O quadro de recrudescimento da pandemia do novo coronavírus no Rio Grande do Norte é evidenciado pelo monitoramento realizado pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) em parceria com a Universidade Federal do RN (UFRN) por meio do indicador composto. O resultado mais recente do acompanhamento técnico, que reúne dados como casos confirmados, ocupação de leitos e óbitos e dá uma pontuação entre 1 e 5 para cada cidade, aponta que entre os dias 11 e 23 de março o quadro da pandemia piorou em 59,3% dos municípios potiguares, o que representa 99 cidades.  Em outras 52 localidades (31,1%), a situação manteve-se estável, o que também representa uma situação de alerta, e em apenas 16 cidades (9,6%) os indicadores evoluíram positivamente. No levantamento anterior, 59 tinham apresentado uma piora no indicador, 81 estavam em estabilidade e 27 passavam por uma melhora. Em termos populacionais, o indicador aponta que 86,9% dos moradores do RN – aproximadamente 3,07 milhões de pessoas – vivem em municípios que estão na faixa amarela ou vermelha, que representam situação de alerta.
A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), por meio do Instituto Metrópole Digital (IMD), lançou edital com a abertura de 6.900 vagas para dois cursos gratuitos na área de tecnologia. As inscrições começam nesta segunda-feira (8), e seguem abertas até o dia 21, sendo destinadas para as formações de Programador de Dispositivos Móveis e Programador Web, que serão realizadas na modalidade de Ensino a Distância. A iniciativa está integrada ao Programa Novos caminhos, estruturado pelo Ministério da Educação e realizado em parceria com diversas instituições de ensino no país. Os interessados em se inscrever nos cursos oferecidos pelo IMD devem fazê-lo através de formulário disponível no site novoscaminhos.imd.ufrn.br, onde também se encontra disponível o edital 02/2021. A formação de Programador de Dispositivos Móveis oferece 2.700 vagas e tem carga horária 200 horas, enquanto a de Programador Web disponibiliza 4.200 vagas e também possui carga horária de 200 horas. Os interessados devem cumprir, como requisitos principais, as condições de ter pelo menos 16 anos de idade e possuir a escolaridade mínima requerida por cada curso.

Pelo menos 10 tremores de terra foram registrados no município de Caraúbas, na região Oeste potiguar, entre o sábado (20) e a madrugada desta segunda-feira (22). De acordo com o Laboratório de Sismologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, um dos tremores atingiu a magnitude de 2.5.

O primeiro tremor de magnitude 2.3 foi sentido pela população por volta das 17h18 do sábado (20). E o último por volta das 2h15 desta segunda-feira (22), que atingiu a marca de 1.9 de magnitude. O mais forte ocorreu por volta das 10h33 do domingo (21), atingindo 2.5.

Desde janeiro, essa é terceira vez que o município registra eventos relacionados a tremores de terra.

Com a chegada das festas do fim de um ano marcado pela pandemia de covid-19, reunir familiares para as tradicionais ceias natalinas e de réveillon, segundo um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), pode ser uma atividade perigosa. A avaliação se dá, sobretudo, pelo novo perfil de infectados identificado, que hoje é quatro anos mais jovem do que o apresentado em julho de 2020. Segundo os dados da PNAD Contínua do terceiro trimestre de 2020, em cerca de 147 mil domicílios potiguares (12,2% do total), há idosos residindo com jovens de 18 a 35 anos. Isso aumenta o risco de contaminação, especialmente pelo fato de que, segundo relatórios da Secretaria Estadual de Saúde do RN (Sesap/RN), a população jovem corresponde a quase a metade de casos de covid-19 atualmente (46,5%).
06
dez

Tecnologia & Desenvolvimento

Postado às 13:29 Hs

O sertanejo conhece: do cajueiro aproveita-se praticamente tudo. Da amêndoa da castanha-de-caju, localizada no interior próprio da castanha, até os restos dos galhos podados, passando pela casca da castanha até o fruto propriamente, a utilização espalha-se pela indústria química de tintas e vernizes, lubrificantes, agronegócio e alimentação animal. Na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), cientistas buscam patentear uma nova aplicação com a utilização de resina de cajueiro, a goma de caju, para implementar o processo de composição de ferritas nanoestruturadas, substâncias que apresentam grande relevância na aplicabilidade das tecnologias modernas, como memórias magnéticas, chips, placas de eletrônicos e imãs. “Embora as ferritas nanoestruturadas sejam bastante conhecidas na literatura, o grande foco do trabalho foi a utilização de um produto nativo brasileiro, mais especificamente localizado no Nordeste do Brasil como a goma de caju, o que serve de exemplo que produtos locais podem ser de suma importância para a economia, ao agregarmos um valor econômico”, colocou Evanimek Bernardo Sabino da Silva, um dos pesquisadores envolvidos no desenvolvimento da tecnologia.
Alexandre Morais da Rosa, juiz de Direito do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), participa na segunda-feira, 26, do Projeto de Extensão “I Ciclo de Carreiras Jurídicas: O Direito é plural”, às 19h30, através do YouTube. As inscrições podem ser feitas através do site www.ccsa.ufrn.br/meconvida ou pelo Sigaa, o evento é gratuito e aberto ao público.  O momento faz parte de uma programação formada por 13 encontros, onde cada convidado compartilha sua experiência e carreira na área jurídica, além de debater sobre suas perspectivas futuras. O convidado Alexandre da Rosa, além de juiz, é professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), doutor em Direito (UFSC), e conhecido por ampla publicação de livros com temas como Inteligência Artificial e Teoria dos Jogos relacionadas ao Direito, Processo Penal, Delação Premiada, dentre outros.
09
set

Retomada

Postado às 9:38 Hs

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) retoma as aulas dos cursos de graduação do período letivo 2020.1 (2020.6), em formato remoto nesta terça-feira, 8. O calendário modificado foi aprovado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) no dia 25 de agosto. O documento prevê ainda a abertura de um período extraordinário de matrículas, do dia 8 a 18 de setembro. Haverá oferta de vagas residuais que estarão disponíveis para matrículas dos alunos regulares da UFRN, por meio do Sigaa, até que sejam preenchidas. A modificação no calendário aconteceu diante da decisão da UFRN em adiar a retomada das aulas do período 2020.1 do dia 24 de agosto para 8 de setembro, isso porque o programa de pacote de dados da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP)/Ministério da Educação (MEC) não estaria implementado na data prevista inicialmente para a retomada das aulas da Instituição.
A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) abriu hoje (03) as inscrições para o processo seletivo voltado à formação de cadastro reserva de professores substitutos. Dentre as unidades acadêmicas contempladas no edital, há vagas destinadas ao Instituto Metrópole Digital (IMD), para a área de Desenvolvimento Web. As inscrições para a seleção seguem abertas até o dia 14 de setembro e devem ser realizadas por meio do Sistema Integrado de Gestão de Recursos Humanos (SigRH) da UFRN, na aba “Menu Concursos”, na qual encontram-se disponíveis o Formulário de Inscrição e o Edital do processo seletivo.   Para candidatar-se à vaga de professor destinada ao IMD, é necessário que o candidato possua graduação em Computação e pós-graduação Lato Sensu ou Stricto Sensu.

A incubadora Tecnatus divulgou na semana passada o primeiro edital de pré-incubação e incubação de 2020. De fluxo contínuo, as inscrições para os interessados iniciam nesta segunda-feira, 27, e podem ser realizadas até 27 de julho de 2021. As áreas contempladas são de Engenharia, Arquitetura e Ciências Exatas e da Terra. A Tecnatus é uma incubadora situada no Centro de Tecnologia (CT) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e oferece orientação para a criação e desenvolvimento de empreendimentos inovadores de base tecnológica.

“O edital foi concebido para empreendedores que possam desempenhar suas atividades também de forma não-presencial, atendendo todas as normativas e resoluções vigentes tanto a nível da UFRN, como a nível estadual. Nesse sentido esperamos acolher empresas e empreendedores, que tenham ideias de produtos ou processos em Engenharia, Arquitetura e Ciências Exatas e da Terra, e necessitem de apoio para desenvolvê-los e transformá-los em negócio, em um momento difícil e diferenciado, que está nos dando a chance de reinventar atividades, desenvolver novas habilidades e criar oportunidades para o surgimento de produtos e processos inovadores, que busquem a sustentabilidade e que possam cada vez mais trazer bem-estar à sociedade como um todo”, explicou a gerente geral executiva da Incubadora, Carla Wilza Souza de Paula Maitelli.

A unidade dispõe de espaço físico e recursos tecnológicos, de uso individual e coletivo para o desenvolvimento das atividades empresariais, como também apoio gerencial e consultorias. O edital com todas as condições se encontra disponível no endereço https://tecnatus.ct.ufrn.br/documentos.

Fonte: Assessoria

Uma iniciativa que pretende facilitar a incorporação da nanotecnologia no portfólio de produtos já disponíveis na indústria farmacêutica, bem como contribuir para a criação de novas formulações que impactem o setor. Sob esses caminhos, estudos vinculados ao Laboratório de Tecnologia e Biotecnologia Farmacêutica do Departamento de Farmácia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) resultaram na criação da startup ISNANO: Inovação e Soluções em Nanotecnologia, uma das empresas que conseguiu êxito na seleção final do Projeto Centelha no Rio Grande do Norte, iniciativa promovida pelo Sebrae.

“O nosso estado tem um parque industrial reduzido e muito diversificado, o que torna um desafio atuar no setor de insumos para a saúde humana e animal. No entanto, quando olhamos para o setor de Farmácias de manipulação temos uma matriz muito ampla, com centenas de empresa que cobrem quase todo o estado. Além disso, temos empresas pioneiras no setor que foram criadas aqui em nosso estado e já possuem uma rede de franquias em todo o Brasil. Quando olhamos para este segmento, as empresas muitas vezes recorrem às empresas de consultoria de fora do estado para incorporar treinamentos e inovação em sua realidade”, explicou o professor Arnóbio Antônio da Silva Júnior.

Ao lado de Daniele Cavalcante Gomes, Lannya Clara Santos Tavares Pessoa e Ednaldo Gomes do Nascimento, todos com vínculo com a UFRN, seja administrativo ou acadêmico, ele forma o grupo que está envolvido na criação da empresa, que a princípio ficará vinculada à incubadora BioInova, unidade dos centros de Biociências e de Ciências da Saúde.

Embora esta seja a primeira experiência em uma iniciativa similar ao do projeto Centelha, o docente enfatizou que a ideia vem sendo estruturada há mais tempo. “Nos últimos anos, começamos a pensar em uma forma mais interativa e efetiva para transmitir o conhecimento germinado na linha de pesquisa em Nanotecnologia Farmacêutica para o setor produtivo, principalmente devido ao crescente número de depósito de patentes do grupo. Percebemos que éramos quase que diariamente procurados por outros pesquisadores, inclusive de fora do país, para parcerias no desenvolvimento de produtos e protótipos em nanotecnologia, mas não pelo setor produtivo”, colocou Arnóbio.

Foi então que surgiu aquele que o grupo considera o primeiro “potencial” cliente. Foi o momento em que uma farmácia de manipulação procurou a equipe para desenvolver insumos com essa abordagem e que estava disposta a investir para que o projeto tivesse sucesso. Arnóbio Júnior acrescentou, ainda, que procurou na época a Agência de Inovação (AGIR) e o setor de empreendedorismo da Pró-Reitoria de Extensão (PROEX), “para trocar ideias”, e teve a sugestão de incubar um projeto ou empresa. O grande salto acabou acontecendo no início deste ano, quando, em conversa com a equipe da AGIR para saber quais das incubadoras da UFRN poderiam abraçar o projeto, surgiu o Edital do Centelha. O projeto empolgou pois supre uma lacuna na área de serviços.

“Em nossa busca e consulta inicial com parceiros e clientes, verificamos que não existe ainda empresa que ofereça o que pretendemos para este setor de farmácia de manipulação, o qual é tão faminto por inovação. Esperamos consolidar nosso plano de negócios neste primeiro triênio como a empresa de maior impacto neste setor, o qual permitirá abraçar outros setores da indústria”, relatou Daniele Cavalcante Gomes.

Com o caráter de ser uma empresa de Pesquisa & Desenvolvimento em Nanotecnologia, a ISNANO está em fase de incubação, criação e regularização da empresa junto aos órgãos competentes. Após esses tramites, começa a receber  aporte financeiro do programa Centelha. “Esta fase também envolve transformar nossa plataforma de serviços em uma plataforma de negócios e produtos a serem oferecidos para os nossos clientes. Já temos os primeiros clientes e esperamos celebrar os primeiros contratos tão logo estejamos regularizados”, finalizou o professor Arnóbio.

Fonte: Assessoria

O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da UFRN regulamentou, nesta quinta-feira, 16 de julho, a retomada das aulas dos cursos de graduação do período letivo 2020.1, o qual estava suspenso desde 17 de março em virtude da pandemia da covid-19. A resolução aprovada prevê o reinício das aulas em 24 de agosto. Buscando formas de cumprir a missão institucional da universidade e de atender às demandas da comunidade, preservando a segurança à saúde, a inclusão e a flexibilidade, as aulas da graduação do período 2020.1 acontecerão em formato remoto. Para fins operacionais, as turmas serão registradas no Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (SIGAA) como 2020.6. Os alunos já matriculados nas turmas do 2020.1 terão as suas matrículas preservadas, exceto em casos de impedimento de oferta da turma. De toda forma, haverá um período de rematrícula para adição ou exclusão de turmas. Os discentes com programa suspenso ou em mobilidade acadêmica poderão ser reativados, mediante requerimento enviado à Pró-Reitoria de Graduação (Prograd).

A Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) da UFRN suspendeu os prazos de confirmação de vínculo dos alunos ingressantes do período letivo 2020.2 do Edital do Processo Seletivo do Sistema de Seleção Unificada (SiSU). Dessa forma, novos prazos serão revistos e divulgados em novo termo aditivo, na página do SiSU-UFRN.

Conforme a pró-reitora de Graduação, Maria das Vitórias de Sá, a UFRN possui uma única edição do SiSU, que ocorreu em fevereiro, quando os ingressantes do primeiro semestre (2020.1) foram matriculados e os ingressantes do segundo semestre (2020.2) foram cadastrados. Contudo, devido à pandemia da covid-19, as atividades acadêmicas presenciais foram suspensas e o semestre 2020.1 está, atualmente, em fase de discussão e planejamento nos centros e unidades acadêmicas especializadas. “O período letivo 2020.2 terá início após a finalização do 2020.1”, explica a professora.

A Prograd esclarece ainda que os estudantes que realizaram o cadastramento para o 2020.2 possuem  suas vagas garantidas para quando for possível iniciar o respectivo período letivo. Além disso, a suspensão dos prazos perdurará até a publicação de novo termo aditivo ao edital, que será disponibilizado no site SiSU-UFRN.

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) foi listada entre as 40 melhores instituições de ensino superior da América Latina e do Caribe pelo Times Higher Education (THE). O ranking mundial destacou a qualidade de 166 instituições de ensino da região e a UFRN conquistou a 39° colocação.

O ranking incluiu universidades de 13 países da América Latina e do Caribe e selecionou as 166 melhores instituições da região com base em 13  indicadores de desempenho, avaliando aspectos de ensino, pesquisa, transferência de conhecimento e perspectivas internacionais.

A UFRN ficou entre as quatro melhores do Nordeste brasileiro, junto à Universidade Federal da Bahia (UFBA), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e Universidade Federal do Ceará (UFC). Outras instituições nordestinas que conseguiram entrar na lista foram a Universidade Federal de Sergipe (UFS), Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Universidade de Fortaleza (Unifor), Universidade Estadual do Ceará (UECE), Universidade Federal do Piauí (UFPI), Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa) e a Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

De acordo com o THE, o Brasil é mais uma vez o país mais representado no ranking, com 61 instituições, seguido pelo Chile com 30 e pela Colômbia com 23. Na listagem geral, a Pontifícia Universidade Católica do Chile ocupa a liderança, pelo segundo ano consecutivo, e a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade de Campinas (Unicampi) figuram como segunda e terceira colocadas, respectivamente.

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) realizou até esta segunda-feira, 20, a colação de grau antecipada de 82 estudantes regularmente matriculados no curso de Medicina. A medida atende a Portaria nº 383, divulgada pelo Ministério da Educação (MEC) no último dia 13, que autoriza o procedimento em virtude das medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do novo coronavírus (Covid-19).

O documento do MEC concede a permissão para colação de grau antecipada dos estudantes de Medicina, Enfermagem, Farmácia e Fisioterapia, que devem ter cumprido, no mínimo, 75% da carga horária de internato do curso de Medicina e do estágio curricular obrigatório dos demais cursos. No ato da publicação da portaria, estavam aptos a colar grau na UFRN 49 alunos do curso de Medicina de Natal e 39 da Escola Multicampi de Ciências Médicas, em Caicó, enquanto os estudantes das demais graduações ainda não cumpriam as exigências por apresentar componentes curriculares pendentes.

A colação de grau individual é realizada a distância, por via eletrônica, a partir da leitura do juramento e da assinatura de ata. Após o procedimento a coordenação do curso encaminha os documentos para a Pró-Reitoria de Graduação (Prograd/UFRN), que posteriormente solicita a outorga do reitor, também efetuada eletronicamente. Finalizado esse processo, os alunos já podem emitir o certificado de conclusão de curso, por meio do Sistema Eletrônico de Atividades Acadêmicas (Sigaa), e procurar o conselho profissional para dar entrada no registro. O diploma será entregue em data posterior, conforme regulamentação da Portaria nº 1.095/2018 do MEC.

Outras informações estão disponíveis na Portaria nº 534/2020-R, da UFRN, que regulamenta os procedimentos relativos à antecipação da colação de grau.

O Instituto Metrópole Digital (IMD/UFRN) desenvolveu uma plataforma para a Secretaria Estadual de Saúde (Sesap/RN) para auxiliar no combate à epidemia de Coronavírus (Covid-19). Trata-se de uma ferramenta tecnológica que deve começar a ser usada até o final desta semana e servirá para o registro, acompanhamento e análise epidemiológica de casos suspeitos e confirmados de Covid-19. Suas funcionalidades vão proporcionar maior agilidade na verificiação contextualizada dessas ocorrências e, consequentemente, ações dirigidas eficazes para conter o avanço do vírus. Segundo o diretor de Tecnologia da Informação do IMD, o professor Itamir Barroca Filho, a ferramenta é georreferenciada e “vai gerar gráficos e mapas de calor de casos suspeitos e confirmados, para o acompanhamento mais efetivo da Vigilância Epidemiológica”. A Sesap possui atualmente dois sistemas distintos para a captura desses tipos de informações, mas que não possibilitam uma integração de seus dados de maneira rápida e automatizada. Um deles faz o registro de casos suspeitos de Coronavírus e o outro reúne os resultados dos exames realizados nos pacientes com suspeita da doença.

Em gesto de solidariedade com os profissionais de saúde que se empenham na contenção e tratamento de pessoas com o novo Coronavírus (Covid-19), empresários da Void3D – startup potiguar especializada na confecção de produtos por impressão 3D – estão fazendo doações de máscaras para proteção antivírus.

A empresa, vinculada à Inova Metrópole, incubadora sediada no Instituto Metrópole Digital (IMD/UFRN), reservou suas 10 impressoras para a confecção das máscaras e levanta uma campanha para que toda a população ajude por meio da doação de valores que deem suporte à iniciativa. Para participar, o interessado poderá se cadastrar por meio do link.

“A Void3D está disponibilizando toda sua infraestrutura para a confecção dessas máscaras e pede o auxílio de todos para que continuemos com as doações”, comenta Arthur Andrade, diretor da Void3D. As máscaras são feitas para serem usadas em conjunto com a versão de tecido, de modo a evitar que gotículas de saliva cheguem ao rosto de quem a usa.

Até o momento, a startup já conseguiu produzir pouco mais de 160 máscaras de proteção. Esses produtos estão sendo confeccionados com o apoio de profissionais de saúde especializados, de maneira a aumentar sua eficiência na proteção do usuário contra a propagação do Coronavírus. Ao longo da semana, mais aprimoramentos serão feitos para aumentar ainda mais a eficácia dos equipamentos.

Segundo Arthur Andrade, a ação contemplará diferentes instituições de saúde da capital, como os hospitais Giselda Trigueiro e Walfredo Gurgel, além de maternidades e profissionais do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

A impressão das máscaras também conta com o apoio de outras instituições, como a BlinDog – startup da Inova Metrópole especializada na criação de produtos para cachorros cegos –, laboratórios da UFRN e demais pessoas que utilizam essa tecnologia em casa.

Respiradores

Além das máscaras de proteção, os empreendedores também estão pesquisando formas imprimir respiradores – itens essenciais para tratar de casos graves do Covid-19. Esse trabalho está sendo desenvolvido em parceria com pesquisadores da UFRN, que se empenham no estudo e desenvolvimento desses equipamentos via impressão 3D.

“Como essa parte da iniciativa ainda está em fase de pesquisa, decidimos circular somente as máscaras, até o momento. Mas acreditamos que é somente uma questão de tempo para que esses respiradores estejam prontos e circulando”, explica Andrade.

Fonte: Assessoria

O reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), José Daniel Diniz, envia carta aberta à comunidade universitária sobre as ações de combate ao novo coronavírus (Covid-19). Confira o texto:

Natal, 22 de março de 2020.

Vivemos um momento particularmente difícil, com a chegada do (Covid-19), que tem afetado a todos nós e a cada família brasileira, numa ocorrência que – por seu caráter de pandemia – verifica-se hoje em todos os lugares do mundo.

Na UFRN, bem no início da crise, criamos o Comitê Covid-19, formado por especialistas nesta área de conhecimento para nos assessorar nas decisões tomadas pela instituição. Atendendo sua recomendação, suspendemos por tempo indeterminado, as aulas, os eventos e, em seguida, todas as atividades presenciais não essenciais. Sabemos o quanto isso afeta as vidas de todos nós. Mas essa foi uma medida necessária para diminuir o convívio social enquanto durar o risco de transmissão do vírus.

A UFRN segue cumprindo sua missão institucional de compromisso com a sociedade, atuando em várias frentes para apoiar o enfrentamento dessa crise. Os nossos três hospitais universitários são parte do esforço conjunto em todo o estado, no combate ao novo coronavírus. O Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas está realizando exames de arboviroses para reduzir a demanda do Laboratório Central de Saúde Pública do Rio Grande do Norte. Outro esforço, coordenado pelo Instituto de Medicina Tropical (IMT-UFRN), consiste na busca de aquisição de insumos necessários para iniciar testes do Covid-19. Além disso, uma linha de teleatendimento está sendo avaliada para implementação pelo IMT para informar e tirar dúvidas da população.

Estamos também buscando alternativas para a produção de álcool no Núcleo de Pesquisa em Alimentos e Medicamentos (Nuplam-UFRN) e no Departamento de Farmácia. Várias outras medidas podem ser tomadas, a exemplo da iniciativa do Departamento de Nutrição e do Programa de Pós-Graduação em Nutrição, que elaboraram uma cartilha nutricional de orientações de enfrentamento ao coronavírus. Ações como essas são muito importantes e exemplificam como a nossa diversidade de áreas de conhecimento permite contribuir de diferentes maneiras.

Não é possível ainda saber quando nossas atividades poderão ser retomadas. Por oportuno lembramos que ficar em casa e evitar contato físico com as pessoas é também uma maneira de ajudar e conter a disseminação do vírus. Portanto, pedimos a manutenção do diálogo pelos diversos canais de comunicação, em especial por meio dos nossos sistemas.

Por fim, queremos registrar os nossos sinceros agradecimentos aos servidores dedicados dos nossos hospitais, que estão e continuarão à frente deste enorme esforço de atendimento à população, bem como a todos os outros que mantêm as atividades essenciais.

Reiteramos a necessidade de ressaltar que o momento exige ainda mais solidariedade de cada um de nós. Estamos confiantes de que superaremos unidos este momento e que dele haveremos de sair mais fortes.

Agradecemos a compreensão de cada um e reforçamos que a UFRN continuará à disposição do nosso estado e do nosso país.

José Daniel Diniz Melo
Reitor

Após reunião do Comitê Covid-19 da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), na manhã desta terça-feira, 17, o grupo recomendou a suspensão das aulas presenciais. Dessa forma, o reitor José Daniel Diniz Melo acatou a orientação da comissão de especialista e as aulas de graduação e pós-graduação ficam suspensas por tempo indeterminado.

Seguindo a avaliação constante da situação nacional e internacional dos casos do novo coronavírus, a decisão do Comitê Covid-19 da UFRN levou em consideração a necessidade de maximizar as medidas preventivas, para reduzir a contaminação, e a grande preocupação que assola a comunidade universitária, inviabilizando as atividades.

Para o reitor Daniel Diniz, o Comitê Covid-19 foi criado devido à preocupação com a situação do novo coronavírus e com o intuito de manter a comunidade universitária segura. “Ficamos sob alerta e em contato constante com o Comitê para embasar nossas medidas. Hoje, nosso grupo de especialistas recomendou a suspensão e acatamos a orientação para preservar a saúde dos integrantes da UFRN”, explicou o professor.

A UFRN atualizará a comunidade universitária, conforme novas decisões.

Comitê Covid-19 da UFRN

O Comitê Covid-19 da UFRN foi criado pelo reitor Daniel Diniz para assessorar a gestão no monitoramento e na atualização das recomendações das autoridades sanitárias. O grupo é presidido pelo vice-reitor Henio Miranda, e conta com as participações do responsável pela Diretoria de Atenção à Saúde do Servidor (DAS), Benedito Baracho; do médico pneumologista, Renan dos Santos; do chefe do Departamento de Infectologia, Kleber Luz; da vice-diretora do Instituto de Medicina Tropical (IMT), Eliana do Nascimento; e do professor do Departamento de Microbiologia e Parasitologia, Joselio de Araújo.

abr 18
domingo
21 09
ENQUETE

Você acha que o brasileiro acostumou-se com a Corrupção ao longo do tempo ?

Ver resultado parcial

Carregando ... Carregando ...
PREVISÃO DO TEMPO
INDICADOR ECONÔMICO
103 USUÁRIOS ONLINE
Publicidade
  5.865.852 VISITAS