O RN Mais Vacina está totalmente integrado às plataformas do DATASUS e do Ministério da Saúde, deixando o Rio Grande do Norte como o primeiro estado brasileiro totalmente integrado ao sistema do Governo Federal. Essa interligação garante o repasse, automático, das informações de todo o processo de vacinação que está em andamento no Rio Grande do Norte para o governo federal, de forma ágil e transparente. Esse processo teve início desde a construção da plataforma potiguar, com reuniões e repasse de informações entre a equipe do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde – LAIS/UFRN – Secretaria de Saúde Público do Estado – SESAP – e do próprio DATASUS e agora resulta na interligação dos dados. Com a conclusão de compartilhamento de dados com o DATASUS e o Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI), as informações sobre imunização em todo o território potiguar passam a integrar a à Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS) – plataforma nacional de interoperabilidade de dados em saúde.
Quando já contabilizava mais de dois milhões de pessoas vacinadas contra a Covid-19, o Ministério da Saúde havia recebido apenas 1.038 comunicações de eventos adversos por pessoas que já foram imunizadas. Desses casos, apenas 20 foram considerados graves, mas sua relação com as vacinas ainda precisa ser confirmada. Os dados são da última terça-feira, data da mais recente atualização da pasta. De acordo com o consórcio de veículos de imprensa, o total de vacinados nesta quinta já ultrapassava 3 milhões de pessoas no Brasil. Especialistas afirmam que os números baixos de queixas reforçam o perfil de segurança das vacinas, notadamente a CoronaVac, utilizada em mais de 90% das imunizações até o momento. O outro imunizante adotado no país é o da AstraZeneca/Oxford.

Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) alinhou na tarde desta quarta-feira (3) com os municípios do Rio Grande do Norte a continuidade do processo de vacinação contra a Covid-19. Em reunião com a participação do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do RN (Cosems-RN) e da Secretaria Municipal de Saúde de Natal (RN), a Sesap acertou a distribuição das vacinas para a segunda dose do primeiro lote da CoronaVac a partir do dia 8/2.

As doses deverão ser aplicadas pelos municípios entre os dias 10 e 17/2, seguindo o cronograma técnico necessário para garantir a imunidade pela CoronaVac. A norma técnica da vacina aponta que o espaço entre a primeira e a segunda dose deve ser de 21 a 28 dias. A segunda etapa servirá às pessoas que tomaram a primeira dose no lote inicial utilizado na abertura do plano de operacionalização para vacinação contra a Covid-19 do estado.

“A reunião foi importante para alinhar a sequência do trabalho de vacinação no estado. Precisamos ressaltar que a organização é essencial, pois a vacina só será aplicada em quem levar o seu cartão físico, mostrando que tomou a CoronaVac e na data certa”, afirmou a subsecretária de planejamento e gestão da Sesap, Lyane Ramalho.

Equipes do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) fizeram nesta quinta-feira (21) visitas surpresa em locais de vacinação contra a Covid-19. O objetivo é averiguar se as pessoas que estão sendo vacinadas se enquadram no previsto no plano de vacinação. Desde esta quarta-feira (20), o MPRN está recebendo denúncias de casos de pessoas que receberam a primeira dose da vacina mesmo sem se enquadrarem no que está preconizado no plano. Esses serão analisados individualmente para se investigar se houve o cometimento de crime ou ato de improbidade.
O governo da Índia liberou as exportações comerciais de vacinas COVID-19, com as primeiras remessas sendo enviadas para o Brasil e Marrocos na sexta-feira, disse o secretário de Relações Exteriores da Índia. As vacinas desenvolvidas pela farmacêutica britânica AstraZeneca e pela Universidade de Oxford estão sendo fabricadas no Serum Institute of India, o maior produtor mundial de vacinas, que recebeu pedidos de países de todo o mundo. O governo indiano suspendeu a exportação de doses até iniciar seu próprio programa doméstico de imunização no fim de semana passado. No início desta semana, ela enviou suprimentos gratuitos para países vizinhos, incluindo Butão, Maldivas, Bangladesh e Nepal.
O governo do Rio Grande do Norte já discutiu e elaborou todo o esquema logístico para garantir que as vacinas contra a Covid-19 cheguem à população com total segurança. Na sexta-feira (15), em videoconferência realizada com a participação de membros do Governo Federal e secretarias estaduais de Segurança Pública e da Saúde, foram definidos os últimos acertos para quando as primeiras doses do imunizante chegarem ao estado, sejam elas a Coronavac, desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo, ou a vacina da Universidade de Oxford/Astrazeneca, que está sendo produzida por um laboratório na Índia. As doses da Coronavac começam a ser distribuídas com os estados brasileiros ainda nesta segunda (18). Neste primeiro momento, cerca de 81 mil doses da vacina serão enviadas ao Rio Grande do Norte. A prioridade são os profissionais da saúde que atuam na linha de frente no combate ao coronavírus.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que o governo começa nesta segunda, às 7h, a distribuição de vacinas contra a Covid-19 para todos os estados. Ele também previu o início da campanha para quarta-feira, às 10h.

A distribuição, segundo o ministro, será feita pela FAB a “pontos focais” definidos por cada estado. O Rio Grande do Norte receberá nesta segunda-feira, 82.440 doses da vacina Coronavac do Instituto Butantan feita em parceira com o laboratório chinês Sinovac.

O Ministério da Saúde distribuirá quase 6 milhões de doses da vacina para todos os estados e o Distrito Federal. As caixas já estão no Departamento de Logística da Saúde (DLOG), em São Paulo, segundo nota divulgada pela pasta.

A distribuição das vacinas será feita com aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) e caminhões com áreas de carga refrigeradas. As companhias aéreas Azul, Gol, Latam e Voepass também farão o transporte gratuito das caixas de vacinas para todos os estados que necessitem de transporte aéreo.

Depois que o Governo Federal entregar as vacinas aos estados, os governos estaduais irão se encarregar de levar as vacinas até os municípios em parceria com o Ministério da Defesa.

18
jan

Repercutindo

Postado às 8:41 Hs

Vacina com viés eleitoreiro

A ciência venceu morte e o vírus do fim do mundo está sendo guerreado e sepultado, mas depois de um rastro de horror: dois milhões de almas ceifadas, das quais 207 mil no Brasil. Europa e Estados Unidos saíram na frente sem marketing, sem contendas políticas, diferente do Brasil. Ontem, enquanto uma enfermeira negra, de 54 anos, entrava para a história, a primeira vacinada no Brasil, em São Paulo, por obra do governador João Doria (PSDB), em Brasília, no mesmo horário, o Governo Bolsonaro, por meio do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, acusava o golpe, classificando o ato paulista de puro marketing.

“O Ministério da Saúde tem em mãos, neste instante, as vacinas tanto do Butantan quanto da AstraZeneca. Nós poderíamos, num ato simbólico ou numa jogada de marketing, iniciar a primeira dose em uma pessoa. Mas em respeito a todos os governadores, prefeitos e todos os brasileiros, o Ministério da Saúde não fará isso. Não faremos uma jogada de marketing”, atacou o ministro, numa entrevista coletiva para roubar a cena do que estava ocorrendo em São Paulo.

“É o triunfo da vida contra os negacionistas, contra aqueles que preferem o cheiro da morte, ao invés do valor e da alegria da vida”, rebateu, por sua vez, o governador de São Paulo, João Doria, ao lado da enfermeira Mônica Calazans, do Hospital Emílio Ribas, a primeira pessoa no Brasil a receber uma dose da Coronavac. Depois dela, vários outros profissionais do Hospital das Clínicas, onde foi realizada a coletiva, também foram vacinados.

Triste uma vacina ser obra de manipulação política por puro oportunismo do Governo paulista. Doria é candidatíssimo à Presidência da República em 2022. Fazendo um Governo medíocre e opaco, tanto que chegou a ser escondido da campanha do prefeito reeleito Bruno Covas, Doria tenta, agora, enganar a humanidade brasileira com a vacina, o político que chegou primeiro com a tábua da salvação, passando por cima do Governo Federal.

Pazuello fez o pronunciamento após autorização pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) do uso emergencial de duas vacinas contra a covid-19 no Brasil, a coronavac, chinesa, produzida em parceria com o Instituto Butantan, e a inglesa, da Universidade de Oxford, na Inglaterra. No caso da Coronavac, os técnicos da Anvisa confirmaram, a partir de cálculos e análises próprias, os principais dados de eficácia e segurança apresentados pelo Butantan, mas detalharam incertezas que ainda permanecem sobre o produto.

Os técnicos da Anvisa confirmaram a eficácia de 50,4% da Coronavac, mas ressaltaram que não foi possível calcular a eficácia da vacina por faixa etária, principalmente entre idosos. Quanto à vacina de Oxford, também foi confirmada a segurança do imunizante e a eficácia média de 70,32%. O dado considera diferentes números, dosagens e intervalos entre doses. No Brasil, com duas doses completas, a eficácia ficou em 62%.

A enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, se tornou neste domingo, 17, a primeira pessoa vacinada contra a Covid-19 no Brasil. Ela foi imunizada com a CoronaVac, desenvolvido pelo Instituto Butantan, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. Ela é negra, tem 54 anos e trabalha na UTI do hospital Emílio Ribas. Também é obesa, hipertensa e diabética.

Com a aprovação pela maioria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) neste domingo, do uso emergencial do fármaco, Calazans e outros profissionais de saúde indicados por hospitais públicos e que trabalham na linha de frente do combate à Covid-19 estão sendo vacinados pelo governo de São Paulo.

Mônica recebeu uma dose da CoronaVac momentos depois da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) conceder autorização para o uso emergencial do imunizante.

A CNN teve acesso aos dois primeiros vídeos da campanha publicitária da vacinação do Ministério da Saúde e que serão submetidos à aprovação do presidente Jair Bolsonaro. Eles duram cerca de um minuto, cada um, e foram feitos pela agência Nova S/B, que venceu o pregão de R$ 50 milhões para a campanha. Ao contrário das outras agências que disputavam o certame, a Nova S/B não sugeriu artistas populares para apresentarem as peças.

Em um dos vídeos, há uma música com o refrão “Somos um Brasil, somos uma só nação” e trechos dela que dizem “o Brasil está preparado para ser todo imunizado” e “em cada canto do país tem a saudade que aperta o coração”. As imagens são de brasileiros desconhecidos, mas buscam mostrar a variedade de tipos físicos brasileiros. Há negros, brancos, pardos, indígenas, homens, mulheres, crianças, jovens e idosos.

No outro vídeo a ideia é a mesma, porém sem a música, apenas um locutor narrando um texto diferente. Ele também termina com “somos um Brasil, somos uma só nação”. Segundo fontes, o “astro” da campanha será Zé Gotinha, personagem-símbolo do Programa Nacional de Imunizações e que encabeça as campanhas nacionais desde os anos 80.

O Ministério da Saúde também negocia coma Confederação Brasileira de Futebol para que a campanha adentre os estádios.

CNN BRASIL

O deputado federal Pedro Vilela (PSDB-AL) apresentou Indicação ao Ministro da Saúde para que o Plano Nacional de Vacinação Contra a Covid-19 estabeleça prioridade para profissionais de áreas essenciais, como saúde, educação e segurança.

No documento, que deverá ser remetido também ao presidente da República, Jair Bolsonaro, o parlamentar argumenta que o Brasil amarga a 3ª posição no número de profissionais de saúde vitimados pela doença.

Além disso, segundo Pedro Vilela, a necessidade de retomada das aulas presenciais deve garantir aos profissionais da educação a prioridade de que trata a Indicação. Para o deputado, “os prejuízos educacionais e psicossociais dos alunos no período de aulas virtuais exige a retomada das aulas presenciais, desde que garantidas as medidas sanitárias e preservação da saúde dos profissionais por meio da imunização”.

Por fim, o parlamentar defende a garantia de prioridade para os profissionais da área de segurança, já que a “essencialidade e as características do serviço prestado não admitem suspensão das atividades de segurança ou mesmo o exercício desse trabalho por home office”.

Fonte: Blog do Magno

Em pronunciamento nesta quarta-feira (13), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que a campanha de vacinação contra a Covid-19 começará ainda neste mês. “Vamos vacinar em janeiro e Manaus será também a primeira a ser vacinada. Ninguém receberá a vacina antes de Manaus”, disse o ministro. “A vacina será distribuída simultaneamnte em todos os estados, na sua proporção de população, e Manaus terá essa prioridade também”, afirmou Pazuello. Após o pronunciamento de Pazuello, o ministério esclareceu que a vacinação em Manaus ocorrerá como em outros locais do país, de forma “simultânea e proporcional”, e que não haverá diferença de data e nem de quantidade de doses em comparação com outras cidades. Haverá apenas diferença de horário, por causa do fuso. O ministro ainda alertou que a população deverá compreender que o início da imunização não significa ir para “rua fazendo festa”.
O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta segunda-feira (11) que pode antecipar a vacinação contra o novo coronavírus no estado – prevista para ser iniciada do dia 25 – caso a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) conclua a análise do pedido de uso emergencial da Coronavac antes do prazo previsto de 10 dias. “Está mantido o prazo de 25 de janeiro. São Paulo iniciará a vacinação em 25 de janeiro e, se possível, até antes. Se houver a liberação da vacina antes, iniciaremos a vacinação antes. Aliás, é o que desejamos para todo o Brasil”, disse Doria, em entrevista à CNN Rádio. “Ao meu ver, não é o momento de a ciência burocratizar e fazer excessos de exigências de uma vacina que já se mostrou eficiente e eficaz. Nem para a vacina do Butantan, nem para a de Oxford ou nenhuma outra”, completou o governador.
Em reunião presencial e virtual com prefeitos de todo o estado a governadora Fátima Bezerra confirmou nesta sexta-feira (8) que o Rio Grande do Norte está com estrutura pronta para receber e aplicar as vacinas contra a Covid-19. A chefe do Executivo garantiu que 72 horas após a chegada das doses, que deverão ser adquiridas e enviadas pelo Governo Federal, a vacinação será iniciada no estado. “Nosso governo não se omite. Tomou medidas duras quando necessário. Adotou ações baseadas em estudos técnicos com fundamentação científica. Instalamos o comitê de especialistas das nossas universidades, junto com técnicos da nossa Secretaria de Saúde já no início da pandemia. Investimos R$ 221 milhões no enfrentamento ao novo coronavírus com novos leitos e melhorias na estrutura hospitalar, contratação de pessoal, insumos e reformas físicas. Melhorias permanentes que ficarão atendendo a população. Optamos por investir no SUS em vez de hospitais de campanha que são desativados. E agora estamos prontos para aplicar o Plano Estadual de Imunização”, afirmou na reunião realizada no auditório da Escola de Governo, em Natal.
O México, o Chile e a Costa Rica iniciaram a vacinação contra a Covid-19 nesta quinta-feira (24). O México foi o primeiro país latino-americano a começar a imunizar a população. Os dois países vão aplicar a vacina desenvolvida em conjunto pela Pfizer e BioNTech. A primeira dose na América Latina foi aplicada em Maria Irene Ramirez, de 59 anos, chefe de enfermagem da unidade de terapia intensiva do Hospital Geral Ruben Leñero, na Cidade do México.  “Estou um pouco nervosa, mas muito feliz. É o melhor presente que pude receber em 2020, me dá mais segurança e mais coragem para continuar na guerra contra um inimigo invisível. Temos medo, mas devemos continuar”, disse Maria Irene, antes de ser vacinada.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) decidiu nesta quinta-feira (10) conceder autorização temporária de uso emergencial, em caráter experimental, de vacinas contra a Covid-19 e estabeleceu regras para que empresas solicitem a autorização.

Na prática, a medida abre caminho para que empresas possam fazer esse pedido de emergência. “A autorização de uso emergencial é um mecanismo que pode facilitar a disponibilização e o uso das vacinas contra Covid-19, ainda que não tenham sido avaliadas sob o crivo do registro, desde que cumpram com os requisitos mínimos de segurança, qualidade e eficácia”, disse Alessandra Bastos Soares, diretora da Anvisa.

Quem tem entre 20 e 49 anos tem até o dia 31 de agosto para se vacinar na quarta etapa da Mobilização Nacional de Vacinação contra o Sarampo, do Ministério da Saúde. A vacina está disponível em 43 mil postos de saúde de todo o País e é a principal medida de prevenção e controle contra a doença.

São mais de 90 milhões de pessoas nesta faixa-etária. Até o dia 15 de julho, apenas 4,2% desse público-alvo havia sido vacinado. Por isso, o ministério alerta sobre os riscos da doença e a importância da imunização.

O sarampo é uma doença grave, especialmente para as crianças, e de alta transmissibilidade. De acordo com o Ministério da Saúde, uma pessoa infectada pode transmitir para até outras 18 pessoas. A disseminação do vírus não precisa de contato direto, pois ocorre por via aérea ao tossir, espirrar, falar ou respirar. Os sintomas são manchas vermelhas no corpo e febre. A doença pode trazer complicações como pneumonia e infecção de ouvido e, nas crianças, pode causar encefalite e levar a morte.

Dados do Ministério da Saúde mostram que, neste ano, até 27 de junho, foram confirmados 5.642 casos de sarampo em 21 estados. Até essa data, o Brasil permanecia com surto de sarampo nas cinco regiões, com 11 estados com circulação ativa do vírus.

O Ministério da Saúde anunciou nesta sexta-feira (29) a prorrogação da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe para até 30 de junho, em todo o país. A terceira e última fase teve início no dia 11 de maio, com prioridade aos grupos formados por pessoas com deficiência, crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas, professores e pessoas de 55 a 59 anos de idade.

A meta é vacinar 90% dos grupos prioritários, porém, até o momento, foram vacinadas apenas 25,7% de 36,1 milhões de pessoas estimadas nesta terceira fase. Desde o início da ação nacional, em 23 de março, 50 milhões de pessoas foram vacinadas, faltando ainda 28,3 milhões que ainda não receberam a vacina.

A terceira e última fase foi dividida em duas etapas: a primeira ocorreu no período de 11 a 17 de maio, com foco nas pessoas com deficiência; crianças de seis meses a menores de seis anos; gestantes; e mães no pós-parto (até 45 dias). Nesta segunda etapa, que agora segue até o dia 30 de junho, estão os professores das escolas públicas e privadas, que devem apresentar o crachá funcional para comprovar o vínculo com alguma instituição; e os adultos de 55 a 59 anos de idade.

mar 2
terça-feira
17 19
ENQUETE

Você acha que o brasileiro acostumou-se com a Corrupção ao longo do tempo ?

Ver resultado parcial

Carregando ... Carregando ...
PREVISÃO DO TEMPO
INDICADOR ECONÔMICO
81 USUÁRIOS ONLINE
Publicidade
  5.860.021 VISITAS