16
abr

Mais vacinas no RN

Postado às 10:08 Hs

O plano de imunização contra a Covid-19 no Rio Grande do Norte ganhou novo reforço nesta sexta-feira (16). São 89,4 mil doses, entre imunizantes CoronaVac/Butantan e Oxford/Fiocruz, que a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) distribuirá aos municípios potiguares ainda nesta sexta.

As doses, seguindo a orientação do Ministério da Saúde, são voltadas aos potiguares idosos, trabalhadores da saúde e forças de segurança. As 36.400 doses da CoronaVac serão divididas entre a primeira dose para pessoas entre 60 e 64 anos, trabalhadores da segurança e da saúde, além da dose 2 para quem trabalha na saúde e idosos entre 65 e 69 anos.

Já no caso da Oxford serão 53 mil doses, todas destinadas à ampliação da vacinação com a primeira doses para idosos entre 60 e 69 anos.

A distribuição dos imunizantes seguirá o mesmo esquema de segurança montado desde janeiro, coordenado por Sesap e Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed), contando com a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros Militar.

Esta semana o RN cruzou os números de 400 mil pessoas vacinas e 500 mil vacinas aplicadas. De acordo com a plataforma RN+ Vacina, até o início da manhã desta sexta-feira 415 mil potiguares receberam ao menos a primeira dose, sendo aplicadas 534 mil vacinas. Assim, o RN chegou a 54% da meta de vacinação para o público-alvo da fase 2 do plano de imunização, que é de 757.069 pessoas.

O Brasil bateu recorde na aplicação de doses de vacinas contra covid-19 nesta terça-feira (13). De acordo com a plataforma independente acinabrasil.org, foram aplicadas 1.225.396 doses apenas hoje. Agora, o Brasil contabiliza 32.310.602 doses administradas nos brasileiros, sendo 24.498.318 primeiras doses e 7.812.284 segundas doses das vacinas adquiridas pelo governo federal.

O Ministério da Saúde já disponibilizou aos Estados um total de 47.862.856 doses de imunizantes contra o coronavírus, das quais 32,3 milhões foram efetivamente aplicadas.

O Brasil continua ostentando a posição de quinto país que mais aplica vacinas em sua população, ficando atrás apenas dos quatro grandes produtores de imunizantes: Estados Unidos, China, Índia e Reino Unido.

Nesta terça, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, confirmou que cerca de 1,5 milhão de brasileiros não apareceram para tomar a segunda dose, mas todos serão chamados a comparecer aos postos de vacinação. Afinal, apenas uma dose de vacina não é suficiente para imuniza uma pessoa, de acordo com especialistas.

DIÁRIO DO PODER

O Brasil ultrapassou a marca de 30 milhões de doses de covid aplicadas em 85 dias de campanha, um resultado a ser comemorado por superar Alemanha, França e Itália, que juntos têm população equivalente à nossa e levaram 89 dias para bater a marca. O mesmo ocorreu no Reino Unido, primeiro país do ocidente a iniciar a vacinação.

Até o fim da tarde deste domingo (11), foram aplicadas no Brasil exatamente 30.356.490 doses de vacina, de acordo com a plataforma independente vacinabrasil.org.

Apesar de rico e grande produtor de vacinas, levou 104 dias para superar 30 milhões de doses. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

O Reino Unido é o quarto no ranking com 39 milhões de doses aplicadas, mas o Brasil deve ultrapassar os britânicos até o fim deste mês.

O Brasil levou 47 dias para chegar a 10 milhões de doses, 24 dias para ir aos 20 milhões e apenas 14 para ultrapassar a marca dos 30 milhões.  A média diária de doses aplicadas no Brasil está acima de 750 mil e é a quarta melhor, atrás de China, Índia e EUA, diz o Our World in Data.

Além das 30 milhões de doses aplicadas, há cerca de 20 milhões que já foram entregues pelo governo federal a todos os Estados.

DIÁRIO DO PODER

Balanço da vacinação contra Covid-19 desta sexta-feira (9) aponta que 22.686.106 pessoas já receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19, segundo dados divulgados até as 20h. O número representa 10,71% da população brasileira.
A segunda dose já foi aplicada em 6.843.168 pessoas (3,23% da população do país) em todos os estados e no Distrito Federal.
No total, 29.529.274 doses foram aplicadas em todo o país.
Este é o segundo dia seguido desde o começo da pandemia que o Brasil vacina mais de 1 milhão de pessoas em 24h. De ontem para hoje, a primeira dose foi aplicada em 515.998 pessoas e a segunda dose em 485.389 pessoas, num total de 1.001.387.

A informação é resultado de uma parceria do consórcio de veículos de imprensa, formado por G1, “O Globo”, “Extra”, “O Estado de S.Paulo”, “Folha de S.Paulo” e UOL.

O Governo do Rio Grande do Norte inicia nesta quinta-feira (8) a vacinação contra o coronavírus para os agentes da segurança pública que atuam no Estado. Nesta primeira remessa, serão aplicadas 1.040 doses do imunizante CoronaVac, da biofarmacêutica chinesa Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan. Devem se vacinar servidores públicos da Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Instituto Técnico-Científico de Perícia (ITEP), Polícia Penal, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Penal Federal e agentes públicos das guardas municipais.

A quantidade de no Brasil chegou a 20.023.132 pessoas vacinadas contra a covid-19 com ao menos a primeira dose nesta segunda-feira (5). O número representa 9,46% do total da população brasileira. Nas últimas 24 horas, 548.306 pessoas receberam a primeira dose.

Entre os 20 milhões, 5.595.929 pessoas receberam a segunda dose, o que representa 2,64% da população com a imunização completa. Nas últimas 24 horas, 206.718 pessoas receberam essa dose de reforço. Somadas as primeiras e segundas doses, o Brasil aplicou no último dia 755.024 doses, segundo dados fornecidos por 24 estados.

Em termos proporcionais, o Mato Grosso do Sul é o estado que mais vacinou sua população até aqui: 12,48% dos habitantes receberam ao menos a primeira dose. A porcentagem mais baixa é encontrada no Acre, onde 5,56% receberam a vacina. Em números absolutos, o maior número de vacinados com a primeira dose está em São Paulo (4,9 milhões), seguido por Minas (1,737 milhão) e Bahia (1,735 milhão).

Veja os dados de vacinação por Estado:

Foto: Wilson Moreno/Secom PMM

Proporção de vacinados com a primeira dose em relação ao total da população local

TOTAL – 20.023.132 (9,46%)

MS – 350.647 (12,48%)

BA – 1.735.679 (11,62%)

RS – 1.263.468 (11,06%)

PB – 432.168 (10,70%)

SP – 4.938.851 (10,67%)

AM – 445.184 (10,58%)

PR – 1.197.691 (10,40%)

CE – 955.437 (10,40%)

DF – 310.734 (10,17%)

SC – 705.716 (9,73%)

PE – 910.871 (9,47%)

ES – 383.547 (9,44%)

RN – 330.076 (9,34%)

PI – 290.609 (8,86%)

SE – 202.045 (8,71%)

AL – 280.657 (8,37%)

MG – 1.737.750 (8,16%)

PA – 686.131 (7,89%)

RJ – 1.316.104 (7,58%)

GO – 536.502 (7,54%)

RR – 46.409 (7,35%)

TO – 104.111 (6,55%)

AP – 55.032 (6,39%)

RO – 112.546 (6,26%)

MA – 440.986 (6,20%)

MT – 204.452 (5,80%)

AC – 49.729 (5,56%)

Fontes : R7 com Estadão Conteúdo

Foto: Célio Duarte (Secom/PMM)

A Prefeitura de Mossoró segue realizando força-tarefa para vacinação dos idosos contra à Covid-19. Neste domingo (04), os idosos de 63 anos são contemplados pela campanha “Mossoró Vacina”, que vacinou também neste sábado, dia 3, os idosos de 64 anos.

A comerciante Bernadete Freire Rocha, de 63 anos, procurou a Unidade Básica de Saúde Francisco Pereira de Azevedo, no bairro Liberdade I, junto com o esposo, já vacinado, para tomar a primeira dose da vacina.

“Essa vacina é uma esperança para que a gente possa viver mais tranquilo. Que essa doença possa acabar e a gente viver mais tranquilo”, afirmou ela.

A vacinação dos idosos neste sábado e domingo ocorreu de forma tranquila nas 10 unidade de saúde espalhadas por diversas regiões do município. A secretária municipal de Saúde, Morgana Dantas, alerta os idosos que já tomaram a primeira dose que fiquem atentos para a data da segunda dose.

O prefeito Allyson Bezerra acompanhou a vacinação nas unidades de saúde neste domingo, dia 4. Para ele, a força-tarefa realizada aos fins de semana, tem gerado resultados positivos. “Mossoró está adiantada e é referência nacional porque conseguimos atingir idades que outras cidades ainda não alcançaram. Tudo isso porque o trabalho foi feito com organização, logística e distribuição de vacinas nas regiões da cidade e também na zona rural. A gente fica satisfeito com esse trabalho. Toda a cidade de Mossoró unida pela vacinação”, destacou o prefeito.

Fonte: Assessoria

A vacinação contra a Covid-19 em Mossoró, no final de semana, apresenta saldo positivo de 5.770 doses aplicadas, nas dez unidades básicas de saúde que funcionaram pela primeira vez no sábado e domingo. O prefeito Allyson Bezerra ressalta o resultado.

“A vacinação no fim de semana foi um grande sucesso. Atendemos aos públicos previstos e, assim que recebemos 4.640 doses no sábado, já distribuímos para que a campanha pudesse ser reforçada e ampliada para outras faixas de idade”, informa.

Segundo ele, Mossoró é a cidade do estado com mais pontos de vacinação. “São 46 pontos ao todo, durante a semana e no final de semana são 10. Havendo doses disponíveis, vamos abrir mais UBS’s para prosseguir com a imunização”, assegura o prefeito.

Agilidade

Para a Campanha Mossoró Vacina, a operação coordenada pela Secretaria Municipal de Saúde recebeu o reforço de vários profissionais de saúde, incluindo cerca de 100 voluntários de universidades públicas e privadas, parceiras da iniciativa.

Cerca de 20 voluntários do Tiro de Guerra, além do efetivo da Guarda Civil Municipal, atuaram nas UBS’s, garantindo segurança às equipes de vacinação e ao público, composto por idosos de 67 anos acima e por profissionais de saúde.

“Mossoró vacina e vacinará muito mais assim que tivermos mais doses disponíveis, porque não queremos perder tempo nessa luta contra a pandemia. Agradeço a todos os profissionais efetivos e voluntários que trabalharam conosco no fim de semana”, frisa a secretária municipal de Saúde, Morgana Dantas.

Equipes completas e treinadas

O sucesso da vacinação no sábado e domingo deu sequência a uma campanha, já exitosa por imunizar os públicos alvos sem aglomerações e transtornos durante os dias úteis da semana.

“No sábado, vimos que quase não havia idosos de 70 anos para vacinar porque eles estavam sendo vacinados com a comodidade e a segurança de um horário agendado na UBS do seu bairro. Isso mostra que a vacinação está atendendo bem ao público”, avalia Morgana Dantas.

Equipes do Mossoró Vacina no final de semana

10 ASG’S (1por UBS);
40 vacinadores (4 por UBS);
10 enfermeiros (1 por UBS);
20 digitadores (2 por UBS);
40 técnicos de enfermagem (4 por UBS);
20 homens do Tiro de Guerra (2 por UBS);
100 voluntários distribuídos de acordo com o tamanho da cobertura de cada Ubs;
14 tendas.

Fonte: Assessoria

Neste domingo (28), a Prefeitura de Mossoró dá início a vacinação dos idosos de uma nova faixa etária: a de 67 anos, 68 anos e 69 anos. Este grupo poderá ter acesso à imunização nas 10 unidades básicas de saúde que estão com as portas abertas durante o final de semana.

“As equipes estão preparadas para avançar com a vacinação contra a Covid-19 e neste domingo já iniciaremos com a faixa de idade de 67 anos, 68 anos e 69 anos ou mais”, disse o prefeito Allyson Bezerra, lembrando o êxito do primeiro dia de vacinação em um dia de sábado: “Nossa campanha de vacinação neste sábado foi um sucesso e levou esperança para milhares de mossoroenses”, enfatizou.

Segundo a secretária municipal de saúde Morgana Dantas, os idosos de 67, 68 e 69 anos ou mais ainda vão poder ser vacinados na segunda-feira (29), caso esta seja a preferência, por meio de agendamento em todas as UBS’s.

“Os idosos que por alguma razão não queiram ou não possam comparecer em uma das 10 UBS’s abertas no domingo, poderão ser vacinados posteriormente na UBS do seu bairro. Durante a semana estamos com as 46 unidades abertas e vacinando mediante agendamento”, disse Morgana.

Fonte: Assessoria

O Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, bateu nesta quinta-feira (25) um novo recorde na aplicação de vacinas em todo o País, de acordo com balanço fechado perto da meia-noite, hora de Brasília. De acordo com a plataforma independente de monitoramento vacinabrasil.org, mantida pela Rice University, de Houston (Texas), foram aplicadas 808.287 doses, número próximo à meta de 1 milhão de doses diárias estabelecida pelo novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Nesta quinta-feira, foram aplicadas 693.659 primeiras doses e mais 114.628 segundas doses, perfazendo o total de 808.287. O recorde anterior, de 777 mil doses foi registrada na véspera, quarta (24).

Já são 14.130.032 os brasileiros que receberam ao menos a primeira dose, número 2 milhões maior que o número de infectados pelo coronavírus até hoje. Somam 4.565.036 os brasileiros tiveram também a segunda dose da vacina.

Até agora, o Ministério da Saúde disponibilizou aos Estados um total de 30.163.386 doses, das quais 24.199.946 fora distribuídas aos municípios. Todas as doses administradas, em primeira e segunda doses, chegam a 18.695.068.

A média de doses aplicadas vinha se mantido à volta de 380 mil doses, mas, há uma semana, na sexta-feira 19, o PNI vacinou mais de 551 brasileiros. À exceção do fim-de-semana, o número só aumentou desde então: na segunda e na terça-feiras desta semana, foram vacinadas mais de seiscentas mil pessoas.

DIÁRIO DO PODER

O consórcio de municípios para compra de vacinas contra a Covid-19 quer ajuda internacional para reforçar o Plano Nacional de Imunização (PNI). Segundo o presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), Jonas Donizette, a ideia é mostrar que ajudar o país é uma forma de ajudar o mundo. “Os apelos que vamos fazer a nível mundial, não vai ser só um apelo dizendo, olha, o Brasil é isso. Surgiu a variante brasileira em Nova Iorque. Nós vamos mostrar que, além de estar ajudando o Brasil, as intervenções internacionais estarão ajudando o mundo. Nesse momento, o Brasil é perigoso para o mundo. Se essas variantes se espalharem, a situação, se é que tem como, vai ficar pior ainda”, disse Donizette. A declaração ocorreu durante a reunião virtual que marcou a aprovação do estatuto e instituição do Conectar – Consórcio Nacional de Vacinas das Cidades Brasileiras, do qual 2,6 mil municípios manifestaram interesse em participar – neste momento, 1.731 já aprovaram projetos de lei municipais para integrar o grupo.

O Brasil vacinou pelo menos 10.014.374 pessoas com a 1ª dose de imunizantes contra a covid-19 até as 18h desta 2ª feira (15.mar.2021). Desses, 3.646.272 receberam a 2ª dose. Ao todo, foram 13.660.646 doses administradas no país.

O número de vacinados com a 1ª dose no país representa 4,7% da população brasileira. Os vacinados com as duas doses são 1,7%. Os dados são do CoronavirusBot, que compila dados das secretarias estaduais de saúde.

A quantidade de pessoas que receberam a 2ª dose no Brasil equivale a 36% dos que tomaram a 1ª dose. As vacinas que estão em uso são a CoronaVac e a de Oxford/AstraZeneca. Ambas são administradas em duas doses. Proporcionalmente, o Amazonas foi o Estado que mais vacinou: 8,0% de sua população recebeu a 1ª dose. É seguido por São Paulo (6,2%) e Distrito Federal (5,5%).

Em números absolutos, São Paulo é o Estado que mais administrou primeiras doses. Foram: 2.884.407 aplicações. Equivale a 29% de todos os vacinados com a 1ª dose no país. Na sequência, aparece Minas Gerais e Rio de Janeiro (os vacinados em ambos os Estados representam 8% dos vacinados brasileiros). São Paulo também lidera a aplicação da 2ª dose. Foram 1.098.261 os que receberam as duas unidades. São 38% dos paulistas que receberam a 1ª injeção e 2,4% da população estadual.

Mato Grosso do Sul tem a maior taxa de vacinados com as duas doses: 50% dos que tiveram a 1ª aplicação também tomaram a 2ª vacina. Também é o Estado em que mais habitantes receberam as duas unidades: 2,7% da população teve as duas aplicações.

Poder 360

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) recebeu hoje a primeira dose da vacina CoronaVac contra a covid-19. Em vídeo, Lula disse que a vacina do Instituto Butantan era “exatamente a que ele queria tomar”. As informações são do UOL.

O petista também criticou Jair Bolsonaro (sem partido). “O presidente da República precisa parar de ser ignorante”, disse. “Eles [Bolsonaro e o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello] têm que aprender a respeitar o sentimento do povo brasileiro e garantir vacina para todo mundo.”

O petista recebeu a primeira dose do esquema vacinal em um drive-thru em São Bernardo do Campo, cidade da Grande São Paulo. No carro, o ex-presidente estava acompanhado do deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP), que foi ministro da Saúde no governo de Dilma Rousseff (PT). Segundo Padilha, Lula deverá receber um aviso para retornar entre 14 e 21 dias para receber a segunda dose da CoronaVac.

Incentivo à vacina e ao isolamento

“Se cuidem para que amanhã você não esteja chorando a perda de um ente querido”, disse o ex-presidente em vídeo nas redes sociais após receber a primeira dose da imunização.

O ex-presidente disse que estaria “muito mais feliz se tivesse vacina [doses] para todo mundo”. Ele também falou que é preciso combater os “negacionistas, as pessoas que não acreditam na vacina e ficam falando bobagem para a sociedade”.

“Só tem um jeito de a gente se livrar do coronavírus. É a gente tomar vacina”, disse, lembrando também ser importante evitar aglomeração.

Para incentivar que as pessoas fiquem em casa, Lula falou que, “se você não gosta de você, goste de seu pai, da sua mãe, da sua tia, do seu tio, dos seus amigos. Porque, se você pegou, você vai passar para eles.” “Então, nem pegue e nem passe. Esse é o lema.

O governo Jair Bolsonaro informou ao Supremo Tribunal Federal (STF) ter incluído trabalhadores da área de educação na lista dos serviços essenciais e que vão fazer parte do grupo prioritário de vacinação contra Covid-19 no país, em documento encaminhado à Corte na noite de terça-feira e visto pela Reuters. As informações foram publicadas por diversos órgãos de imprensa pelo País.

Em Nota Informativa, a Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, disse entender que o ambiente de escolas e universidades são potenciais na exposição à infecção por Covid. Citou que, “principalmente no ensino básico, esses profissionais possuem contato com muitos alunos simultaneamente, é de extrema relevância a vacinação dos trabalhadores da educação”.

23
fev

Rapidez

Postado às 9:25 Hs

No dia em que o Brasil ultrapassou a marca de 7 milhões de doses de vacinas contra o coronavírus aplicadas, o Our World in Data confirmou que o ritmo brasileiro é cerca de 23% melhor que a média mundial. De acordo com a plataforma que monitora tanto a evolução da pandemia quanto da imunização, 3,27% da população brasileira já recebeu ao menos uma dose, enquanto a média mundial de imunização é de 2,67%. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

O Brasil superou média de 250 mil doses diárias aplicadas. Nessa toada, em menos de duas semanas teremos mais vacinados que infectados. Sexto país no número de vacinados, o Brasil deve ultrapassar Israel esta semana e se tornar o quinto, atrás de EUA, China, Reino Unido e Índia.

Israel lidera a vacinação proporcional entre os países com mais de cinco milhões de habitantes: 85%. Em 2º estão os Emirados Árabes com 56%.

DIÁRIO DO PODER

O governo federal publicou uma edição extra do Diário Oficial da União na noite desta sexta-feira (19) com dois extratos de dispensa de licitação para a compra das vacinas Sputnik V e Covaxin.

O documento assegura R$ 693,6 milhões para a compra da vacina russa e R$ 1,614 bilhão para a indiana.

O documento não fala em volume de doses que serão compradas, mas o Ministério da Saúde apresentou nesta semana um cronograma que prevê que, a partir do dia 20 de março, sejam entregues 20 milhões de doses da Covaxin e 10 milhões da Sputnik. Para serem distribuídas, porém, a Anvisa precisa aprová-las, mas não há ainda pedido de registro formalizado.

A dispensa foi permitida em razão da medida provisória 1.026, que facilitou o processo de compra de vacinas e insumos para combater a Covid-19 no Brasil.

CNN Brasil

Via O Globo/ Adriana Mendes

Em reunião com a Frente Nacional de Prefeitos (FNP) na manhã desta sexta-feira (19/02), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, garantiu que vai alterar o Plano Nacional de Vacinação (PNI) para incluir os professores como prioridade na estratégia de imunização. A medida é uma das reivindicações dos prefeitos. O ministro também informou que serão entregues 4,7 milhões de doses até o dia 28 de fevereiro e que todas as doses devem ser aplicadas, alterando a orientação do governo de reservar vacinas para segunda dose.

Foto: Wilson Moreno/Secom PMM

Pressionado para acelerar a vacinação no país, Pazuello disse aos prefeitos que serão entregues neste mês 2,7 milhões de doses da CoronaVac e 2 milhões da vacina da AstraZeneca/Universidade de Oxford, produzida pela Fiocruz. Os dois imunizantes precisam de duas doses.

— Neste novo momento da campanha, a vacina do Butantan será aplicada em dose única, com o objetivo de ampliar a vacinação e atender ainda mais brasileiros. Com isso, entramos em março com a expectativa de vacinar novos grupos — disse Pazuello aos prefeitos.

# Professores

O presidente da FNP, o ex-prefeito de Campinas (SP) Jonas Donizette (PSB) disse que Pazuello também “garantiu que fará uma adaptação no PNI” para incluir os professores no calendário prioritário até o mês de março. Ele apontou a promessa como uma “vitória” dos prefeitos.

— Os prefeitos perguntaram (ao ministro) se poderiam assumir esse compromisso, e ele pediu mais alguns dias para poder confirmar, mas disse que a intenção é essa, trazer a vacinação dos professores para março — afirmou o presidente da frente, lembrando que em muitos municípios as aulas presenciais retornam no próximo mês.

Governadores do estados brasileiros – entre eles, a gestora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra – se reunirão com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para cobrar medidas de combate à pandemia de Covid-19, como entrega de novas doses de vacinas e disponibilização de leitos de UTI. A reunião foi divulgada pelo governador do Piauí, Wellington Dias (PT).

Assuntos que serão discutidos
– Cronograma de entrega de vacinas até abril;
– Atualização sobre as líquidas para compra de doses da Sputinik V e da Covaxin;
– Sanção da medida provisória dá 5 dias para que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorize o uso emergencial de vacinas contra covid-19 que já tenha aprovação internacional;
– Pagamento de UTIs exclusivas para pacientes com covid-19 e ampliação da demanda;
– Medicamentos em falta ou que os preços subiram de forma abrupta.

Segundo o governador do Piauí, o fórum de governadores aguarda os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) e do Senado (Pacheco), Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para que os dois auxiliem no diálogo com Bolsonaro para que a MP que acelera a aprovação de vacinas para uso emergencial seja aprovada.

“Apesar de Lira já ter se configurado a favor da medida, o da Anvisa, Antônio Barra Torres, solicitou que Bolsonaro faça vetos no texto original, pois considera o prazo de 5 dias um risco grave para o país”, anunciou ele.

AGORA RN

abr 19
segunda-feira
05 28
ENQUETE

Você acha que o brasileiro acostumou-se com a Corrupção ao longo do tempo ?

Ver resultado parcial

Carregando ... Carregando ...
PREVISÃO DO TEMPO
INDICADOR ECONÔMICO
54 USUÁRIOS ONLINE
Publicidade
  5.865.857 VISITAS