico do partido adotará as medidas para a suspensão imediata de sua filiação e, a partir dos desdobramentos perante a Justiça, serão adotadas as medidas estatutárias para a expulsão da parlamentar dos seus quadros”, afirmou Kassab, por meio de nota.

AGÊNCIA BRASIL

 

A criação de um partido único de centro é ideia que empolga diversas lideranças, João Doria (PSDB) e Rodrigo Maia (DEM) à frente, mas enfrenta resistências fortes por parte das principais siglas envolvidas na discussão.A Folha de São Paulo conversou com líderes tucanos, do DEM e do PSD, agremiações que formariam o núcleo do novo partido. O diagnóstico é semelhante: é algo impossível ocorrer para o pleito municipal de 2020 e muito difícil para a eleição presidencial de 2022, quando uma frente contra Jair Bolsonaro (PSL) e a esquerda surge como hipótese mais provável.A fusão, num cenário com 30 partidos com representação na Câmara dos Deputados, sempre pareceu lógica.

Via Carol Ribeiro

Ex-candidato a vice-governador ao lado de Robinson Faria, Tião Couto, filiado ao PL, é o novo coordenador do PSD em Mossoró. Através de assessoria, o líder do partido no RN, Robinson Faria, comunicou ao Blog que a condução é de Tião Couto, que inclusive o acompanhou em convenção partidária em Baraúna na semana passada.

Aparentemente sem comando, o partido que tem a maior bancada na Câmara de Vereadores de Mossoró tem sido questionado pelos parlamentares que fazem parte da legenda.

Bancada

Os três vereadores do PSD Mossoró, Emílio Ferreira, Tony Cabelos e Maria das Malhas, já têm como certa a saída da sigla. Segundo eles, o partido não tem diálogo e eles sequer sabiam quem estaria à frente das articulações para as eleições do próximo ano. “Cheguei a ligar para Jório Nogueira, mas ele não está mais à frente”, disse Tony. Se depender do coordenador Tião Couto eles terão a liberação para deixar a legenda. Em conversa com o Blog, Tião disse que “eles não buscaram o partido para ficar à frente, não tiveram interesse”.

Raério Araújo
De outro lado está o vereador Raério Araújo (PRB). Buscando um novo destino partidário depois de ser escanteado pelo PRB, ele tem buscado espaço para assumir o PSD na cidade.  Tião Couto não descarta a ideia. Segundo ele, ainda não está determinado se continuará filiado ao PL ou se migrará para assumir o comando do PSD oficialmente.
Caso permaneça no PL, deverá ainda assim seguir opinando no caminho do PSD para as eleições. O empresário-político vem considerando a possibilidade de Raério Araújo tomar o bastão oficialmente. “Nada está definido ainda”, diz.
09
abr

* * * Quentinhas … * * *

Postado às 9:39 Hs

* * * Os deputados estaduais Galeno Torquato (PSD), Vivaldo Costa (PSD), Dison Lisboa (PSD) e Jacó Jácome (PSD) acreditam que conseguirão permanecer com as quatro cadeiras na Assembleia. Eles confiam na estratégia de lançar diversos candidatos pequenos pra bater esteira. O PSD tem confirmados, até o momento, pelo menos cinco “batedores”. * * *

* * * O novo prefeito de Natal, Álvaro Dias (MDB), vai tomar posse amanhã. A solenidade será às 17 horas na sede da OAB, em Candelária.Álvaro assume o governo municipal prometendo ao ex-prefeito Carlos Eduardo Alves (PDT), que vai manter todo o secretariado, mudando apenas o chefe da Casa Civil, cargo que Carlos Eduardo, inclusive, já deixou vago, ao exonerar o titular Homero Grec.

* * * Recém-filiado ao PDT, o ex-deputado federal Ney Lopes de Souza será candidato a uma vaga na Assembleia Legislativa. Na coligação pesada com DEM e MDB, precisará ultrapassar a marca dos 50 mil votos para se eleger. * * *

* * * Existe sim, um namoro, entre o PR do pré-candidato a deputado federal João Maia e o PSD do governador e pré-candidato à reeleição Robinson Faria. Um aviso aso navegantes de águas profundas. Não subestime a capacidade de articulação de Robinson e Fábio Faria. Robinson está no páreo. * * *

 

07
abr

Ricardo Gurgel disputará Câmara pelo PSD

Postado às 17:15 Hs

Uma das principais lideranças políticas de Parnamirim, o ex-vereador Ricardo Gurgel comemorou a filiação ao PSD na manhã deste sábado (07), em ato político na Câmara Municipal. Ricardo chega ao partido como pré-candidato a deputado federal nas eleições de 2018.

O evento contou com a presença do governador Robinson Faria, presidente estadual do PSD, do deputado federal Fábio Faria, do deputado estadual Dison Lisboa e de vereadores e lideranças políticas de Parnamirim.

RICARDO GURGEL disse que estava há 24 anos em outro partido, mas hoje está livre para acompanhar o governador Robinson “aonde ele for”. “Estamos unidos em torno de um projeto para Parnamirim, e vou lutar pela minha cidade” destacou.

Para o governador ROBINSON, o momento é de alegria e agradecimento a Ricardo Gurgel pelo apoio e confiança. “Agora vou retribuir seu apoio”, destacou. “Ricardo é um homem bom, generoso, amigo do povo”.

Robinson afirmou que a marca do PSD é a da luta, e que, assim como ele, não desanima diante da crise. “São três anos da maior crise que o Brasil já enfrentou. Mas não desanimamos. Mesmo na crise realizamos mais de mil obras”, disse.

Com a saída de Sandra e Larissa Rosado do PSB para o PSDB, o Partido Socialista Brasileiro busca nomes para assumir a legenda no município de Mossoró.
O que pode pode trazer de volta à política o casal Fafá Rosado e  Leonardo Nogueira, que se mantém afastados desde as eleições de 2016, quando Fafá atuou nos bastidores em favor de Tião Couto (em 2014 )Fafá não conseguiu ser eleita deputada federal pelo então PMDB.
O casal esteve em Natal numa conversa com Rafael Motta, líder do partido no RN, e pode fazer divulgação oficial em breve. Enquanto isso, há, nos bastidores, quem afirme que a filiação já está assinada. Ainda não está acertada candidatura de um dos dois para a disputa eleitoral que se aproxima.
Outra possibilidade:
Excluída do processo eleitoral de 2016 onde não conseguiu ser encaixada em nenhuma chapa, Fafá busca alguma estrutura que impulsione para 2018. A proposta de Robinson é entregar a ela o PSD em Mossoró e lhe dar condições de tentar uma cadeira de deputado estadual, cargo ocupado duas vezes pelo marido dela, Leonardo Nogueira.A última campanha que Fafá e Robinson dividiram o mesmo palanque foi na eleição suplementar de 2014 quando ambos estiveram no palanque vitorioso de Francisco José Junior, eleito prefeito de Mossoró. A aliança não durou muito tempo.

Fontes: Blog do Barreto & Blog da Carol Ribeiro

19
set

Francisco José Jr se desfilia do PSD

Postado às 19:05 Hs

O ex-prefeito Francisco José Jr. entregou a sua desfiliação do PSD, partido que tem a frente no Rio Grande do Norte o governador Robinson Faria.

Um dos motivos seria a não concordância com o sistema atual de governo. A desfiliação foi entregue ao ex-vereador, presidente do PSD em Mossoró, Jório Nogueira, e já seguiu para sanção judicial.

Francisco José Jr. deve anunciar em breve qual o partido que fará parte de agora em diante. Por lei, caso queira ser candidato, ele tem até o dia 30 de setembro para se filiar a uma nova sigla.

Fonte: Blog RN Mais

Cotado para ser candidato à Presidência em 2018 desde que assumiu o cargo de ministro da Fazenda, Henrique Meirelles quer se candidatar e teria o apoio de seu partido, o PSD, mas sabe que só terá chances reais com uma melhora respeitável da economia, disse à Reuters uma fonte próxima ao ministro. O nome de Meirelles surge como alternativa para a Presidência desde sua nomeação como ministro pelo presidente Michel Temer. Até mesmo em especulações sobre um possível afastamento do presidente, envolvido em denúncias apresentadas pela Procuradoria-Geral da República, o ministro aparecia como uma das hipóteses em uma eleição indireta.
13
abr

Desembarque ou arrastão ?

Postado às 11:26 Hs

O PSD (Partido Social Democrático), presidido pelo ministro Gilberto Kassab (Cidades), marcou para 11h30 de hoje uma reunião de sua bancada na Câmara dos Deputados. A pauta é como a legenda deverá se posicionar a respeito do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, no domingo (17.abr.2016). Ontem (12.abr.2016) havia apenas 8 dos 36 deputados federais do PSD ainda dispostos a votar a favor do Palácio do Planalto. Hoje, esse número deve cair para perto de zero. Até a semana passada, Gilberto Kassab relatava para Dilma Rousseff para o governo que em condições muito positivas o PSD daria de 13 a 16 votos contra o impeachment. Essa previsão mudou drasticamente –sobretudo depois que ontem (3ª), o PP (Partido Progressista) desembarcou do governo. Segundo o líder do PSD na Câmara, Rogério Rosso (do Distrito Federal), a reunião da bancada “começa às 11h30 e não tem hora para acabar”. A ideia é ouvir todos os deputados e assumir uma posição unificada –embora não seja uma tradição da legenda “fechar questão” e obrigar todos a votar da mesma forma. “Mas se for uma posição de 80% a 90% da bancada ficaria difícil não assumir uma posição mais firme”, declara Rosso, que presidiu a Comissão Especial do Impeachment e votou pelo afastamento da presidente da República.
05
abr

Enquanto isso…

Postado às 10:30 Hs

Três partidos covardes: PP, PR e PSD

Os três partidos que negociam espaços no governo — PP, PR e PSD — decidiram em conjunto deixar o anúncio da nova configuração de ministérios para depois da votação do impeachment em plenário. A avaliação é que, se Dilma Rousseff sobreviver ao processo, precisará do “centrão” para governar e, portanto, cumprirá o acordo.

Mas, na hipótese da petista tombar pelo caminho, ao menos se livram da foto da posse e elevam o passe para negociar com o governo do dia seguinte. Última hora A declaração de apoio à petista, porém, teria de ocorrer antes da votação.

O PP, que deve combinar com as demais legendas parceiras a data do anúncio, já fala em se posicionar somente em 11 de abril — a menos de uma semana do dia D.

Painel

31
mar

Opinião

Postado às 9:18 Hs

A ordem é comprar votos

Na tentativa de barrar o impeachment, a presidente Dilma começou, ontem, no dia seguinte ao perder o PMDB, a lotear o seu fim de Governo de forma vergonhosa. Ao PP, que já tem a Integração Nacional, ofereceu Saúde. Ao PR, donatário atual da área de Transportes, ofertou Minas e Energia. Ao PSD, que ocupa Cidades, estendeu o latifúndio do Turismo.

As ofertas são as mais descabidas. Não interessa currículo ou capacidade de gerenciamento. O que está em jogo é a guerra travada com a oposição na Câmara dos Deputados para sepultar qualquer tentativa desdobramento do processo de impeachment, aberto pela Comissão Especial, que aprova o relatório provavelmente na terça-feira, 12.

O PP tem uma bancada de 49 deputados. Segundo vazou ontem, a promessa do partido é a garantia de 30 votos, no plenário da Câmara, onde o Governo só tem, hoje, 102 votos para os 172 necessários de freamento do impeachment. Dos 102, 58 seriam do PT, 20 do PDT, 13 do PCdoB, 6 do PSOL e 5 da Rede.

Na prática, o Governo precisaria de mais 70 votos, o que pode vir, no toma-lá-dá-cá, do PP, PR e PSD, que, juntos, criam uma espécie de Frentão, movimento que eclodiu na Constituinte, liderado pelo ex-deputado Ricardo Fiúza, com a expressão intenção de impedir avanços na Carta Magna.

A negociação com o novo Centrão é para tornar o deputado Cacá Leão (PP-BA) o novo ministro da Integração Nacional no lugar de Gilberto Occhi, que tem menor representatividade na bancada de 49 deputados. Occhi assumiria a presidência de alguma estatal ou autarquia federal. A Saúde ficaria com o deputado Ricardo Barros (PP-PR).

Em reunião na manhã de hoje, no gabinete do presidente do PP, Ciro Nogueira (PI), o partido decidiu marcar para o dia 11, véspera da votação do impeachment na Comissão Especial da Câmara, a decisão final se vai ou não permanecer no Governo. Logo depois da reunião, o deputado Ricardo Barros disse que não foi convidado para nenhum ministério e que nem poderia discutir qualquer assunto relacionado a isto porque seu partido decidiu marcar reunião para o dia 11 para decidir sua posição sobre o impeachment.

O nome de Barros, porém, faz parte da lista que o Palácio do Planalto montou para tentar garantir a manutenção do PP na base aliada e, com isto, evitar a abertura do impeachment. Ciro se encontrou, na última terça-feira, com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que comanda os entendimentos para tentar barrar o impeachment de Dilma Rousseff.

A Saúde é comandada hoje pelo deputado licenciado Marcelo Castro (PMDB-PI), cuja permanência se tornou difícil após a decisão do PMDB de romper com o Governo. Além do PP, PR, PSD e outras legendas menores, como o PTN e o PHS estão sendo procuradas pelo Governo com a proposta de ocupar o espaço que será aberto com a entrega de ministérios e cargos pelo PMDB.

Fonte: Blog do Magno

Via Blog de Cristiana Lôbo

 

Em substituição ao PMDB, que anunciou nesta terça-feira seu desembarque do governo, a presidente Dilma Rousseff deu início a conversas para a formação de um novo bloco na Câmara, formado por PP, PR e PSD que, juntos, somam 129 votos – contra os 69 votos do PMDB. Para isso, a presidente está disposta a abrir mais espaço a esses partidos. O “espólio” do PMDB (sete ministérios e mais de 700 cargos) está sendo disputado: o PP sonha conquistar o Ministério da Saúde; o PR, além do Ministério dos Transportes, que comanda hoje, gostaria de ter também o comando de Portos; e o PSD gostaria de ter também o Ministério dos Esportes.

Com essa reoganização do ministério, a presidente espera reunir pelo menos 172 votos, número necessário para barrar o processo de impeachment em tramitação na Câmara. Se conseguir isso, desempenho considerado difícil no quadro atual, Dilma se disporia a comandar um governo com minoria, mas com base mais estável.

A presidente está sendo aconselhada a definir as mudanças na equipe até a próxima sexta-feira, como anunciou o chefe de Gabinete da Presidência, Jacques Wagner, nesta terça, ao comentar a saída do PMDB do governo. Nesta terça, ela teve conversas com o presidente do PSD, Gilberto Kassab; e com o presidente do PP, Ciro Nogueira. A Kassab foi dito que o partido só ganhará mais espaço se a bancada estiver unida em apoio ao governo. Kassab disse à presidente que não houve a liberação dos votos da bancada – negando, portanto, informação transmitida por deputados.

Para um auxiliar do governo, a união de PP, PR e PSD seria um “novo centrão”, numa referência a um bloco formado na Constituinte reunindo vários partidos que, na ocasião, deu maioria aos conservadores. O “centrão” na Constituinte acabou superando o PMDB, partido que tinha a maior bancada na Câmara e no Senado.

A ideia da presidente, segundo auxiliares, é aguardar uma manifestação dos ministros do PMDB (que marcaram reunião para a noite desta terça na tentativa de buscar uma solução conjunta) e, depois disso, tomar a decisão.Na avaliação do Planalto, se o líder do PMDB na Câmara, deputado Leonardo Picciani, assegurar votos de 15 a 20 deputados, o partido poderá manter o comando de um ministério – o da Saúde ou o da Ciência e Tecnologia, dependendo das negociações com outros partidos.

Dos ministros senadores, pelo menos Kátia Abreu deve continuar – permanecendo ou não no PMDB. Esse quebra-cabeça foi discutido nesta terça-feira no Palácio da Alvorada, em reunião da presidente Dilma com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e com os ministros Ricardo Berzoini e Jaques Wagner.

16
mar

Deputados migram para o PSD

Postado às 17:01 Hs

O governador Robinson Faria, presidente estadual do PSD, abonou hoje a filiação ao partido do deputado estadual Jacó Jácome.

Jacó deixou o PMN para se filiar ao partido do governador.  O governador Robinson Faria vai fortalecendo o PSD no Rio Grande do Norte atraindo deputados estaduais para o partido. Outro que também assinou ficha no PSD foi Carlos Augusto Maia que deixa o PT do B.

Com os dois novos filiados o PSD passa a contar com  4 deputados na Assembléia.

E a política potiguar e o troca troca eleitoral !

As bancadas do PR, PSD e PROS formarão o segundo maior bloco partidário da Câmara Federal, a partir da próxima quarta-feira, com 80 deputados.A decisão já está tomada e só falta ser formalizada junto à Mesa Diretora do parlamento.Até então, as três legendas integravam o bloco junto com PT e PCdoB, que agora seguem rumos distintos.

No acordo de criação do bloco ficou definido que as bancadas terão como metas defender a responsabilidade fiscal, produção, geração de emprego e renda, busca pela reconstrução da economia do Brasil e retomada do crescimento.

O segundo maior bloco tem 34 deputados do PR, 34 do PSD e 12 do PROS.O grupo parlamentar com mais deputados é formado pelo PP, PTB, PSC e PHS, que somam 81 integrantes.

20
set

Esquecidos…

Postado às 13:10 Hs

Fátima Bezerra  e Fernando  Mineiro, não recebem convite e não prestigiam evento do PSD de Robinson

A senadora do PT, Fátima Bezerra e o líder do governo na Assembléia Legislativa, o deputado estadual Fernando Mineiro, não prestigiaram o encontro regional do PSD, partido presidido pelo governador Robinson Faria, simplesmente porque não foram convidados para comparecer ao evento realizado ontem em Natal e que contou com a presença do presidente nacional da legenda e ministro das Cidades, Gilberto Kassab.

Para explicar e justificar a ausência da senadora, deputado estadual e demais filiados do PT, na formação e composição da Mesa, o governador Robinson Faria usou o microfone durante a solenidade para pedir desculpa aos petistas e informar que a organização do evento por esquecimento não enviou convite aos seus aliados e parceiros para participar do encontro regional.

Apesar do pedido público de desculpa, ficou a sensação de que falta sintonia e afinação política do PSD com o PT, principalmente, quando o líder do governo na Assembléia e deputado estadual Fernando Mineiro, que é apontado como pré-candidato do PT a prefeito de Natal, não é sequer convidado por esquecimento.

Diversas lideranças políticas participam, neste momento, do evento de filiação do PSD, em Natal. O encontro ocorre em um hotel no bairro de Lagoa Nova. Em comum entre os oradores o discurso de enatelcer o crescimento do PSD. O presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Ezequiel Ferreira, destacou que a classe política do Estado está unida em torno dos problemas do Estado e observou a força do PSD. “Estamos todos unidos para enfrentar e vencer (os problemas do Estado)”, ressaltou.

O presidente da Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte, Francisco José Júnior, destacou que o PSD já soma 21 prefeitos, afora os que 12 assinaram hoje a ficha de filiação. “Nós prefeitos que passamos pela pior crise, o ministro das Cidades se unindo conosco para a gente enfrentar a crise”, destacou. O prefeito Fabrício Torquato discursou em nome dos gestores que assinam hoje a ficha de filiação. “Quando fiz a opção partidária foi pela independência partidária. E um outro motivo é o grande parceiro político aqui presente”, destacou.
O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, que deixou o PT e se filiou ao PSD, enalteceu o trabalho do ministro das Cidades Gilberto Kassab e ressaltou que “a mudança de partido já foi muito bem recebida”. O deputado Dison Lisboa, líder do PSD na Assembleia Legislativa, afirmou que é preciso enfrentar as adversidades do Estado, principalmente a problemática da seca. “Mas nosso povo é trabalhador e acredita nas mudanças que serão feitas pelo governador Robinson Faria”, completou. O deputado Gustavo Carvalho definiu o evento do PSD como uma “festa familiar”. “E vocês (prefeitos que assinaram a ficha de filiação) escolheram a família certa”, completou.
17
set

Acontece

Postado às 16:31 Hs

Encontro do PSD em Natal receberá caravanas de todo o RN

Encontro regional que o Partido Social Democrático (PSD) realizará neste sábado, 19, a partir das 15h, no hotel Holiday Inn, na Avenida Salgado Filho, próximo ao Estádio Arena das Dunas, receberá caravanas de militantes e políticos de todo o Rio Grande do Norte. O diretório estadual espera reunir mais de 500 filiados no evento.

Além da presença do presidente estadual do PSD, governador Robinson Faria, a reunião contará com a presença do líder nacional do partido, o ministro das cidades Gilberto Kassab, além de deputados Federais e estaduais do partido.O partido realizará novas filiações debaterá temas relacionados às eleições municipais de 2016, quando as novas regras em discussão no congresso nacional serão apresentadas.

out 17
domingo
22 14
ENQUETE

Você acha que o brasileiro acostumou-se com a Corrupção ao longo do tempo ?

Ver resultado parcial

Carregando ... Carregando ...
PREVISÃO DO TEMPO
INDICADOR ECONÔMICO
53 USUÁRIOS ONLINE
Publicidade
  5.881.804 VISITAS