A ocupação de leitos de terapia intensiva do Sistema Único de Saúde (SUS) para adultos com Covid-19 superou 80% em nove unidades da federação e 13 capitais, alertou hoje (3) uma nota técnica do Observatório Covid-19, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O Rio Grande do Norte (RN) e a Capital Potiguar, Natal (RN), estão na chamada zona de alerta crítico.

Os pesquisadores consideram que a ocupação de mais de 80% dos leitos de Unidade de Terapia Intensivo (UTI) configura zona de alerta crítico e apontam que essa situação era registrada, no dia 31 de janeiro deste ano, no Piauí (87%), Rio Grande do Norte (86%), Pernambuco (88%), Espírito Santo (83%), Mato Grosso do Sul (103%), Goiás (91%), Distrito Federal (97%), Amazonas (80%) e Mato Grosso (91%).

Entre as capitais, as 13 que estão na zona de alerta crítico são: Manaus (80%), Macapá (82%), Teresina (83%), Fortaleza (80%), Natal (estimado de 89%), Maceió (81%), Belo Horizonte (86%), Vitória (80%), Rio de Janeiro (95%), Campo Grande (109%), Cuiabá (92%), Goiânia (91%) e Brasília (97%).

Agência Brasil

O Brasil aplicou a dose de reforço de uma vacina contra a covid-19 em 52% dos idosos. Das 31,3 milhões de pessoas com 60 anos ou mais, 16,4 milhões já receberam a injeção adicional. A 3ª dose foi administrada em 11% dos adultos de 18 a 59 anos. O país tem 128,7 milhões de pessoas nesse grupo. Dessas, 14,2 milhões tiveram a aplicação extra. O dado de doses aplicadas por faixa etária foi consultado nesta 6ª feira (21.jan.2022) na plataforma Localiza SUS, do Ministério da Saúde. O Poder360 comparou o número com as projeções de população por idade do IBGE. Os números do Localiza SUS demoram para ser contabilizados. A plataforma informa que 31 milhões de pessoas receberam o reforço. Informações mais atualizadas dos Estados, compiladas pela plataforma Coronavirusbra1, mostram que 40 milhões tomaram a 3ª dose. Contudo, só é possível ter detalhamento por idade na base de dados federal.

O Ministério da Saúde divulgou nesta quarta-feira (21) orientações para a vacinação contra o novo coronavírus de pessoas com comorbidades, próximo grupo prioritário na fila estabelecida pelo Plano Nacional de Imunização (PNI).

A recomendação é que elas sejam convocadas pelos governos estaduais e municipais de acordo com suas idades, dos mais velhos para os mais novos. Assim, serão vacinadas pessoas de 55 a 59 anos, depois de 50 a 54 anos, e assim por diante.

De acordo com a pasta, é importante que as pessoas pertencentes ao grupo das comorbidades estejam pré-cadastradas no Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (Sipni) ou em alguma unidade de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS).

No entanto, quem não estiver nesses dois sistemas poderá apresentar, no momento da vacinação, um comprovante que demonstre pertencer a um destes grupos de risco, incluindo exames, receitas, relatório médico ou prescrição médica.

“O grupo prioritário das comorbidades é um dos maiores da ordem estabelecida pelo Plano de Vacinação do Ministério da Saúde. São mais de 17 milhões de pessoas que, muito em breve, serão vacinadas. Esse movimento será muito importante para proteger as pessoas que estão nesse grupo de risco e, também, para a ampliação da vacinação no Brasil”, afirmou, em nota, o secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros.

Fazem parte do grupo de comorbidades descrito pelo Ministério da Saúde as pessoas que apresentam as seguintes doenças:

  • diabetes mellitus
  • doenças pneumopatias crônicas graves (incluindo doença pulmonar obstrutiva crônica, fibrose cística, fibroses pulmonares, pneumoconioses, displasia broncopulmonar e asma grave)
  • hipertensão arterial resistente (HAR)
  • hipertensão arterial estágio 3
  • hipertensão arterial estágios 1 e 2 com lesão em órgão-alvo
  • insuficiência cardíaca
  • cor-pulmonale e hipertensão pulmonar
  • cardiopatia hipertensiva
  • síndromes coronarianas
  • valvopatias
  • miocardiopatias e pericardiopatias
  • doenças da Aorta, dos Grandes Vasos e Fístulas arteriovenosas
  • arritmias cardíacas
  • cardiopatias congênita no adulto
  • próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados
  • doença cerebrovascular
  • doença renal crônica

Também entram nessa classificação:

  • Imunossuprimidos
  • Anemia falciforme
  • Obesidade mórbida
  • Síndrome de down
  • Cirrose hepática

CNN Brasil

Além da prisão do vereador de Parnamirim Diogo Rodrigues (PSD) e da investigação em cima do deputado estadual Souza (PSB), a Operação Fura-fila, deflagrada pelo Ministério Público do RN nesta terça-feira, afastou cinco secretários municipais. Todos são acusados de envolvimento em esquema fraudulento no sistema de marcação de consultas e exames do Sistema Único de Saúde (SUS) no Estado. Secretários municipais de Saúde e de Assistência Social estariam envolvidos com o esquema fraudulento. O MPRN apurou que cinco mantinham ligação direta com Diogo Rodrigues, acusado de ser o cabeça do esquema. Por esse motivo, a Justiça determinou o afastamento e a proibição de ocupar cargo comissionado ou de ser contratado temporariamente pelo Poder Público pelo prazo de seis meses de Gleycy da Silva Pessoa, secretária de Saúde de Brejinho; Maria Madalena Paulo Torres, secretária de Saúde de Frutuoso Gomes; Alberto de Carvalho Araújo Neto, secretário de Saúde de Arês; Anna Cely de Carvalho Bezerra, secretária de Assistência Social de Brejinho, e Eliege da Silva Oliveira, ex-secretária de Saúde de Ielmo Marinho.
A população do estado do Rio Grande do Norte vai contar com mais recursos federais para qualificar o cuidado em saúde. Nesta sexta-feira (16), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, anunciou R$ 84,6 milhões para reforçar a atenção Primária e Hospitalar em 51 municípios do estado. Os recursos serão usados para compra de equipamentos, obras de construção, reforma e ampliação de unidades de saúde, além de reforçar o custeio dos serviços de urgência e emergência e, desta forma, ampliar a capacidade de atendimento à população. O ministro da Saúde destacou que os recursos devem ajudar a fortalecer o sistema de saúde do estado do Rio Grande do Norte e, ainda que, a aproximação dos entes federativos, principalmente na gestão do SUS, é fundamental para fortalecer os serviços e atendimento à população. “É preciso juntar ao máximo os entes federativos. E o presidente Jair Bolsonaro me pediu pessoalmente vá ao Nordeste, vá ao Rio Grande do Norte.
06
ago

Cobrança

Postado às 4:59 Hs

Buscando enriquecer os debates em torno da Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência, a presidente do Conselho de Secretarias Municipais do Rio Grande do Norte (Cosems-RN), Maria Eliza Garcia, participou na tarde desta segunda-feira (5) de audiência pública na Assembleia Legislativa do RN (ALRN). As discussões foram de iniciativa do deputado estadual Vivaldo Costa (PSD); médico por formação, o parlamentar direciona boa parte de sua atuação a temas voltados ao Sistema Único de Saúde (SUS). “Sabemos das dificuldades que as pessoas com deficiência têm e também do desrespeito que muitas vezes são tratados os seus direitos adquiridos por lei”, frisou a presidente do Cosems-RN, destacando que no ano de 2018 o Ministério da Saúde solicitou ao Governo do RN a devolução de recursos na ordem de R$ 2 milhões da Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência.
28
mar

Ação Parlamentar

Postado às 22:33 Hs

Em reunião com representante do Ministério da Saúde, Rafael Motta discute ações emergenciais para o SUS. O deputado federal Rafael Motta (PSB-RN) participou, hoje (27), de uma audiência com o secretário Executivo do Ministério da Saúde, Dr. João Gabbardo dos Reis. A governadora Fátima Bezerra, senadora Zenaide Maia e o secretário de Estado da Saúde Pública, Cipriano Maia, também estiveram presentes na reunião.

O Rio Grande do Norte irá receber apoio do Ministério da Saúde para reestruturar o Sistema Único de Saúde (SUS) no estado, a partir de um programa que está sendo implementado pela Secretaria de Saúde do RN (Sesap).

O plano, apresentado nessa terça-feira (19) pela governadora Fátima Bezerra e pelo secretário Cipriano Maia ao ministro Henrique Mandetta, prevê a regionalização do atendimento e a formação de consórcios para implantação de policlínicas nas oito regionais de saúde do estado.

Mandetta se comprometeu em garantir repasses para os serviços que atualmente estão sem financiamento federal e que são pagos pelo Governo do RN. Os recursos vão ser utilizados para incrementar cirurgias eletivas, leitos de UTI, serviços dos hospitais estaduais e parte do custeio dos municípios de Natal e Mossoró.

 

23
jun

Incorporando

Postado às 11:19 Hs

SUS incorpora novos tratamentos para doenças raras. O Sistema Único de Saúde (SUS) passará a oferecer novidades no tratamento de doenças raras. Portadores de Mucopolissacaridoses, tipo I e II, contarão com novas opções de medicamentos: a laronidase e a idursulfase alfa. Já para os acometidos pela Deficiência de Biotinidase, a novidade é a aprovação dos protocolos que orientam a assistência na rede pública de saúde. Protocolos que orientam o atendimento para a Síndrome de Turner e a Hepatite Autoimune também foram atualizados e estarão disponíveis nas unidades do SUS no segundo semestre. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), as doenças raras afetam até 65 pessoas a cada 100 mil indivíduos, sendo 80% decorrentes de fatores genéticos.
30
nov

Fique Sabendo…

Postado às 18:35 Hs

# Amianto

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira, 29, proibir uso do amianto do tipo crisotila, material usado na fabricação de telhas e caixas d’água. A decisão dos ministros foi tomada para resolver problemas que surgiram após a decisão da Corte que declarou a inconstitucionalidade de um artigo da Lei Federal 9.055/1995, que permitiu o uso controlado do material.

# Calote

No Brasil, ninguém ganha isenção de impostos ao contratar um plano de saúde. Mesmo assim, os planos (e, indiretamente, os usuários) precisam pagar quando enviam algum paciente para o Sistema Único de Saúde. Por outro lado, é justo que a saúde pública custeie um serviço pelo qual as operadoras já estão cobrando? É essa questão que deve ser decidida pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). A corte pode perdoar hoje um “calote” de R$ 5,6 bilhões das operadoras de planos de saúde no SUS. O STF dirá se é constitucional ou não que o sistema público cobre dos planos toda vez que atende um paciente encaminhado pela rede privada.

# Créditos

Foram sancionadas e publicadas no Diário Oficial da União desta quinta-feira (30) quatro leis que concedem um total de mais de R$ 7,5 bilhões a diversos órgãos do governo. Todos os recursos liberados serão remanejados de outros setores do Orçamento da União. Foi vetada a verba de R$ 300 mil ao Ministério da Saúde. Só a Lei 13.528/2017 (originada do PLN 33/2017) é responsável por abrir crédito de quase R$ 7 bilhões, em favor da Presidência da República e de diversos ministérios. O crédito permitirá, na Presidência da República, a continuidade das ações publicitárias relacionadas à reforma da Previdência Social, do Brasil Eficiente, entre outras.

# Tucanos

Depois de ser rebatido pelo ministro tucano Aloysio Nunes, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmou que Aloysio pode continuar na Esplanada, como cota pessoal do presidente Michel Temer. Nesta quinta-feira, o ministro das Relações Exteriores negou que o PSDB tenha saído do governo, ao contrário do que havia dito Padilha na véspera. — O ministro Aloysio pode vir a ser um ministro da cota pessoal do presidente — declarou Padilha após a divergência pública do chanceler tucano. ]Até então, Padilha não citava nomes quando questionado sobre que ministros tucanos seguiriam no governo. Há três: Aloysio, no Itamaraty, Antonio Imbassahy, na Secretaria de Governo, e Luislinda Valois, nos Direitos Humanos.

Para marcar o Dia das Crianças (12), o Ministério da Saúde anunciou que vai investir R$ 135 milhões que serão destinados à compra de um dos mais modernos medicamentos para diabetes tipo 1. A partir do ano que vem, a insulina análoga será distribuída pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para crianças. O remédio é capaz de controlar com mais eficácia os níveis de glicemia no sangue, o que reduz os efeitos negativos da alta concentração da substância. A insulina é aplicada por meio de uma caneta.

Entre os 10 e os 14 anos o diabetes tipo 1 se manifesta de modo mais agudo. Por isso, o público-alvo da ação serão 1 milhão de jovens, que correspondem a 10% dos adolescentes diabéticos no País. Para os adultos, é preciso prescrição médica. A terapia deve contribuir para a melhoria da qualidade de vida desses pacientes. Segundo o Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), 60 crianças morrem por ano por complicações do diabetes e 8 mil são internadas.

O Ministério da Saúde ainda promove um programa para ajudar os pacientes a controlar o diabetes e incentivar o autocuidado. A medicação é distribuída no Aqui Tem Farmácia Popular em 4 mil cidades e beneficia mais de 6,2 milhões de pessoas.

Criada para regular planos de saúde e “assegurar o interesse público”, como diz a Lei 9.961/2000, a Agência Nacional de Saúde (ANS) age quase como entidade de defesa das empresas que deveria fiscalizar. Nesta segunda (9), em um evento em São Paulo, o presidente da ANS não escondeu sua preocupação com o setor, face o envelhecimento da população.

Fazendo coro aos plano de saúde, que, afinal, ganham mais em países pobres, onde a maioria morre antes de envelhecer. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder. A ANS é tão boazinha com as empresas que autorizou reajustes de 13,55% em 2016 e mais 13,55% em 2017, para uma inflação de 3%.

Mais de três milhões de brasileiros abandonaram os planos de saúde. Cada vez mais caros e de má qualidade, a opção semelhante é o SUS. Somente em 2016 quase 1 milhão e 400 mil pessoas deixaram os planos de saúde, atesta o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar. Com a vida dos planos de saúde tão facilitada, gigante United Health, por exemplo, comprou a Amil para entrar no mercado brasileiro.

09
set

Na espera

Postado às 18:13 Hs

Repasse de R$ 520 milhões assegura compra de 6,5 mil novas ambulâncias.

 

O transporte intermunicipal de pacientes do Sistema Único de Saúde será reforçado com a compra de 6,5 mil novas ambulâncias. Para tanto, o Ministério da Saúde liberou o repasse de R$ 520 milhões. A medida assegura que doentes internados possam ter acesso a consultas, exames e cirurgias em outras cidades. Agora, a pasta vai estabelecer critérios para a distribuição dos veículos entre 5.570 cidades. “Vamos priorizar, nesse momento, os municípios menores, porque são as regiões que mais precisam de atenção e investimento na área de saúde nesse momento”, explicou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Ainda dentro do critério de distribuição, as cidades com população de até 20 mil habitantes terão direito a uma ambulância; as com 21 mil a 50 mil terão direito a duas; as que tiverem de 51 mil a 100 mil terão direito a três, e os municípios que tiverem mais de 100 mil habitantes terão direito a quatro ambulâncias.

14
ago

Prestando contas…

Postado às 14:32 Hs

A Câmara Municipal de Mossoró realizou nesta quinta-feira (14) audiência pública para prestação de contas da saúde referente ao terceiro quadrimestre de 2013, conforme Lei Complementar nº 141/2012. A secretária municipal de saúde, Leodise Cruz, apresentou os números relativos à saúde entre os meses de setembro a dezembro de 2013. Ela chamou a atenção para o fato de Mossoró necessitar de uma maior atenção à saúde mossoroense por parte do Executivo Estadual, uma vez que Mossoró não recebe o mesmo tratamento dado à capital do Estado. “Esse é um retrato do abandono do Governo do Estado à saúde de Mossoró. Em Natal, 60% dos procedimentos são bancados pelo Governo Estadual. Queremos o mesmo tratamento para Mossoró, já que aqui também atendemos toda a região”, afirmou Leodise Cruz.
02
jun

Parceria

Postado às 15:45 Hs

O atendimento nos ambulatórios da Faculdade de Ciências da Saúde (FACS/UERN) está oficialmente credenciado ao Sistema Único de Saúde (SUS). O Reitor da UERN, Pedro Fernandes e o Prefeito de Mossoró, Francisco José Júnior assinaram o convênio neste sábado (31), durante solenidade realizada na Reitoria da UERN. As consultas realizadas nos ambulatórios da FACS primam pela qualidade, já que somam a atenção ao paciente ao cunho pedagógico – o atendimento é realizado pelos médicos/professores e contam com o acompanhamento dos alunos do curso de Medicina. São realizadas consultas em diversas especialidades, além de procedimentos e exames como o teste do olhinho e o acompanhamento pré-natal. Com uma média de 300 atendimentos ao mês, a partir de agora a tendência é de que esse número aumente, beneficiando diretamente a população de Mossoró e municípios vizinhos. O diretor da FACS, prof. Fausto Pierdona Guzen, explicou que os recursos advindos pelo SUS serão investidos no custeio dos ambulatórios. “Além de beneficiar diretamente a população, nossos alunos também saem ganhando com a expansão do campo de estágio”, afirmou o Prof. Fausto. “Com esse convênio, temos a garantia da qualidade e com isso o SUS se fortifica”, pontuou a secretária Municipal de Saúde, Leodise Cruz.
O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, reforçou nesta quarta-feira (14), ao ministro da Saúde, Arthur Chioro, o pedido de urgência para liberação de recursos para serviços hospitalares de unidades do SUS no Rio Grande do Norte. Henrique Alves argumentou que, atualmente, o estado não tem condições de arcar sozinho com o financiamento desses serviços. O presidente da Câmara estava acompanhado da governadora Rosalba Ciarlini e do secretário de Saúde Luis Roberto e da coordenadora de planejamento da Secretaria de Saúde do estado. O deputado Betinho Rosando também participou da audiência. Os números apresentados pelo secretário de Saúde preocuparam o ministro. Arthur Chioro pediu uma semana para analisar o orçamento e eleger prioridades.
02
abr

Parceria em prol do bem comum

Postado às 18:54 Hs

Na manhã desta quarta-feira, a Faculdade de Enfermagem Nova Esperança sediou o lançamento do Projeto de Apoio ao SUS, uma parceria com a Secretaria de Saúde Municipal, Governo do Estado e o Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa. Esse projeto tem como principal objetivo qualificar e melhorar o atendimento no Sistema Único de Saúde, bem como promover a capacitação dos servidores envolvidos através do programa “Gestão da Clínica no SUS”, este que tem abrangência nacional, preparada para atender 70 regiões de saúde do país. No interior do Estado, a Facene/RN foi escolhida como sede para receber esta capacitação iniciada através de uma conferência inaugural neste 2 de abril.
09
dez

Saiba Também…

Postado às 9:32 Hs

# # O Bota-fora de Dilma

A presidente Dilma Rousseff está sofrendo pressão de ministros que não querem deixar o cargo antes de abril. Entre outros está Alexandre Padilha, da Saúde, e Fernando Pimentel, do Desenvolvimento. Candidatos ao governo em São Paulo e Minas Gerais, eles não querem perder a vitrine do governo federal. A presidente, no entanto, está inclinada a fazer a reforma de sua equipe de uma só vez. E já marcou data para se debruçar quase que exclusivamente sobre o tema: o próximo sábado, 14 de dezembro — dia de seu aniversário. Pelos planos iniciais, Dilma intensifica as negociações partidárias até dezembro. Sai de férias, reflete, volta a Brasília no dia 6 de janeiro e anuncia a sua decisão. A vontade de mudar todo o ministério de uma vez decorre de uma constatação: quase nenhum ministro candidato trabalha às sextas-feiras, por exemplo. Todos viajam às suas bases eleitorais. Estão no governo, mas com a cabeça longe de Brasília. E Dilma deu sinais de que Aloizio Mercadante, da Educação, pode mesmo ocupar a Casa Civil em 2014. Ele, por sinal, é um dos poucos que, em geral, ficam às sextas na capital.

# # Desorganização

O Ministério da Saúde reconhece a desorganização no SUS apontada pelo Banco Mundial, diz que há um longo caminho para tornar a gestão mais eficiente, mas aponta avanço nos últimos anos. Helvécio Magalhães, secretário de atenção à saúde da pasta, afirma que o problema vem desde a origem do sistema, que aglutinou instituições com diferentes perfis e tamanhos, sem um plano estratégico adequado. Uma das iniciativas para organizá-lo, segundo ele, tem sido a criação de redes que buscam um atendimento integral do paciente, da consulta no posto à internação. Exemplo: a rede cegonha, que acompanha a mulher no pré-natal, parto e pós-parto. “Formar pessoas, organizar o sistema como redes, usando tecnologia de informação, melhorar a gestão interna das instituições. Tudo isso vai melhorar a qualidade da gestão no SUS. Mas é uma longa caminhada.” Segundo ele, com as redes, a área hospitalar será redesenhada. Os pequenos hospitais, alvo de críticas do banco, por exemplo, passarão por avaliação minuciosa. Magalhães diz que todos os 3.500 hospitais com menos de 50 leitos serão visitados até março. “Não fecharemos os pequenos, mas eles deverão ter clareza de sua função na rede regional. Pode ser que virem um centro de parto normal ou uma base de apoio à saúde da família.”

 

# # Mensalão

Laudo médico pedido pelo STF (Supremo Tribunal Federal) para avaliar a saúde do ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) afirma que ele não precisa ficar em prisão domiciliar. A informação foi divulgada pela Globo News neste domingo (8) e confirmada pelo próprio Jefferson à Folha. Segundo a emissora, os resultados da perícia informam que não foi encontrada ‘qualquer evidência’ do câncer do qual ele se tratou após a retirada de um tumor no pâncreas em 2012. Cabe ao presidente do STF, Joaquim Barbosa, a partir do laudo, determinar se Jefferson deve ficar preso em regime semiaberto ou se pode cumprir sua pena em casa.’Do ponto de vista oncológico, esta junta não identifica como imprescindível, para o tratamento do sr. Roberto Jefferson Monteiro Francisco, que o mesmo permaneça em sua residência ou internado em unidade hospitalar’, diz o laudo citado pela Globo News. Assinam os médicos Carlos José Coelho de Andrade, Rafael Oliveira Albagli e Cristiano Guedes Duque, todos do Inca. (Folha Online)

# # Novos aumentos

Os preços da gasolina poderão subir em 2014 com a aplicação da metodologia elaborada pela Petrobrás para os reajustes de preços de combustíveis no País, disse a presidente da estatal Maria das Graças Foster em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo. Questionada sobre novos aumentos em 2014, ano eleitoral em que o tema inflação centraliza os debates, a presidente da estatal, afirmou que os reajustes poderão ocorrer. “É possível, pela metodologia, que nós possamos praticar novos aumentos”, disse ao jornal. A presidente disse que nunca houve planos para reajustes automáticos nos preços dos combustíveis, acrescentando que a decisão “passa pelo poder discricionário da diretoria da Petrobrás”. A Petrobrás reajustou os preços da gasolina em 4% e do diesel em 8% no final de novembro, já em linha com os princípios de uma nova política de preços da estatal.

ago 18
quinta-feira
22 32
ENQUETE

Você acha que o brasileiro acostumou-se com a Corrupção ao longo do tempo ?

Ver resultado parcial

Carregando ... Carregando ...
PREVISÃO DO TEMPO
INDICADOR ECONÔMICO
51 USUÁRIOS ONLINE
Publicidade
  5.911.879 VISITAS